segunda-feira, agosto 21, 2006

sábado, agosto 12, 2006

Quem sou eu????????

Li na revista Sábado que devemos fazer uma pesquisa no Google sobre o nosso nome: juro-vos que encontrei duas informações a meu respeito. Não me refiro à Nadinha, que deve ter mais...
A Nadinha só tem 164.

Hei-de escrever aqui informações giras sobre blogs que encontrei numa revista brasileira!

sexta-feira, agosto 11, 2006

"E o resto é mar"

  Posted by Picasa

Com entrada por aqui

  Posted by Picasa

Mas parece q esta é a verdadeira casa onde viveu J. Amado, hoje república de estudantes

  Posted by Picasa

Fundação Casa Jorge Amado

  Posted by Picasa

Pêlô

O Pelourinho, a que também chamam Pêlô é o centro da cidade da Bahia e a referência para tudo.
Logicamente, eu adivinhei, sem que fosse necesário dizerem-mo, que o dito pelourinho, obviamente, não existe.
Como diria o tio Fernando, "Sem existir nos bastou".
Todos, sabemos, vagamente, quando vemos um dos muitos pelourinhos que há em Portugal, alguns muito bonitos, todos sabemos que servia para fazer justiça à maneira primitiva doutros tempos, através dos castigos corporais e da humilhação pública. Raramente nos lembramos do que me foi dito lá em primeiro lugar: servia para castigar os escravos.
É por isso que já não existe.

Fundação Cultural Jorge Amado: Calçada do Pelourinho

  Posted by Picasa

No Comments

  Posted by Picasa

Regresso

Depois de ter dormido em hotéis de luxo, a minha pobre cama parece-me ser o paraíso terreal: bicho saudável descansando na terra sem dor e sem moral.
Tenho vivido em mil casas, houve mil camas a que chamei minhas, mas só as senti como insubstituíveis quando elas são “a lareira a abandonar”.

Cheguei, mas continuo a viagem pela terra.

quinta-feira, agosto 10, 2006

Lista de blogsEstou a tentar

Estou a tentar fazer uma lista de blogs. Neste momento alguns já aparecem, mas em vez do nome deles aparece a palavra Edite depois do Blogger. Se clicarem na palavra chegam lá. quando tiver mais tempo e mais paci~encia, faço o resto.

Bahia: artistas e santos

A Bahia de todos os Santos aprecia muito em particular todos os santos e todos os artistas. E é por isso que tem tantos (artistas, que eu saiba). Poderia dar o exemplo de Jorge Amado, Vinícios de Moraes, Gal Costa, Maria Betânea, Caetano Veloso, e isto para só citar os que conheço e que já são quase antigos.
Uns e outros, artistas e santos, correm o risco de serem corridos ao murro e ao pontapé de quase todos os outros lugares a terra. Cito só o exemplo de Portugal.
Têm em comum, se não tiverem outras coisas, uma incrível teimosia, a mania de que podem ser diferentes de todo o mundo e um certo desprendimento (o que talvez seja o mais irritante nos dias que correm e nos que correram até aqui).
Poderão vocês dizer, com razão, que muitos artistas viveram ao contrário da moral. Sim, mas muitos santos também começaram desse modo.
Dou só o exemplo de S. Cipriano, que começou por ser um bruxo horrendo...

quarta-feira, agosto 09, 2006

Carla

A despropósito:
Amanhã, 10 de Agosto, dêem os parabéns à Carla, que faz anos.
Do blog
http://simtristeza.blogspot.com/

terça-feira, agosto 08, 2006

O Turista: pela terra

Um turista é um ser teletransportado, enrascado, enfiado, que só sabe viver noutro planeta ou nas nuvens, se for levado pela mão para um país miserável. Comendo um marisco demasiado cozido e demasiado mole, enfartando-se ao lado de gente que morre à fome, sente-se feliz. E que não lhe venham falar de outras coisas!
Ele quer ir para a praia, vir moreno, mais preto do que já é, comer e dormir e ver coisas bonitas. Mesmo que haja muitas coisas feias para ver, ou ao menos coisas que não são convencionalmente bonitas.
O ano passado, em Veneza e Bari, chamei a atenção de uma amiga para algo que me parecia surpreendente: colam cartazes nas paredes anunciando a morte de certas pessoas, o funeral, a missa de 7º dia, etc. Como eu tinha esquecido a máquina fotográfica, pedi-lhe que fotografasse o cartaz, mas ela respondeu:
- Ah, mas isso é triste...
Pois, isso é triste. A mim, o que me despertou a atenção foi o seguinte. Em Portugal, nas terras pequenas, circula bouche à l’ oreille a informação de que alguém morreu. Nas terras grandes não circula. Em terras italianas bastante grandes, como Veneza e Bari, foi inventado este sistema, estando as tipografias equipadas com modelos adequados para o fazer. Creio que aquelas pessoas tinham morrido em paz e na abastança.
Nos lugares paradisíacos, morre-se de fome, de malária, de doenças agravadas pela subnutrição…
E é tão fácil ser feliz nesses sítios!
E ainda dizem que “é impossível ser feliz sozinho”

segunda-feira, agosto 07, 2006

Pela Terra 4

  Posted by Picasa

Brasil

O Brasil tem três coisas fantásticas, ao que me foi dado ver: a natureza, a comida e a boa disposição dos brasileiros.
É impossível não pensar no sofrimento, na miséria e nas injustiças que os geram, mas ainda é mais impossível não reparar na expressão de alegria e esperança que se vê pelas ruas.

1º Bispo do Brasil

  Posted by Picasa

domingo, agosto 06, 2006

Pela Terra 2

Este ano, em vez de viajar por mar, andei pela terra. E escrevi para vocês. Já sabem como é: o que me agradar muito está no outro blog.

O primeiro Bispo do Brasil foi, obviamente, um português. Chamava-se Pedro Sardinha e foi comido pelos índios canibais.
As coisas mudaram muito entretanto, pois a Bahia, terra onde foi comido, tem hoje 366 igrejas.
Estes factos foram narrados por um guia turístico, chamado Moisés Messias.

Parece, mas isto já me foi dito por amadores, que os canibais gostavam de comer as pessoas que admiravam. E que por isso não comeram um grande cientista europeu, que era gay e que eles não admiravam.
Sem aspas.

Eu não esperava ir ao Brasil ouvir estas histórias de canibais, e muito menos que elas fossem a introdução a tudo o mais.

Pela terra: diário: São Salvador da Baía

  Posted by Picasa