domingo, agosto 17, 2008

Segundo Capítulo: Pont Mans

Ao chegar a Pont Mans, sem me parecer que valia a pena fixar o nome da terra, dado que estava a meio de sítio nenhum, resolvi cirandar pelas redondezas. E que vejo???!!!

Uma imensa igreja, talvez seja mais exacto dizer uma basílica, tão grande como feia, em tons de azul, se não me engano, atrás de uma enorme imagem escultórica de nossa Senhora igualmente feia e azul, tudo isto rodeado de um espaço muito amplo e muito dividido, como se fossem necessário tantos pátios, caminhos, muros, etc. Fiquei assombrada. O que era aquilo? Numa França tão cheia de catedrais sofisticadas e antigas, uma coisa daquelas...

Apesar de haver tanto espaço, não se via vivalma, o que adensava o mistério: para quê uma igreja tão grande numa terra sem ninguém?

De repente vejo aparecer uma senhora com todo o ar de ser muito religiosa e austera, o que aqui chamávamos uma "beata". Não era simpática, mas mesmo assim dirigi-me a ela e perguntei o que era aquilo.

Mirou-me consternada e ofendida. Eu falava muito bem francês e a senhora não podia sequer imaginar que uma francesa nunca tivesse ouvido falar de Pont Mans.
- Desculpe, é que eu sou estrangeira, na verdade, sou portuguesa...
- E portuguesa mas nasceu aqui?!
- Não, nada disso, sou mesmo estrangeira...
- Julga que me engana? Veio para cá em criança e quer-me convencer de que...
- Não, eu de facto estou aqui só há quinze dias...

Depois de a ter convencido, ela explicou-me: antes de ter aparecido em Lourdes, a Nossa Senhora apareceu em Pont Mans. Mas o santuário de Lourdes e o culto da Nossa Senhora de Lourdes acabaram por ofuscar a adoração de Nossa Senhora de Pont Mans, que, contudo, ainda era importantíssima em França. E concluiu perguntando-me com ar magoado:
- Mas vocês, lá em Portugal, nunca ouviram falar da Nossa Senhora de Pont Mans?
Pelo modo como falou, dir-se-ia que ela própria nunca tinha ouvido falar da Nossa senhora de Fátima, também concorrente da sua, mas nessa época, Fátima não tinha tanta fama internacional como tem hoje.
Tentando não a desiludir nem ofender mais, lá me escapei como pude, pedindo desculpa, dizendo que nunca ouvira falar... sumindo do mapa.

Alguns anos depois, ao estudar a poesia e a vida de Antero de Quental, descubro o seguinte.

Este nosso grande poeta, um dos primeiros ateus por obrigação, agnóstico, era torturado pela dúvida, sendo atraído pela religião católica, que contudo negava com veemência, como atitude filosófica.

Numa noite de tempestade, colocou-se à frente de uma igreja, ao cimo das escadas, afirmando que Deus não existia e desafiando-o a provar-lhe o contrário.

- Se existes, manda que um raio me destrua, a mim, que te nego! (Palavras minhas).

Não aconteceu nada, a não ser os seus amigos escritores e ateus, entre eles Eça de Queirós, terem-lhe posto o apelido de Santo Antero.
Então, Antero, aguardando uma prova, um sinal da existência de Deus, viu esse sinal na aparição da Nossa Senhora em Pont Mans, a primeira das "modernas" aparições.

Tão emocionado ficou, que se reconverteu ao catolicismo, creio que só temporariamente, como é próprio dos seres torturados pela dúvida, e escreveu então alguns dos mais belos poemas místicos da língua portuguesa.
Musicados posteriormente, são hoje muito conhecidos do grande público e vou transcrever aqui dois deles.

Cenas dos próximos capítulos (se os houver): De Pont Mans à cidade do Porto. (Continuação da minha viagem).






Sonetos de Antero de Quental

Na mão de Deus, na sua mão direita,
Descansou afinal meu coração.
Do palácio encantado da Ilusão
Desci a passo e passo a escada estreita.




Como as flores mortais, com que se enfeita
A ignorância infantil, despôjo vão,
Depus do Ideal e da Paixão
A forma transitória e imperfeita.




Como criança, em lôbrega jornada,
Que a mãe leva ao colo agasalhada
E atravessa, sorrindo vagamente,




Selvas, mares, areias do deserto...
Dorme o teu sono, coração liberto,
Dorme na mão de Deus eternamente!




Obtido em "http://pt.wikisource.org/wiki/Na_m%C3%A3o_de_Deus"



Cheia de Graça, Mãe de Misericordia


N'um sonho todo feito de incerteza,
De nocturna e indizivel anciedade,
É que eu vi teu olhar de piedade
E (mais que piedade) de tristeza...


Não era o vulgar brilho da beleza,
Nem o ardor banal da mocidade...
Era outra luz, era outra suavidade,
Que até nem sei se as há na natureza...


Um mystico soffrer... uma ventura
Feita só do perdão, só da ternura
E da paz da nossa hora derradeira...


Ó visão, visão triste e piedosa!
Fita-me assim calada, assim chorosa...
E deixa-me sonhar a vida inteira!


Obtido em "http://pt.wikisource.org/wiki/%C3%81_Virgem_Santissima"

2 comentários:

C.M. disse...

Este seu "conto" está delicioso...

Está a ver como as posições filosóficas "obrigam" tantas vezes a "uma militância" como a de Antero?

Nádia Jururu disse...

Quando a filosofia inclui uma atitude religiosa, creio que o que passa a dominar é a posição religiosa, não acha?