quarta-feira, agosto 27, 2008

Gigos


Estes cestos chamam-se gigos e antigamente eram utilizados para transportar tudo, incluindo as uvas das vindimas, à cabeça das mulheres ou aos ombros dos homens.
Até mesmo as pedras e a terra se transportavam assim.

quinta-feira, agosto 21, 2008

Ainda a Boneca da Montra: Concurso

Ocorreram-me outras conclusões para a história da Boneca da Montra, dentro dos finais infelizes.

Terror:

Um dia, a menina foi ao aniversário da pior inimiga e um dos presentes que ofereceram à aniversariante foi a Boneca da Montra. Ainda por cima, a pior inimiga não ligou nenhuma à boneca, porque tinha outras maiores. Que horror!!!!!!!!!!

Suspense:
Oferecem à menina a Boneca da Montra, mas como era muito cara, não a deixam brincar com ela. Põem-na em cima do guarda-roupa da menina, que está proibida de trepar ao guarda-roupa, ou mesmo de lhe tocar, para não a estragar.
A menina continua a olhar para a Boneca da Montra como se a Boneca estivesse na montra.

Concurso:
Invente você outros finais, felizes ou infelizes para a Boneca da Montra.
Candidate-se! Incríveis prémios! (Eu não disse que eram bons...)

terça-feira, agosto 19, 2008

Lembra-se da Boneca da Montra?

A história era assim:
A menina passava sempre por aquela loja para ver a boneca da montra. Mesmo que tivesse que percorrer um caminho muito mais longo, todos os dias, para ir para a escola, ou que inventar algum pretexto para a levarem por aquela rua.

Os finais da história são variados:

Final mau: um dia, a menina olha para a montra e não vê a boneca, que foi vendida e não há outra igual (no mundo).
Final pior: um dia, a menina passa no mesmo sítio, mas não vê a boneca, nem a montra, nem a loja nem a rua, que já não existem: explicações: ou passou demasiado tempo, ou houve uma guerra, um terramoto, ou então a história é filosófica...
Final ainda muito pior: um dia oferecem à menina, como grande surpresa, embrulhada num papel bonito, com um laço bonito, dentro de uma caixa bonita, a boneca que estava na montra ao lado daquela, ou a que estava na montra da loja do lado. Porque é este final muito pior? Porque é o normal.
Final bom: um dia oferecem à menina, como grande surpresa, embrulhada num papel bonito, com um laço bonito, dentro de uma caixa bonita, a boneca da montra.
Final que não vem nas histórias: um dia a menina compra a boneca da montra.

Foi o que me aconteceu.

Este computador, realmente portátil, minúsculo e lindo, só existe à venda há cerca de um mês, mas eu já andava à procura dele pelo menos há 4 ou 5 anos.
Este era o que estava exposto para venda, o último.
UAU!!!!!!!!!!!
Comprei a boneca da montra!!!!!!!!!!!!!!!

Vou escrever nele para vocês.

Comprei a Boneca Da Montra.


Comprei a Boneca Da Montra.
Lembram-se da Boneca Da Montra?

Posted by Picasa

segunda-feira, agosto 18, 2008

Terceiro Capítulo: O Regresso

Bem, o regresso não teve história, pensando melhor, foi cheio de sensações invulgares e talvez mesmo únicas, que talvez um dia use para escrever qualquer coisa...
Um estranho e óptimo jantar num restaurante à beira da estrada, por exemplo...

domingo, agosto 17, 2008

Segundo Capítulo: Pont Mans

Ao chegar a Pont Mans, sem me parecer que valia a pena fixar o nome da terra, dado que estava a meio de sítio nenhum, resolvi cirandar pelas redondezas. E que vejo???!!!

Uma imensa igreja, talvez seja mais exacto dizer uma basílica, tão grande como feia, em tons de azul, se não me engano, atrás de uma enorme imagem escultórica de nossa Senhora igualmente feia e azul, tudo isto rodeado de um espaço muito amplo e muito dividido, como se fossem necessário tantos pátios, caminhos, muros, etc. Fiquei assombrada. O que era aquilo? Numa França tão cheia de catedrais sofisticadas e antigas, uma coisa daquelas...

Apesar de haver tanto espaço, não se via vivalma, o que adensava o mistério: para quê uma igreja tão grande numa terra sem ninguém?

De repente vejo aparecer uma senhora com todo o ar de ser muito religiosa e austera, o que aqui chamávamos uma "beata". Não era simpática, mas mesmo assim dirigi-me a ela e perguntei o que era aquilo.

Mirou-me consternada e ofendida. Eu falava muito bem francês e a senhora não podia sequer imaginar que uma francesa nunca tivesse ouvido falar de Pont Mans.
- Desculpe, é que eu sou estrangeira, na verdade, sou portuguesa...
- E portuguesa mas nasceu aqui?!
- Não, nada disso, sou mesmo estrangeira...
- Julga que me engana? Veio para cá em criança e quer-me convencer de que...
- Não, eu de facto estou aqui só há quinze dias...

Depois de a ter convencido, ela explicou-me: antes de ter aparecido em Lourdes, a Nossa Senhora apareceu em Pont Mans. Mas o santuário de Lourdes e o culto da Nossa Senhora de Lourdes acabaram por ofuscar a adoração de Nossa Senhora de Pont Mans, que, contudo, ainda era importantíssima em França. E concluiu perguntando-me com ar magoado:
- Mas vocês, lá em Portugal, nunca ouviram falar da Nossa Senhora de Pont Mans?
Pelo modo como falou, dir-se-ia que ela própria nunca tinha ouvido falar da Nossa senhora de Fátima, também concorrente da sua, mas nessa época, Fátima não tinha tanta fama internacional como tem hoje.
Tentando não a desiludir nem ofender mais, lá me escapei como pude, pedindo desculpa, dizendo que nunca ouvira falar... sumindo do mapa.

Alguns anos depois, ao estudar a poesia e a vida de Antero de Quental, descubro o seguinte.

Este nosso grande poeta, um dos primeiros ateus por obrigação, agnóstico, era torturado pela dúvida, sendo atraído pela religião católica, que contudo negava com veemência, como atitude filosófica.

Numa noite de tempestade, colocou-se à frente de uma igreja, ao cimo das escadas, afirmando que Deus não existia e desafiando-o a provar-lhe o contrário.

- Se existes, manda que um raio me destrua, a mim, que te nego! (Palavras minhas).

Não aconteceu nada, a não ser os seus amigos escritores e ateus, entre eles Eça de Queirós, terem-lhe posto o apelido de Santo Antero.
Então, Antero, aguardando uma prova, um sinal da existência de Deus, viu esse sinal na aparição da Nossa Senhora em Pont Mans, a primeira das "modernas" aparições.

Tão emocionado ficou, que se reconverteu ao catolicismo, creio que só temporariamente, como é próprio dos seres torturados pela dúvida, e escreveu então alguns dos mais belos poemas místicos da língua portuguesa.
Musicados posteriormente, são hoje muito conhecidos do grande público e vou transcrever aqui dois deles.

Cenas dos próximos capítulos (se os houver): De Pont Mans à cidade do Porto. (Continuação da minha viagem).






Sonetos de Antero de Quental

Na mão de Deus, na sua mão direita,
Descansou afinal meu coração.
Do palácio encantado da Ilusão
Desci a passo e passo a escada estreita.




Como as flores mortais, com que se enfeita
A ignorância infantil, despôjo vão,
Depus do Ideal e da Paixão
A forma transitória e imperfeita.




Como criança, em lôbrega jornada,
Que a mãe leva ao colo agasalhada
E atravessa, sorrindo vagamente,




Selvas, mares, areias do deserto...
Dorme o teu sono, coração liberto,
Dorme na mão de Deus eternamente!




Obtido em "http://pt.wikisource.org/wiki/Na_m%C3%A3o_de_Deus"



Cheia de Graça, Mãe de Misericordia


N'um sonho todo feito de incerteza,
De nocturna e indizivel anciedade,
É que eu vi teu olhar de piedade
E (mais que piedade) de tristeza...


Não era o vulgar brilho da beleza,
Nem o ardor banal da mocidade...
Era outra luz, era outra suavidade,
Que até nem sei se as há na natureza...


Um mystico soffrer... uma ventura
Feita só do perdão, só da ternura
E da paz da nossa hora derradeira...


Ó visão, visão triste e piedosa!
Fita-me assim calada, assim chorosa...
E deixa-me sonhar a vida inteira!


Obtido em "http://pt.wikisource.org/wiki/%C3%81_Virgem_Santissima"

sábado, agosto 16, 2008

Viagens de aventura: França

Hoje em dia as pessoas viajam com tudo pago, com guias... é um modo de viajar a que se chama fazer turismo. Para alguns, isto é quase o contrário de viajar, pois não tem aventura nem inesperado. Tenho viajado assim algumas vezes, mas não sempre.
Vou contar-vos a primeira vez que fui a França.
Fui com a Emília, que agora vive lá e com um amigo que tínhamos nessa época, bonitinho, simpático, pouco dotado para as línguas...
Nenhum de nós tinha dinheiro, mas o desejo era grande. Decidida a transformar o desejo em vontade, eu, que sempre tive jeito para viajar, talvez seja a única coisa paera que tenho jeito, decidi pelos três. Vamos para França no dia de tal e marquei uma data, já que a viagem tinha sido adiada muitas vezes, talvez até de um ano para outro.
Perante esta obrigação, eles foram à cidade mais próxima comprar umas coisas de que precisavam. Ao regressar, imaginem, tinham arranjado uma boleia com um emigrante português, o Sr. Manuel, para o Sul de França, creio que Lyon.
Lembras-te, Emília? A Emília ainda anda por aqui...
E lá fomos no dia previsto. O Sr. Manel era um querido, mas punha no gravador do automóvel uma múisica horrenda e muito romântica, só para emigrantes, sempre a mesma...
Muitos anos depois essa música foi aqui vulgarizada pelo cómico Hermano José e ridicularizada... por ser coisa de ignorantes... mas a verdade é que ninguém em Portugal conhecia tal música. Essa foi a parte chata da viagem... Emília, esqueço-me dos pormenores...
Eles também nos arranjaram uma casa de um emigrante (imaginem!) no Norte de França. Fomos para lá e depois para a Normandia, onde tínhamos amigos franceses que trabalhavam numa fábrica de queijos, talvez "La Vache Qui Rit". Esses amigos arranjaram-nos boleia para Portugal em camions Tir dessa fábrica, mas só um em cada camion. Acreditam nisto? Pois é verdade.
Eu era nessa época uma pessoa extravagante, aparentemente sem muito sentido prático, mas na viagem descobriu-se que era muito desenrascada, o que foi importante para a minha alma e para sempre até agora.
Por esse motivo, arranjaram-me uma boleia que não era directa: primeiro ia num camion até Pont Mans e depois esperava por outro...
A continuar...
Cenas dos próximos capítulos: Pont Mans e comentários da Emília ( talvez em privado).

sexta-feira, agosto 15, 2008

New Look



É importante sair da rotina... perder um avião, mudar o look...

Teide



O grande ausente das minhas fotografias da ilha de Tenerife é o vulcão Teide. Talvez também a sua personagem principal.
Só tenho estas fotos, pelo menos bonitas, embora tenho visto imagens e mesmo cartazes muito lindos.
Primeiro porque não fui lá vê-lo, segundo porque estava sempre envolto em névoa ou coberto de nuvens.
É esta água, da névoa e das nuvens, a que chamam chuva horizontal, que alimenta o bosque de laurissilva e outras zonas verdes das ilhas.
Esta terra em primeiro plano chama-se Orotava.
Posted by Picasa

quinta-feira, agosto 14, 2008

Passear

Ainda me apetece andar de malas aviadas. Para além de ir para o Norte de Portugal, ocorre-me, entre outras hipóteses, um convite do blogue amigo Incomunidades e do meu amigo Alberto Augusto Miranda: Ponferrada, em Espanha.

http://incomunidade.blogspot.com/2008/08/incomunidade-em-ponferrada.html
Ou ver nos favoritos deste blogue "Incomunidade".
Ainda não decidi se vou, mas torno o convite extensivo a todos vocês, sobretudo aoss portugueses: 1º semana de Setembro.

quarta-feira, agosto 13, 2008

Gerações

Fui hoje à agência de viagens, já de regresso a Lisboa, reclamar por ter perdido o avião e por ninguém me ter prestado a assistência a que tinha direito.
A Bárbara, que costuma tratar das minhas viagens, ficou em estado de choque, quase chorou ou chorou mesmo e pediu-me milhares de desculpas.
Todo este episódio confirmou uma opinião que eu tinha sobre a realidade portuguesa e agora também internacional, pelo menos em Portugal e Espanha, mas creio que noutros países também: as mulheres na casa dos trinta anos e poucos homens da mesma casa são claramente superiores, em termos profissionais, às pessas da casa dos 40, 50, 60. Estas últimas, a geração do Baby Boom, não tiveram que lutar por nada, pois tudo lhes foi fácil. Não são competitivas, mas anulam a competição por estarem neste momento em lugar de destaque e de mando.
Na casa dos 30, encontramos pessoas hiper-vocacionadas para o trabalho que têm e que lutaram para ter, tendo ganho a competição. Isto acontece sobretudo com as mulheres, dado que os homens estão à frente, ainda. Quanto à actual superioridade das mulheres, em termos intelectuais e em termos de responsabilidade, basta ver as notas dos estudantes...
Neste caso, e é nisso que eu nunca tinha pensado, quem se sente vocacionado para o turismo tem a noção de que umas férias bem passadas são importantes para o bem-estar e a saúde mental da pessoa que as passa, são o substituto de muitas consultas ao psiquiatra, ao psicanalista, ao médico da coluna, do coração. É importante passar umas férias boas, muito mais do que parece.
As minhas foram óptimas até agora, não telefonei À Bárbara porque não a quis preocupar.

E os jardins!



Os jardins foram a primeira coisa que me impressionou quando há uns anos desembarquei em Lanzarote. Nesse caso por serem simples e pobres, com terra preta, mas também porque eu vinha do mar, onde não há jardins.
Aqui, dada a variedade da flora, há jardins lindíssimos, sobretudo com árvores como esta e como a que está nos Escrevedoiros, em que as trepadeiras completam o quadro.

Entre os souvenirs que se trazem desta terra estão as sementes e alguns pés já envasados e prontos a transportar.

Posted by Picasa

terça-feira, agosto 12, 2008

Flora


Algo que é muito interessante nas Canárias é a diversidade da vegetação, dada a variedade de microclimas. Dizem até que tudo se dá bem. Salta à vista esse aspecto e também o contraste: A maioria da terra é completamente nua, seca, desprovida de vegetação ou só com cardos...
Há também muitas palmeiras selvagens. É possível explorá-las, obtendo para isso autorização. Qualquer pessoa pode, assim, extrair mel de palma ou mesmo aguardente de palma. É uma árvore que tem tudo para dar. Isto acontece sobretudo na ilha de La Gomera.
Posted by Picasa

Golf Del Sur



Aquelas casinhas são alugadas por 200 Euros por semana com um quaro e 250 com dois.
Quando eu era pequena gostava de desenhar assim muitas casinhas pegadas umas às outras. No mínimo, em cada casinha havia 2 ou 3 crianças para brincarem comigo. Era assim que eu imaginava uma cidade. Ainda hoje continuo a imaginar cidades. Como sabem alguns de vocês...
Pormenor do hotel Golf Plaza.
Entre as coisas boas que fizeram nas Ilhas Canárias estão as pistas para caminhar ou correr, como esta.
Posted by Picasa

segunda-feira, agosto 11, 2008

Praias







Bem, já agora aproveito para fazer praia. Praia, piscina e tudo.
As pessoas normais, quando estão numa ilha, vão para a praia, não é?

Eu sou uma pessoa normal! Eu sou uma pessoa normal! Eu sou uma pessoa normal! Eu sou uma pessoa normal! Juro!!!

Já agora digam-me uma coisa: as outras pessoas normais conseguem aguentar isto mais do que dez minutos?



sábado, agosto 09, 2008

Destino

Imaginem só o que me aconteceu!
Já deveria estar agora em Lisboa, mas perdi o aviao.
Estava na parte Norte de Tenerife, onde nao há quase praia, até porque o tempo é meio encoberto, mas vim apanhar o aviao que perdi, ao Sul.

Vou ficar aqui, satisfeitíssima e desta vez vou mesmo fazer algo parecido com praia.
Uma francesa que aqui encontrei diz que é o destino! Será...


É a segunda vez que me acontece ir parar sem querer a uma terra de que nunca ouvi falar nem sabia que existia. É a melhor viagem que pode haver, perdermo-nos e encontrarmos algo de novo e diferente, dentro e fora de nós.

Quando nao precisamos de nada nem de ninguém, esquecemo-nos às vezes da bondade das pessoas, ao ponto de pensar que ninguém nos ajudaria. Várias pessoas de várias nacionalidades me ajudaram, ou pelo menos tentaram. Isso surpreendeu-me, já que as pessoas estao cada vez mais reservadas e discretas, nao falam umas com as outras... mas se for necessário, nao só falam como fazem muitas outras coisas. É o que eu quero dizer ao escrever que esta viagem me fez descobrir algo de novo, na terra e nas pessoas...

Se voltar às Canárias e hei-de voltar, venho logo direito para aqui, até porque é muito barato.
Hotel Golf Plaza, terra de Golf del Sur (nao parece nome de terra, mas é). É um aldeamento turístico criado de raiz há pouco tempo, provavelmente dedicado ao golf. Fica perto de tudo o que é bom, incluindo o porto e o aeroporto e as pessoas sao competentes e simpáticas, ao contrário do que me pareceram a outras que encontrei até aqui: o dono do hotel, por ser o mais próximo do aeroporto, fez-me logo um desconto de 15 Euros por dia. Imaginem, em vez de se aproveitar da situaçao, acha que deve ajudar as pessoas...

Nao posso pôr imagens, ainda nao percebi porquê.

quinta-feira, agosto 07, 2008

Sem Titulo



Que horror! Imaginem-se a viver ali!
E no entanto, uns austríacos fizeram lá ao fundo um hotel e uma quinta biológica, aonde só se pode ir de barco e organizam caminhadas por antigos trilhos da serra, para turistas. Para mim nao, obrigada.
Creio que nao é neste sítio, mas mais perto do porto. Isto nem é o sítio onde Judas perdeu as botas, porque nem o próprio Judas veio para aqui...

No tempo dos dinossauros





Na ilha de La Gomera existe um bosque de "Laurissilva" que existiu na Europa na epoca dos dinossauros, ainda a nossa avo nao era nascida, percebem? Nao e periodo que me interesse por ai alem, sendo eu toda voltada para as realizaçoes do espirito humano, mas...
E o maior bosque de laurissilva do mundo. Ha 27 espécies diferentes de árvores, incluindo 4 castas de loureiros.

Veem-se tambem aqui umas montanhas negras e nuas e imensas... sem vivalma e sem nada...

E depois eu, um tanto cansada mas ja rodeada de realizaçoes humanas, incluindo as sandalias novas..




À descoberta das Índias Orientais





Foi daqui, da cidade de San Sebastian, Ilha de La Gomera, que partiu Cristovao Colombo para a descoberta das Indias Orientais, vulgo America.

E foi neste poço que meteu agua.
Casa da Aguada, San Sebastian de La Gomera, Ilhas Canarias

terça-feira, agosto 05, 2008

domingo, agosto 03, 2008

Outra

É cada loja!
Puerto de la Cruz, Tenerife, Canarias

Adivinhem onde estou


Quem sabe nao pode responder porque saber nao é adivinhar.
Dica: o computador nao tem til para as vogais.
A Maria adivinhou. Mais ou menos...
Puerto de la Cruz, Tenerife, Canarias