terça-feira, junho 23, 2009

Doentes falsos, doentes verdadeiros

Uma minha amiga foi recentemente operada por um dos melhores cirurgiões do país, medalhado no estrangeiro. Como tinha cinco dias úteis para apresentar o atestado, não se apressou a levá-lo aos serviços da Escola Secundária onde trabalha.
Não sendo obrigada a ficar de cama, levou-o ela mesma no quarto dia útil.
Qual não foi o seu espanto ao dizerem-lhe que aquele atestado não serve, que aquele médico fantástico não pode passar atestados para professores, que deverá submeter-se a nova consulta de um médico de clínica geral para este lhe passar o documento requerido.
Como não está habituada a estar doente nem a fingir-se de doente, a minha "amiga" não conhecia estas regras nem sabia onde dirigir-se para lhe passarem o papel.
Foi então informada de que uma conhecida clínica abriu um serviço de urgência quando esta lei foi inventada. Todos os que queiram ir passar uns dias ao Algarve como falsos doentes, só têm de ficar na fila para uma consulta paga pela ADSE.
A setôra deverá então ficar numa fila de espera atrás dessas pessoas, embora esteja doente, e ainda a mandam voltar às 20 horas, hora conveniente para quem não está doente...

Mas não é tudo. Os falsos doentes, para quem o primeiro ministro inventou esta lei (conseguiu evitar algumas baixas fraudulentas e causar os maiores incómodos aos verdadeiros doentes) já sabem como se faz para que o médico não vá a casa deles verificar se estão lá.
Os verdadeiros doentes, como esta, que não é obrigada a ficar sempre de cama, são obrigados a ir a uma consulta para o atestado e a ficar na fila de espera, mas, se sairem para espairecer, correm o risco de serem considerados falsos doentes.
Perceberam alguma coisa? Eu também não.
Em vez de se fazerem leis para proteger os doentes, fazem-se leis para apanhar os falsos doentes e ainda acabam por favorecê-los: antigamente ficava caro arranjar um atestado falso, hoje custa três Euros e a ADSE paga o resto.

2 comentários:

Bubok disse...

Boa tarde Nádia Jururu.

Acabei de me aperceber que ia deixar-lhe novamente a sugestão para conhecer a editora on-line www.bubok.pt. Deixei-lhe um comment no seu blog "escrevedoiro sem maluquices" e, para não ser repetitiva, não repito o texto. Reforço a sugestão. Se é favor da democratização da cultura e se, para além disso, pretende publicar as suas ideias de forma gratuita e facilitada, vai ser-lhe útil e recompensador.

Qualquer dúvida que surgir, não hesite em contactar-me: marta.furtado@bubok.com

Anónimo disse...

Quando estive mesmo doente, o ano passado, o próprio hospital passou-me um atestado que é uma espécie de formulário da ADSE. Se o médico ou o hospital não têm acordo com esse sistema de saúde, o doente terá de ir para o centro de saúde para obter esse "documento" e, eventualmente, ficar ainda mais doente!! O tal papel tem uma "caixa" onde o médico indica se o doente pode (ou não) sair de casa........

Maria