domingo, abril 26, 2009

Santos e pecadores

Ainda a propósito do Santo Condestável, achei interessante o que o Papa afirmou sobre o assunto, por ser idêntico à opinião de Fernando Pessoa, embora este último projecte todas essas ideias num futuro Quinto Império liderado por Portugal.
Então, disse o Papa que os portugueses se tornaram independentes devido ao Santo e que, por desígnio divino atravessaram os oceanos para levarem aos confins da terra a mensagem de Cristo.
Será que se inspirou em Pessoa para falar assim?
Ou é simplesmente verdade e por isso muitos chegam à mesma conclusão? Não podemos excluir essa hipótese, entre outras.
Só foi pena que o Vaticano lhe tenha chamado Alvarez, que é um nome espanhol...
Se assim for, os Santos e os pecadores tiveram uma missão em comum.

sábado, abril 25, 2009

Santos

Já disse no meu perfil que me interesso pela vida dos santos, mais ainda pela dos santos medievais, que tem mais de ficção que de realidade.
Quanto ao Santo Condestável, não é figura que me desperte qualquer simpatia.
Os santos em geral são figuras rebeldes e extravagantes, que chocam a mentalidade da época e sobretudo os seus pares, que não os consideram superiores. Às vezes chocam a mentalidade da sua época por parecerem retrógradas, mas se têm sucesso em termos de futuro, é porque estão à frente do seu tempo e não atrás, como parece.
É o caso de Santa Teresa de Ávila, sobre a qual vi ontem um filme. Quando entrou para o convento, as mulheres como ela andavam vestidas de sedas e cetins e tinham como criadas freiras pobres, esfarrapadas e descalças. Reagindo contra isto, fundou uma ordem que se regia pelas regras "antigas": todas as freiras eram iguais, todas se vestiam da mesma maneira, todas faziam voto voluntário de pobreza.
Isto nunca foi antigo, nem o é agora.
Quanto ao Santo Condestável, não entendo como consideram renúncia aos bens terrenos ter abdicado da maior fortuna do país em favor, não dos pobres, mas sim dos parentes. Quer isto dizer que os seus parentes eram a família mais rica do país e que o santo não estava propriamente ao deus-dará, até porque continuava a ter poder. É não menos verdade que no seu tempo muitos entravam para o convento após uma vida rica e até de pecado, como deve ter sido a de alguém que matou e mandou matar tanta gente. Era um costume da época.
Li agora que o Cardeal Policarpo afirma que D. Nuno poderia ter sido rei e que abdicou do trono em favor de D. João. Isso é um caso a ser estudado, pois nada disso se sabe ainda...
Também diz e é verdade, que esta personagem inspirou Camões e Fernando Pessoa. Assim é. Mas no caso de Camões talvez mais pelos feitos heróicos...
Não confundir heroismo militar com santidade.

Muitas pessoas como eu não gostam da personagem, por ter sido aproveitada por Salazar. Este tipo tinha tão pouco sentido estético, que sujava tudo aquilo em que tocava, ao contrário do rei Midas que transformava em oiro tudo aquilo em que tocava.
Como é que existe perto de mim uma igreja dos anos quarenta chamada Santo Condestável, se o santo não era santo nem é, ainda hoje?

O segredo e as andorinhas

 

Desde que li o segredo, começo a encarar alguns aspectos negativos como muito positivos e mesmo necessários. Este é um deles.
Desde que existem máquinas digitais, tive três. Antes disso não me dedicava nada à fotografia, tinha umas maquinetas porque toda a gente tem e esquecia-me de as levar. A primeira digital que tive, andava sempre com ela porque comecei a gostar e parti-lhe o écran. Ainda funciona, mas não dá. A segunda era óptima, gostei dela, mas deixei-a cair e parti-a.
Noutro tempo teria achado que isto são coisas más, ou mesmo que sou desastrada (não, é mentira), mas agora acho que foi uma grande coisa. Esta é muitíssimo melhor, para além de ser mais actualizada e moderna, mas nunca a teria comprado se não tivesse estragado as outras. E esta fotografia, por exemplo, com uma andorinha e com Lisboa do outro lado do rio nunca seria possível com as máquinas velhas.
Posted by Picasa

domingo, abril 19, 2009

De como a vida selvagem

De como a vida selvagem na Patagónia não é tão selvagem como a vida dos políticos em Lisboa
VER AQUI
Deve dar para pôr o écran inteiro, é só clicar com o lado direito do rato em Full Screen

sexta-feira, abril 17, 2009

Aposenta(ção)(doria)

Aqui está uma boa notícia.As muitas pessoas que hoje se reformam com saúde e às vezes também com dinheiro, é bom que façam alguma coisa de útil para a sociedade e, neste caso, para o país. Vejam!

Miranda do Corvo: Universidade Sénior vai a Madrid reclamar devolução do "Tesouro de Chão de Lamas"

quinta-feira, abril 16, 2009

16 de Abril

Estou com medo de ver o noticiário, sobretudo o de amanhã.
Não sei porquê, mas este dia 16 de Abril, meu aniversário e do Papa de Roma, é recordado por acontecimentos terríveis.
Houve dois anos em que puseram bombas em discotecas portuguesas, uma em Lisboa e outra no Norte. Lembro-me que um dos massacres de Timor foi neste dia. Houve uma noite em que eu nem conseguia dormir porque estavam a bombardear o Kosovo com bombas medonhas e muitas.
Recentemente, falando com um amigo moçambicano que me perguntou o dia do meu aniversário, ele respondeu-me assim:
- Nunca mais me esqueço. É no dia do Massacre de Moeda, em Moçambique.
Ora bolas!

P.S.: Afinal não aconteceu nada de muito mau este ano. Ah! Vi agora na Wikipedia: já me esquecia do massacre de há dois anos (2007) Massacre de Virginia Tech.
E também foi fundada neste dia a ordem dos Franciscanos.
A Wikipedia tem todos os dias.

terça-feira, abril 14, 2009

Páscoa no Norte

 

 

 

A tradição, como se diz, ainda é o que era em certas terras do Norte de Portugal. E há outras tradições futuras a serem inventadas. A terem sido inventadas.
Com as opas vermelhas é a visita pascal em Castelo de Paiva. Em branco, em Espiúnca, uma lindíssima e pequeníssima aldeia do concelho de Arouca.
É assim: algumas pessoas, em substituição do padre, que ia antigamente mas já não vai, vão a casa dos leigos, transportando a cruz a ser beijada e também chocalhando as campainhas da Páscoa. Atiram água-benta para cima das pessoas, com toda a descontração, alegria e descaramento.
Devo avisar de que a água-benta, ou seja, água sagrada, é igual à outra água no sentido de ficarmos encharcados. Bem, se calhar eu fiquei encharcada da água sagrada, mas, como estava muito frio, pareceu-me esta água igual à outra. Seria???!!!
Infelizmente, não é possível ouvir aqui as campainhas da Páscoa, um som alegre, feliz e auspicioso.
Pelo menos para mim e para o Papa de Roma, que fazemos anos no próximo dia 16 de Abril, quinta-feira próxima futura. Ele para aí uns 80, eu menos. Juro! Muito menos!Ambos temos tido os presentes de aniversário misturados com as amêndoas da Páscoa, que muitas vezes é neste dia.
Para quem pouco entende de geografia: estas terras ficam no Douro Litoral e na Beira Litoral.
Posted by Picasa

terça-feira, abril 07, 2009

Alcochete: a nave dos patos

 

 

 

 

Alcochete ficará para mim, talvez para sempre, como a terra das aves.
Ou até mesmo (como sevê na foto) como a nave dos patos.
Posted by Picasa

domingo, abril 05, 2009

Esperando pelo mar

 

 

É assim que os barcos esperam pelo Tejo ou pelo mar. Pousados na terra. por exemplo, vistos do Miradouro Amália Rodrigues, de manhã e de tarde.
Vou contar isto porque algumas pessoas não sabem: O rio Tejo, dentro de Lisboa, chama-se Mar da Palha, embora me pareça que a expressão está a cair em desuso, porque antigamente a palha era utilizada para acondicionar as mercadorias nos navios, para não se partirem ou deteriorarem por outra forma. Então essa parte do Tejo estava sempre coberta de palha. Como parece um mar...
Em Alcochete chamam-lhe mar, com todo o descaramento e dão uma enorme importância às marés. A razão pode ser vista na imagem.
Posted by Picasa

sábado, abril 04, 2009

Alcochete

 

 

 

Alcochete, uma vila simpática e muito fotogénica, que se orgulha de ser o berço do mui importante rei D. Manuel, o primeiro de seu nome.
As pessoas são hiper simpáticas e sem stress. Dá vontade de vir morar para cá.
Posted by Picasa

O Rio Mar



Isto é o Rio Tejo, mas chamam-lhe mar e isto é uma praia.
Vou a Lisboa mudar de roupa, mas talvez volte. Se não for agora é depois.
O único defeito desta terra, segundo dizem, são os mosquitos no Verão.
Daqui a Lisboa é só meia-hora.

sexta-feira, abril 03, 2009


Tenho tido dificuldade em postar fotos por usar equipamento inusual.
P.S.: Alcochete é muitíssimo melhor do que eu imaginava, mas não consigo pôr fotografias.

quinta-feira, abril 02, 2009




Vim nada menos do que a Alcochete. Com a curiosidade que matou o gato, por causa do Freeport. Vinha decidida a gostar de Alcochete e a embirrar com o Freeport.
Agora, depois de ter comprado dois pares de sapatos e dois casacos, talvez ainda lá volte amanhã. Em verdade, gosto de dois centros comerciais: As Amoreiras, todas voltadas para o interior e todas urbanas e todas femininas e o Freeport, todo voltado para o exterior, todo ao ar livre e muito bem concebido esteticamente. Tem para todos os gostos, de todos os tamanhos e de todos os preços. Incluindo livros.
A senhora que me vendeu os dois casacos fez-me elogios que ninguém me fazia desde que engordei. Também é verdade que estou a emagrecer, pelo que o meu ego (que nunca foi pequeno), aumentou.
Chama-se Anabela e creio que a convenci a deixar de fumar.
Diz ela, por exemplo, que ainda não conhece Alcochete, pois vai todos os dias directamente do Barreiro até ao outlet. Pobre terra! Não era conhecida e continua a não ser... mas amanhã eu falo-vos dela.
Hoje estou instalada na Hotel Al Foz, o único que existe nesta vila. Não é grande coisa, mas já vi muito pior.
Bem, nada disto altera a minha opinião sobre a mina que este Freeport tem sido para algumas pessoas. Nem sobre outros assuntos. Continuo a pensar que o país está a saque.