segunda-feira, maio 09, 2011

O 1º País a abolir a escravatura?

Há vários blogues portugueses a denunciarem os erros históricos cometidos no vídeo que a Câmara de Cascais fez, para enviar aos Finlandeses. E vai fazer mais. *
A acreditar nesses blogues, quase nada, nesse vídeo, corresponde à verdade.

O que me saltou à vista, numa primeira visualização, foi a ideia peregrina de que Portugal aboliu a escravatura 100 anos antes dos Estados Unidos. De facto, é usual dizer-se que Portugal foi o 1º país a abolir a escravatura. Tenho discutido este assunto, que a princípio me despertou muita perplexidade. É um dos muitos mitos em que se baseia o orgulho português e quase que a própria identidade portuguesa.

O Marquês de Pombal aboliu a escravatura em 1761, mas só no papel. Aboliu-a em Portugal Continental e na Índia Portuguesa, quero dizer, nas colónias portuguesas na Índia, deixando bem claro ser muito importante que não faltassem escravos no Brasil.

Portugal tem uma das histórias mais vergonhosas do mundo no que diz respeito à escravatura e precisa duma mentira deste calibre para se branquear. É esta a origem dos mitos, quase todos inventados por Salazar e apaniguados.

A escravatura só foi abolida no Brasil muito depois da independência do Brasil, mais exactamente em 1888. Em território português, ela existiu na prática, ainda durante o Salazarismo e até ao 25 de Abril.
Não há muitos portugueses que saibam estes factos: quando, nas colónias africanas portuguesas, um "criado" negro não queria continuar a trabalhar para o português branco (eram ambos considerados portugueses, mas...), muitas vezes porque era espancado por ele, fugia.
Depois de fugir, era procurado e normalmente apanhado por uma polícia especial só para negros, constituída por negros e mulatos. Era espancado pela polícia por ter fugido e logo entregue ao antigo patrão.
Isto não é escravatura?

O romance "Equador" de Miguel Sousa Tavares explica bem, baseado numa investigação histórica, como a escravatura persistiu no Sec. XIX, com alguns disfarces legais, pouco disfarçados e nada legais.
Para não dizer que os portugueses se destacaram pela negativa no tráfico negreiro, até mesmo quando ele era proibido nos mares.
Quando se estudava, durante o Estado Novo, décadas de 60 e 70, aprendia-se que, entre as nossas muitas colónias, tínhamos Goa, Damão e Diu. Já não tínhamos. Era mentira.

Pobre da Terra Imunda que precise destas mentiras demasiado descaradas para se orgulhar de si mesma. Há-de haver motivos mais válidos.
Portugal pode orgulhar-se do que fez bem, não precisa de se orgulhar do que fez mal.

* N.B.: O vídeo está neste blogue, é o penúltimo post antes deste (Maio de 2011).

Ver blogues que apontam os erros


COMO ESTE POST TEM DESPERTADO MUITO INTERESSE E MUITA POLÉMICA, APAGUEI MESMO ALGUNS COMENTÁRIOS POR DESCABIDOS E / OU OFENSIVOS, DECIDI ATUALIZÁ-LO EM 25 /  9 / 2015, COM BASE EM NOTÍCIAS DE COLÓQUIO SOBRE O ASSUNTO

Como falar de escravatura sem ser antiportuguês

Uma história da escravatura sem heróis (incluindo o escravo)http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/como-falar-de-escravatura-sem-ser-antiportugues-1708787


(Ver outros posts deste blog sobre escravatura, clicando no link abaixo.)

40 comentários:

manas&companhia disse...

1988?! Não será 1898?!

Nadinha disse...

Tem razão, aliás, eu queria dizer 1888, uma data com um número muito curioso, tal como 1822, data da Independência do Brasil. Vou alterar no texto.

MSeS disse...

1888! Brasil Brasil eh o livro preferido da minha infancia e li o mais de 20 vezes.

"Lei Áurea de 13 de maio de 1888, que extinguiu a escravidão negra no Brasil."

Nadinha disse...

MSe S
Acabo de comprar, na Feira do Livro de Lisboa, o livro "Pedra Bonita" de Lins do Rego. Li algumas páginas e parece-me que vou adorar.

Anónimo disse...

Boas,

Portugal foi o primeiro a abolir a escravatura. Não é culpado se alguns não cumpriram a ordem! Foi portanto o primeiro a civilizar (ou a tentar) civilizar a África e depois as Américas. Feito único para um Povo que em nada beneficiava com isso como se sabe pois vivia dela mas de vangloriar a tentativa. Ao contrario de outros povos que dizimaram civilizações. Ou mesmo de outros que se dizem os supra evoluídos e que só agora em pleno século 21 conseguiram eleger um Presidente Negro!

Portugal foi revolucionário!

Tenho orgulho

Nadinha disse...

O 1º país a abolir a escravatura foi a Dinamarca, em 1792, embora a lei só tenha entrado em vigor em 1803. Portugal foi o 2º país a aboli-la no papel. Só no papel, visto que a manteve em pleno século XX, nas colónias. E até mesmo no continente (atual demarcação geográfica de Portugal) ao nível das empregadas domésticas. Vou escrever um post sobre este assunto, em breve.

nicolas krokowicz disse...

Portugal não têm de ter vergonha de absolutamente nada.
Adoro ver um Brasileiro revoltado ou indignado com a história do seu antigo senhor, como se tivesse grande razão de queixa. Ninguém se orgulha em portugal de ter sido o primeiro país a abolir a escravatura ou de ter escravizado milhares de pessoas para construir o império, isso aconteceu tudo há mais que tempo suficiente para que ninguém hoje em dia se tenha de sentir revoltado ou envergonhado. Foi apenas o curso da história no tempo em que o ser humano era bem mais bárbaro do que é hoje (na maior parte dos do mundo)
O que fez o Brasil na história para criticar Portugal? são assim tão melhores que nós como os massacres que fazem as populações pobres e indígenas ou com a destruição da Amazónia? ninguém é melhor que ninguém nos tempos que correm, não sei do que serve criticar um país pela sua história, acusando-o de mentir ao mundo sem razão. Ninguém no nosso país enche o ego com tretas do passado, temos problemas que cheguem neste momento.

Anónimo disse...

esta gente é idiota de todo! é evidente que portugal cometeu muitos erros, ninguém diz o contrário, tal como muitos outros países cometeram e continuam a cometer (e portugal também), mas o facto de haver alguém lúcido o suficiente (e com coragem na altura, já que portugal vivia disso) para colocar essa abolição no papel deve ser reconhecido... tenham tino! é evidente que se vivia noutra época, não é que isso desculpe o que quer que seja, mas a verdade é que havia bom e mau como em todo o lado; gente que cumpria e gente que não cumpria. hoje há leis que "proíbem" matar... mas há quem mate! não se podem impedir imbecis de fazer o que quer que seja, nem com leis, nem com abolições, nem com nada...

Anónimo disse...

Antes de mais, devo reforçar o que aqui já foi dito por todos: a escravatura é a vergonha da Historia, praticamente de todos os paises (se não todos, mesmo).
Recordemos que a escravatura não incidiu só sobre africanos, mas também sobre europeus (por europeus e por outros povos) e povos de outros continentes.
É absolutamente infame. E mais infame faze-lo para fins comerciais!
Assim como é infame o racismo.
Como é possível que ainda hoje haja gente que se considere superior a, por exemplo, pessoas de ascendencia africana, só por isso mesmo?
Sinto genuinamente que Portugal não é um pais com preconceitos deste tipo e, de facto, Portugal foi (pelo menos) dos primeiros paises a abolir essa infamia da escravatura. Note-se: a iniciar o processo, 'de jure' (a tal questão de estar 'no papel') e de facto, i.e., implementa-lo.

Nadinha disse...

Agradeço os comentários de todos, pois os blogues também servem para trocar opiniões e debater ideias. Talvez tenha razão nisso que refere, distinguindo a abolição "de jure" e "de facto".
Seja como for, ainda ontem falei com um taxista ucraniano que já se econsidera mais português do que ucraniano, porque, segundo ele, não existe nenhum país (e ele esteve em vários) onde os estrangeiros sejam tão bem tratados e mesmo acarinhados, como o são em Portugal. Acha também que não existe nenum povo tão simpático. É bom ouvir isto, mas ser capaz de criticar a nossa sociedade, por dentro, também é muito importante..

Anónimo disse...

O que alguma gente não percebe é que lá por nós termos abolido no papel e na prática ser diferente não significa que nos outros paises não tenha acontecido exactamente o mesmo. Certo?? È um bocado elementar.

Rui castro disse...

P
or estas e outras é que
so
u a favor da censura!

Mas o que é que esta Srª nadinha entende de história, para dizer tanta baboseira??

Nadinha disse...

Se é a favor da censura, não há mais nada a dizer. Mas eu não o censuro. Fica aqui o seu comment,

Nadinha disse...

Isso é o que se chama um "argumento ad hominem", ou seja, uma falácia. Atacar a pessoa em vez de argumentar contra a ideia.

José Oliveira disse...

Bem... Realmente dá gozo ver a crise de identidade de certas pessoas.
Com todos os problemas gerados pelos portugueses a verdade é que não podemos deixar de nos orgulhar do nosso passado.
Para o senhor que escreveu que os criados eram escravos ( e deu exemplos) eu dou outros:
Fui criado em Angola e grande parte dos meus colegas eram negros. Tive professores negros. Haviam médicos e enfermeiros negros. Administradores negros...
Desigualdade no tratamento??
Estamos em pleno séc XXI, nesta jardim à beira-mar plantado, pertencente à CE - Um país ocidental - Ainda tem situações de escravatura. Ainda há dias se descobriu isso no Alentejo.
E que dizer daqueles paises que não lhes bastava a escravidão e ainda promoveram a segregação?
Tenham vergonha - PORTUGAL foi grande em muitas coisas, temos de nos orgulhar disso, sem NUNCA escamotear os erros que cometeu

Antonio S. Leitão. disse...

Nesta matéria, poucas nações ou nenhumas terao as maos limpas. Que cada um faça o seu mea culpa e faça o que puder a fim de que o mundo seja mais tolerante e justo; Agua mole em pedra dura/ tanto da, que até a fura.

Nadinha disse...

Obrigada, António.
Também creio que ninguém tem as mãos limpas.

Esperemos que os novos tempos nos limpem as mãos.

Esperemos que os novos tempos sejam tempos mais limpos.

Mais puros.

Anónimo disse...

O título do post é ofensivo. Tão ou mais ofensivo do que a noção de escravatura que se discute no post.

Nadinha disse...

Caros(s) anónimo(s) ( não sei se é sempre o mesmo, se são vários):

A noção de escravatura aqui referida é muito simplesmente o conceito de escravatura.
Um dos anónimos parece preocupar-se com a escravatura entre aspas a que os portugueses são sujeitos, na sua opinião, mas não com a escravatura dos outros.
Os comentários a este post são muitíssimo esclarecedores da mentalidade dos portugueses anónimos.

Nadinha disse...

Caros(s) anónimo(s) ( não sei se é sempre o mesmo, se são vários):

O que lhe parece uma heresia, Terra Imunda, é uma expressão que ocorre muitas vezes na Bíblia.
Não digo que a Terra é Imunda, apenas refiro a Terra Imunda. Tal como a Bíblia a refere. Na interpretação que você(s) imagina(m), o título do Blog seria: A Terra É Imunda.
Também não digo qual é a terra: pode variar no espaço e no tempo.
Faça(m) pesquisa no Google.

Nadinha disse...

Olá Tomás!
Transferiu para aqui as nossas discussões do Facebook?

Nadinha disse...

Caros(s) anónimo(s) ( não sei se é sempre o mesmo, se são vários):"
"A vida é muito mais cruel" se nós permitirmos, se desculparmos o passado e o presente, se nos baldarmos para a crítica, se nos resignarmos, etc.

Anónimo disse...

Salazar era tão honesto que manteve a escravatura em Portugal em pleno século XX, para vergonha de todos nos é que viveu toda a vida nos nossos maiores palácios, não saindo de la, nem à lei da bala. Honesto, um homem que manteve um poder ilegítimo durante décadas? Para sermos gente, precisamos de nos libertar desses mitos.
(Nadinha)

Anónimo disse...

Gostava de saber porquê que a autora se referiu à abolição da escravatura no Brasil como tardia, se isso não era de responsabilidade portuguesa, visto que o Brasil já era independente à muito. Ou seja, os brasileiros também sujaram, e muito, as suas mãos com escravidão de povo negro, que mesmo após a sua libertação continuaram a ser alvos de ostracismo e ataques do Governo.

Nadinha disse...

Resposta ao último anónimo:
Se consideramos que Portugal aboliu a escravatura no Século XVIII, antes da independência do Brasil, como explicar que ela só tenha sido realizada em 1888, fim de século XIX e depois da independência?

Daniel disse...

Sou brasileiro e Carioca.

Durante a era dos descobrimentos e da colonização, Portugal foi o país que mais se misturou com os colonizados, diferente de França, Inglaterra e Espanha, Portugal se misturou.

Sempre aprendi que Portugal com o Marques de Pombal foi o primeiro país a abolir a escravatura continental. Ele tentou levar a ideia para as colônias, entretanto, a própria elite colonial e latifundiária brasileira, angolana foi contra....D. Pedro I (Pedro IV pra vcs) já era abolicionista, mas sofreu resistencia dos latifundiários brasileiros, seu filho D. Pedro II enfrentou o mesmo problema aqui no país, mas o Império Brasileiro conseguiu em 1888 abolir oficialmente.

Fico triste quando vejo portugueses pregando lusofobia. Portugal errou e muito na história, mas quem não errou? Os próprios africanos eram escravocratas, nossos índios tb eram escravocratas, praticavam guerras religiosas, atropofagia, matavam por terra, por esporte...

Sei que devemos fazer análises históricas, mas colocar a culpa em um só povo sem analisar o contexto da época e todos os envolvidos é errado.

O problema no final de tudo, é o ser humano!

Daniel Cruz

Nadinha disse...

Caro Daniel
Agradeço o seu comentário.
Longe de mim ser lusófoba, sou portuguesa e gosto de ser.
Mas não devemos embarcar em branqueamentos. Quando você fala da elite colonial desses países, essa elite era constituída por portugueses.
É certo que a escravatura existia noutros sítios, mas os portugueses (e outros) levaram os escravos para outros continentes.
O Marquês de Pombal nunca pretendeu acabar com a escravatura das colónias. Como poderia um povo tão pequeno como o português controlar tantas colónias e explorá-las (mesmo no bom sentido da palavra, exploração agrícola, etc.) se não fossem os escravos e a miscigenação?
Para nos orgulharmos do nosso país temos as descobertas e estas magníficas paisagens construídas por nós em todos o mundo. Que agora atraem tantos turistas ávidos de beleza e de história.
Beijinhos

eu disse...

Não vas pelo presidente negro porque em Portugal nunca houve nenhum presidente negro. E só em 2015 é que tivemos pela primeira vez uma ministra negra

Nadinha disse...

Sim, mas tivemos um presidente da Câmara de Lisboa, viveiro de presidentes da República, um homem de origem claramente indiana, que é agora Primeiro Ministro de Portugal. Tivemos um ministro de Educação de origem visivelmente chinesa. Presidente negro não seria normal em Portugal, pois os negros são hoje uma pequeníssima minoria.

Anónimo disse...

citação
Decorria o reinado de D.José I, quando, em 12 de Fevereiro de 1761, a escravatura foi abolida por Marquês de Pombal na Metrópole e na Índia.`
fim de citação.

tropecei neste " blogue" por acaso e vi com bastante supresa o ódio e vergonha com que a Nadinha fala de Portugal.

EU TENHO ORGULHO DE SER PORTUGUES E SOBRETUDO TRANSMONTANO!

se tens assim tanta vergonha de ser portuguesa, tens as fronteiras abertas, emigra e fica .

aceito criticas , pois também critico , mas não desta maneira, proferidas de forma ignorante de quem nada percebe de História ou de costume s.


Pelo discurso é obvio que és do litoral e da cidade , onde tudo se critica do sofa e na net , escondidos atrás dos cortinados da casa .

Fomos o primeiro a dar primeiros os passos oficiais da abolição da escravatura. . o segundo pais foi a Finlândia e por aí fora.

Somos um povo respeitador e ainda com cultura tradicionalista oriunda dos vários recantos do interior , que ainda são mesmo nos dias de hoje 50% da população.


em suma , tenham mais orgulho no vosso País e defendam mais a vossa Bandeira.

que fizeste tu até hoje pelo nosso País nadinha?

eu fi< serviço militar , voluntariado em diversas organizações como bombeiros e tu que fizeste .....?



mais pro actividade e menos conversa.. essa frase "só neste País ", é usada actualmente só por ignorantes que nada fazem ,nada sabem e nada quere fazer além de estarem no cafe ou no teclado.

não sejam igual .

deixe de ser o País dos tres f´s ( futebol, fado e fátima)




Luís disse...

Este é um assunto que sempre me interessou e como tenho muitos conhecidos e familiares que viveram em Angola, sempre questionei sobre isso e o que todos me diziam é que escravidão era proibida e se a policia soubesse, o próprio branco era sancionado. Agora, infelizmente como agora, havia brancos sem escrúpulos que exploravam os negros e quando estes fugiam, os brancos apresentavam queixa, informando as autoridades que o negro lhes roubaram valores altos e aí a policia quando os apanhava, os entregava para o suposto "proprietário" embora tb havia policias que pactuavam com os fazendeiros para receber um extra! Infelizmente o negro não era visto como mais serio que o branco e dificilmente poderia ganhar uma causa! Ainda hoje existe escravatura, como ainda à dias foram libertados uns romenos... Mas trata-se de ilegalidades... O que é bem diferente com o que se passava há 400 anos que era legal e protegido pelo reino!
Quanto ao ser mencionado nos livros que goa, diu e dão nos pertencia, era pura verdade... Eram nossas ainda, embora estivessem ocupadas por outros países... Portugal não tinha reconhecido tal e quiça a qualquer momento Portugal poderia contra atacar para reaver os seus pertences! Só depois do 25 de abril é que Portugal reconheceu formalmente! Portanto era correto nos livros ainda constar essas terras como nossas e eram de facto! Lá por alguem invadir a tua casa de praia e viver lá, não faz dessa casa deles e muito menos vais reconhecer como sendo deles, pelo contrario, vais dizer que é tua e arranjar formas de a reaver até conseguires..............

Nadinha disse...

Luís:
Obrigada pelo seu contributo. Ficam aqui muitas opiniões, todas elas, a seu modo, significativas ou representativas de modos de ver atuais sobre o assunto.
Talvez eu não concorde com algumas das suas afirmações, mas acho interessante essa sua ideia de que a Índia portuguesa continuava a ser nossa. Isso mostra o irrealismo da política de Salazar. Se a Índia inglesa tinha deixado de ser inglesa, se os países tinham reconhecido a anexação, como poderia a Índia continuar a ser nossa? Como poderíamos reconquistá-la, se havíamos sido estrondosamente derrotados?
Não se trata de alguém invadir a nossa casa de praia, pois os invasores fomos nós.
Ainda assim, creio que o seu comentário trouxe alguma luz a esta problemática questão.

Luís disse...

Nadinha, obrigado pela sua resposta, contudo e com todo o respeito, não concordo. Como referi acima, eu comentei o que soube de pessoas que realmente vivenciavam isso em Angola. Ainda hoje voltei a falar novamente nesse assunto com um retornado e realmente as coisas não eram assim tão escravas! Agora, tb não esperemos que a maioria nos negros que viviam nas selvas como tribos, simplesmente chegassem à cidade e tivessem os melhores empregos... Lembro-me tb dos portugueses nos anos sessenta que emigravam, tb faziam os piores trabalhos que havia nos países acolhedores!
QUanto aos territórios das INdias, isso é relativo mas não acho sensato pensar que só por um país invadir à força outro território português, automaticamente, pensar que já não é seu! Além de que não tem que seguir os passos de países como Inglaterra ou França (até pq eles não têm bons exemplos pra dar), estes tb o fizeram, quando o Japão invadiu Hong Kong, Vietnam, Indochina, etc. Não deixaram de ser territórios do RU e França respetivamente. Por acaso, o Japão saiu derrotado e voltou para o seu antigo dono, mas se o Japão tivesse levado a bom porto as suas conquistas, se calhar ainda hoje França e RU estariam a reivindicar... Nem tudo é pela via da guerra e Salazar estava a tentar pela via diplomática principalmente junto da ONU! A meu ver o Salazar foi um grande estadista e defendeu com unhas e dentes o seu território mas é outro assunto! NO caso de dizer que os territórios pertenciam à Índia... Pertenciam mesmo? Portugal fundou Goa, a Índia era conhecia pela região em si, mas na verdade era um aglomerado de muitos reinos, que atualmente estão juntos, uns à força e outros de livre vontade. Não é por acaso que algumas regiões procuram a separação. Pergunto, se Portugal já não era o justo merecedor dessas terras, após quase 500 anos de sua posse! Muito mais do que India como país! Mais, é mais que certo que quem causou mau estar em Goa, foram Indianos extra Goa... Os goenses sentiam-se portugueses, tanto que ainda hoje tentam preservar as suas raízes portuguesas! A não ter direito, então, os muçulmanos que reivindicam a Iberia, então tb têm razão! Covardes são os políticos e os portugueses na sua maioria na atualidade que pouco têm de orgulho de Portugal... Orgulho da seleção portuguesa não é ser patriota de Portugal! Tanto é verdade que se a seleção de futebol de Portugal ganha, todo mundo anda maluco... se uma atleta portuguesa ganha o ouro no mundial, quase ninguém se interessa!

Eu sou português com orgulho mas tb sinto-me um lusófono e até veria com bons olhos uma hipotetica União lusofona e posterior União luso-Hispanica dentro dos mesmos moldes da União europeia... Seriamos um grupo bastante forte no mundo! Não vou debruçar sobre este assunto, pq requeria um texto enorme! Mas fica aqui a "deixa"!
Por ultimo quero felicitar o Daniel (brasileiro e Carioca, comentador acima) pq quase diria que é o primeiro brasileiro que na qual leio um artigo a enaltecer os feitos portugueses e o interesse na lusofonia... Não é muito comum um brasileiro ser favorável à história portuguesa, bem pelo contrário são um bota-abaixo, mesmo como ignorância!

Peço desculpa pela má organização das ideias e eventuais erros do meu comentário, mas foi-me surgindo as ideias consoante fui escrevendo e não tive a menor vontade de reler ou corrigir...

Luís disse...

Deixo aqui um documentário como era e viviam as pessoas em Angola antes do 25 de abril. Tenham a atenção aos negros e comentem se eles realmente não estariam-se a integrar bem junto dos brancos...
https://www.youtube.com/watch?v=ODgo8jjFfNQ&list=PLiPWJWF4xQQIw-xzLKH895CH5ROkx0NNt

pensamentos disse...

A senhora que me desculpe, mas com o seu poust, conseguiu cospir na nação e não há como não ficar ofendido com as suas palavras. E depois vejo-a como me vejo a mim.

Ou seja uma mera curiosa que diz aquilo que leu no seu último livro e consegue enojar toda a gente com as suas palavras como se fosse uma professora de história.

Tem razão em algumas das coisas que disse mas não nas principais.

Eu comparei-me a si, só na curiosidade "mas quem tem uma história como a nossa não há como não ser corioso".

Se quiser apagar o meu comentário esteja à vontade, mas tinha de lhe dizer "caso a senhora não se tenha apercebido" que ofendeu muita gente!

Nadinha disse...

Vou deixar de fazer comentários neste post, pois já disse tudo o que havia dizer.
É claro que este não é um blogue especializado, mas sim um blogue de generalidades e com tendência para opiniões fora do sentido comum, como o título e a frase que o segue indicam.
Os nossos jovens estão agora a emigrar em massa para outros países e outros continentes (não estavam quando o post foi escrito), onde serão confrontados com um história de Portugal e do mundo que nada têm a ver com as histórias da carochinha que aprenderam aqui.
Não lhes será difícil elogiarem o seu país dizendo que foi pioneiro da aventura marítima e, portanto, pioneiros da globalização e do mercado global, há até autores estrangeiros que o afirmam.
Escolher o lado mais sinistro da nossa história para nos gabarmos do contrário, isto foi um truque inventado pelo salazarismo para consumo interno. Não pega em lado nenhum.
Portugal é um país como os outros. Podemos orgulhar-nos muito de algumas coisas, o que nem todos podem fazer. Mas não exageremos!

Luís disse...

Acho que agora pisou na poça! Eu sou emigrante e não concordo com o que diz! Eu já tive o orgulho de ouvir estrangeiros de falarem da nossa história e mesmo visitar pedacinhos que provam a nossa epopeia variados cantos do mundo... Como uma senhora indonésia quase analfabeta de uma aldeia perdida lá no fim do mundo, mal soube que eu era português, dirigiu-se a mim e com todo o orgulho falou-me num crioulo aportuguesado sobre os seus antepassados de há 500 anos portugueses! E não precisava de Salazar para desmistificar a nossa História! Ele apenas foi um orgulhoso patriota português que tudo fez por Portugal para preservar a sua identidade! As provas estão bem vincadas nos 4 cantos do mundo...............

Unknown disse...

Então mas existem provas de que a Dinamarca aboliu a escravidão em papel e na pratica mas portugal so aboliu em Papel? Sou português mas quando tenho de criticar o meu país tambem critico, agora afirmar coisas que não tem como provrar apenas através de livros e de historias de sonhadora tem muito que se lhe diga. Esta provado através de papéis que foi Portugal o primeiro país a abolir a escravidão e não é você que vai alterar isso com suposições. Cada país tem.a sua quota de culpa na escravidão e nós temos muita pois fomos o país rei das rotas de escravos. Mas tal como reconhecemos que erramos também reconhecemos que fomos os primeiros a redimirmo-nos. O brasil tal.como você diz a escravatura foi abolida muito.mais tarde pois embora fosse uma colonia tinha leis proprias e uma regência diferente.

Unknown disse...

Então mas existem provas de que a Dinamarca aboliu a escravidão em papel e na pratica mas portugal so aboliu em Papel? Sou português mas quando tenho de criticar o meu país tambem critico, agora afirmar coisas que não tem como provrar apenas através de livros e de historias de sonhadora tem muito que se lhe diga. Esta provado através de papéis que foi Portugal o primeiro país a abolir a escravidão e não é você que vai alterar isso com suposições. Cada país tem.a sua quota de culpa na escravidão e nós temos muita pois fomos o país rei das rotas de escravos. Mas tal como reconhecemos que erramos também reconhecemos que fomos os primeiros a redimirmo-nos. O brasil tal.como você diz a escravatura foi abolida muito.mais tarde pois embora fosse uma colonia tinha leis proprias e uma regência diferente.

Nadinha disse...

Que provas acha que existem ou que não existem? Sei que é complicado, mas talvez fique mais esclarecido se ler isto:

http://oficinadahistoriad.blogspot.pt/2008/12/abolio-da-escravatura-em-portugal.html