quinta-feira, março 31, 2011

Não pagamos!

Afinal, parece que parte da solução para a nossa crise é renegociarmos a dívida e não pagarmos uma parte dela.
Lembram-se daquela cantiga, muito melódica da "geração à rasca": não pagamos, não pagamos...?
O resto da letra era a repetição constante destas palavras...
É claro que, se fizermos isso, os bancos franceses e alemães ficam à rasca.
Sendo assim, quando a Mérkula vier para aqui querer interferir e elogiar o Socras, nós respondemos em coro e em voz de falsete:
- Não pagamos, não pagamos!

VER AQUI

Palavras de Lula da Silva sobre este poder não eleito e que se impõe a tudo e a todos:
"Que democracias temos nós que permitem o governo plutocrático de organizações sem rosto?"
ou
 "Não os critiqueis, dizem uns, pois ficam nervosos ou com stresse e furiosos e aumentam-nos as taxas de juro; votem em nós, não apoiem os incrédulos, temos de ganhar a confiança dos mercados..." 


Realmente, parece que o principal objectivo dos políticos, hoje em dia, é fazer a vontade a essas eminências pardas e sinistras, os mercados e os bancos.

domingo, março 27, 2011

Animem-se! Só falta uma semana para o fim-de-semana!

Animem-se! Está tudo mal, mas já esteve tudo pior.
Lembram-se daquela criatura, o Saddam Hussein, que tinha torneiras de ouro, uma colecção enorme de carros de luxo, outra colecção de palácios e que acabou num buraco a tremer de medo e de piolhos?
Mas não havia nenhum buraco, por pequeno que fosse, onde não fosse possível encontrar alguém que esteve tão na onda.
Boa semana. E não tenham maus pensamentos. Como por exemplo, desejar aos outros o que não queremos para nós, ou o que aconteceu ao Saddam... isso nunca! A ninguém. Nem mesmo à... ao... quer-se dezer...
Pensamento positivo!

sexta-feira, março 25, 2011

Ainda tinha mais encanto atrás das grades



Quem vai morrer de saudades é a tia Mérkula, que bastava assobiar para ter logo o seu Lulu a saltar.
Ainda vai haver mais encanto quando a tia Mérkula também for à vida e levar o seu Lulu para Timbuctu.
Estou tão inspirada que saiu tudo a rimar.

quinta-feira, março 24, 2011

Leiam e vejam isto III



Vídeo: "Durante muito tempo ninguém quis ver a realidade: ajuda sempre foi inevitável"

Vejam também como as acções da bolsa estão a subir!

In Jornal de Negócios Online

Champagne

Algumas pessoas parecem não entender o óbvio: por muito maus que possam ser os outros políticos, muito dificilmente se encontra um que seja simultaneamente tão mau e tão bom como Sócrates. Bom político na politiquice, nos discursos e nos truques, desastroso governante por não ter escrúpulos nem moral.
Quem é que não consegue tirar um curso pelas vias normais e o consegue com artimanhas?

quarta-feira, março 23, 2011

E tu morrerás na terra imunda! - Diz o Senhor

Inventei este título, Terra Imunda, por oposição à ideia que tenho do mar, que é puro e limpo, em que nem há poeira, pelo menos visível.
Mas encontrei no Google várias referências bíblicas à Terra Imunda, que vêm a propósito agora, quando os políticos, abomináveis e imundos, sobretudo um deles, podem transformar esta terra sagrada, como o são todas as terras, numa terra imunda e abominável, por contágio. mais do que nunca.


"Portanto assim diz o SENHOR: Tua mulher se prostituirá na cidade, e teus filhos e tuas filhas cairão à espada, e a tua terra será repartida a cordel, e tu morrerás na terra imunda, e Israel certamente será levado cativo para fora da sua terra.
Depois Amazias disse a Amós: Vai-te, ó vidente, e foge para a terra de Judá, e ali come o pão, e ali profetiza"
in Amós

42 "Tudo o que anda sobre o ventre, tudo o que anda sobre quatro pés, e tudo o que tem muitos pés, enfim todos os animais rasteiros que se movem sobre a terra, desses não comereis, porquanto são abomináveis."
43 "Não vos tomareis abomináveis por nenhum animal rasteiro, nem neles vos contaminareis, para não vos tornardes imundos por eles."
in Levítico

terça-feira, março 22, 2011

Leiam isto II: Porquê tanto medo do FMI?

"Porquê tanto medo do FMI? 

22/03/2011 


Para muitos analistas, a persistente rejeição dos poderes públicos à "entrada do FMI" está a transformar-se numa atitude irracional, motivada por resquícios de ultrapassados julgamentos ideológicos, qual última barreira ao avanço do "neo-liberalismo". É um erro - e uma ingenuidade - pensar assim. Por um lado, aquela atitude é bem cerebral e, por outro, o descaramento das políticas da chamada terceira via há muito curou aqueles pruridos ideológicos.

Há que procurar melhor as verdadeiras razões.

De facto, a recusa em aceitar pacificamente a colaboração do 
FMI - tão frequente e veementemente afirmada - não releva nem da ideologia, nem da irracionalidade. Pelo contrário, aquela atitude repousa numa rigorosa análise das consequências previsíveis da intervenção do FMI sobre a opacidade da informação e dos processos de decisão em fundamentais aspectos da política económica. 


O medo do FMI é - antes de tudo o resto - temor da capacidade de análise e de revelação do estado real da economia portuguesa, em geral, mas sobretudo, no âmbito dos compromissos públicos constantes nos contratos das parcerias público - privadas e concessões e em todos os compromissos implícitos e não publicitados propiciados pela reinante promiscuidade entre os sectores público e privado. 


No processo, em curso, de renegociação do Fundo Europeu de Estabilização Financeira alguns viram uma certa subalternização do FMI. Viram mal.

Recordemos que, no ano passado, quando se organizou o processo de ajuda à 
Grécia, a participação do FMI, a princípio, foi muito contestada. Mas aquela participação acabou por ficar consagrada e é hoje considerada indispensável. De facto, o FMI é insubstituível devido à sua capacidade técnica, à sua independência e à profundidade do trabalho de recolha de informação das suas equipas de peritos. "

Leiam isto

"Eles pensam que é tudo estúpido
22/03/2011


Entre outras razões porque se atingiu um superávite histórico nas contas do Estado (800 milhões de euros). É chocante ver como em Portugal se trata as Finanças Públicas como um "número" de magia à lá David Copperfield ou Luís de Matos.


Comecemos pela pergunta mais óbvia: como é que um país que luta para reduzir o défice para 4,6% pode ter um superávite (excesso de receita sobre despesa)? A resposta é simples: não pode. O que tivemos em Fevereiro foi mais uma "chico-espertice" made in Ministério das Finanças: protelou-se o pagamento de despesas. As suspeitas já andavam no ar desde a semana passada mas ontem, a avaliar pelo "Negócios" e pelo "DE" elas confirmaram-se.


Isto resolve alguma coisa? Não: as despesas, mesmo que adiadas, têm de ser pagas. Ou seja, no final do ano as contas têm de quadrar. São artifícios destes (jogar com a diferença entre contabilidade pública e contabilidade nacional) que mostram o desespero do Governo: precisa de apresentar, a todo o custo, boas notícias aos mercados e ao binómio Merkel/BCE. Mas os pais da ideia não percebem que o procedimento só contribui para agravar a descredibilização da República. Porque se estas jogatanas passam ao lado do cidadão comum, nem os investidores nem o BCE, nem os assessores da senhora Merkel são tão descuidados. Senão veja-se: os juros continuam elevados e só baixam quando o BCE nos dá uma mãozinha. Assim como assim, se calhar é melhor contratar o prestigiado Copperfield, ou o não menos eficaz Luís de Matos. "

segunda-feira, março 21, 2011

Champagne

Um jovem muito jovem perguntou-me:
- Mas não acha que os outros são todos piores do que o Sócrates? Que o Sócrates ainda é o melhor deles todos?
Respondi:
- A minha mulher-a-dias seria muito melhor do que o Sócrates.
Não tenho a mais pequena dúvida a respeito deste assunto.
Espero que a D. Matilde ( nome fictício) não leia este post. Podia candidatar-se...
(Foto retirada da Internet)
Caros amigos: talvez não estejam a par, porque  a economia é uma  coisa complicada e difícil, que implica conhecimento, mas nós estamos nesta situação, em grande parte por culpa da Alemanha.
Tudo isto começou com a crise do subprime nos Estados Unidos da América. Os portugueses, como não têm muito dinheiro, nunca investiram nestes produtos subprime e é por isso que os nossos bancos estão bem, ao contrário dos da Irlanda e outros.
Mas os alemães investiram e especularam muitíssimo. Estando Portugal na Europa, sobrou para nós.
Como se não nos tivesse bastado este governo que dura há 6 anos e que destruiu a educação e a justiça.
Não fiquemos subservientes à Alemanha. Estamos todos no mesmo barco. E o FMI é inevitável. Talvez até bom.
O Pedro Passos Coelho não será grande coisa, talvez, mas não mostra a sede de poder do Sócrates. É mesmo um tanto modesto... e são as pessoas que fazem a diferença.


VER NOTÍCIA EM CONSTRUÇÃO NO PÚBLICO

OU AQUI, UMA OPINIÃO

domingo, março 20, 2011

Ainda o Holly Festival, na Índia, no Nepal, etc.


Relacionado com esta conjugação lunar, o Holly Festival, uma imensa festa em vários países do Oriente. É a festa da côr.
VER AQUI

(Como referido no post anterior.)
Foto retirada do link referido acima:
http://www.boston.com/bigpicture/2009/03/holi_the_festival_of_colors.html

sábado, março 19, 2011

"Metade" da Terra está em festa, a celebrar a lua cheia






Damos alguma importância, neste momento, a um evento que foi noticiado pelos media, o facto de a lua cheia estar hoje particularmente brilhante. Se os media não dissessem, nós nem reparávamos.

Por todo o Oriente e também entre adeptos de religiões orientais no Ocidente, celebra-se hoje o festival de Gaura Purnima ou "Holy Festival", uma festa importantíssima, que pode durar muitos dias, em que não se trabalha.

Celebra a lenda de um príncipe, adepto de Vishnu, da mitologia Hindu. Outros celebram o dia de um Guru mais recente.

Quanto ao Príncipe, trata-se duma história semelhante às das mártires do princípio do Cristianismo.

O pai, que era rei, mandou matar o filho por ser adepto de Vishnu, mas todas as tentativas falharam, pois o príncipe Prahlad não morria... então a madrasta Holika, que era imune ao fogo, desafiou-o a sentar-se com ela sobre uma enorme fogueira. Prahlad aceitou o desafio, mas a madrasta morreu queimada e ele sobreviveu sem um arranhão.




As pessoas cantam e jejuam durante todo o dia e começam a comer e a celebrar com o nascimento da Lua, que é sempre especial nesta época, a última lua-cheia do Inverno.

Na véspera há fogos de artífício, para recordar o episódio da fogueira.

Durante a festa, as pessoas atiram umas às outras com tintas de cores garridas. Nestes dias não consideram as diferenças de casta nem de estatuto.







Encontrei a referência a estes factos já no ano passado, através de amigos virtuais indianos e nepaleses, que enviam mensagens de felicitações a todos, como fazemos no Natal. Não encontrei nenhuma informação em português e, como nem todos sabem inglês, o blogue dará um contributo para os que desejarem inteirar-se.

Este post está em construção, aceitam-se informações e imagens.

sexta-feira, março 18, 2011

A Arte de Mariana Gillot

Esse post teve, recentemente, muitas visitas e muitos comentários, por a obra desta artista começar a ser apreciada. Fui agora ver a sua mais recente exposição: "How Fatten the Little Pig".
As esculturas fazem uma crítica muito óbvia e explícita, muito irónica, à actual sociedade de consumo, em que quase tudo se compra e se vende, em que se vendem e compram produtos que fazem parte da condição humana, como a beleza feminina, a sedução, o amor. 
Ícones sagrados, dessacralizados. Não por iconoclastas, antes por burgueses endinheirados e encostados ao sistema.





Título da obra (frente e verso): Want me? Pay Hard




"Out Of Date" sobre a não aceitação da idade, pela mulher que se vê como objecto a ser desvalorizado pelo tempo. Há uma parte da obra que é iluminada, podendo ser desligadas as luzes.






Obra "Miss Money Talks 10 th"


Estes telefones têm a particularidade de funcionar e custam 900 Euros, sendo cada peça vendida individualmente.

As obras são feitas com técnica mista, sendo frequentemnete utilizadas moedas "falsas" de imitação do euro e chaves verdadeiras, usadas estas na sua simbologia de algo que pode abrir a porta da liberdade ou do mistério, algo que pode fechar tudo isso e algo mais, algo que pode ser usado para agredir, magoar, ferir...

Exposição " How Fatten The Little Pig" Praça das Flores, Lisboa, até dia 23 de Março.

quinta-feira, março 17, 2011

Portugal entre o melhor dos mundos possíveis e a bancarrota



O governo ameaça agora com  bancarrota, se a oposição se opuser às novas medidas (PEC4).
Então não estava tudo óptimo? Não íamos de vitória em vitória, elogiadíssimos pela comunidade internacional? Adorados pelas nações estrangeiras e pelos povos vizinhos?

Passamos logo do melhor dos mundos possíveis para o desastre total?
Quem pode acreditar nesta criatura?

2012

Nunca liguei nenhuma à ideia de que o mundo acabava no ano 2000, embora me pareça agora que mudou muito desde então. É claro que as profecias do fim do mundo não prevêem apenas um fim, mas sobretudo um princípio: para a mística, não há morte nem fim, tudo é um recomeço e um início.


Parece-me agora impossível não encontrar muitas coincidências entre o que afirmam os que profetizam sobre 2012 e o que está a acontecer de facto. Dizem, por exemplo, que vai haver muitas catástrofes naturais, terramotos e vulcões e que isso acontece porque seres superiores estão a mudar o eixo da terra e a purificá-la, passando-a para a Quinta Dimensão (Estamos na Terceira).
Ora, os jornais informam agora que o terramoto do Japão alterou um pouco o eixo da terra...
Mais dizem que vai haver um enorme terramoto na América, Califórnia, México, etc. Para breve: uma data que apontam é 22 de Março, terça-feira, próxima futura. O estranho destas novas profecias é terem data, exacta ou aproximada.
Os seres superiores a que se referem são vários, sendo Jesus o mais conhecido, para além dos arcanjos Gabriel e Miguel : Krion, Metraton, Melquisedec, Saint Germain (aquele que é considerado imortal, o barão de Saint Germain, etc...), personagens do antigo ocultismo e das actuais religiões New-Age.


VER AQUI (Deixar correra  página para passar os títulos e ler o texto)


E AQUI

E AQUI

Dizem também que há sinais visíveis no céu, para quem os quiser ver. Isso não vi, mas encontro agora uma notícia de jornal que anuncia a mais brilhante lua cheia dos últimos 19 anos, para o próximo sábado. Clicar

(Acrescentarei outros links, quando tiver mais tempo.)
Creio que não prevêem que vamos morrer todos, mas sim que vão morrer muitos e que os que ficarem viverão numa terra diferente e muito melhor.
Também prevêem mudanças boas ao nível da humanidade, referindo-se, por exemplo, ao que acontece no mundo árabe em termos de libertação e de busca da democracia.http://users.hotlink.com.br/egito/melki.htm

terça-feira, março 15, 2011

Já Basta!


Por tudo o que ficou dito nos posts anteriores.
Pela demissão deste governo.

(O símbolo significa que este blogue aderiu ao movimento do Facebook "Já basta!", constituído por blogues que pedem a demissão do Governo).

O Dia do Riso

(Não confundir com o dia da Ira)

Hoje fartámo-nos de rir no Facebook. Finalmente o Sócrates (José Pinto) (de Sousa não, por favor, que eu também ainda sou de Sousa: Nadinha de Sousa, etc...)
Enfim, o queridinho decidiu baixar os impostos do golfe de 23 por cento para 6 por cento, ou seja, para o escalão dos bens de primeira necessidade. Lógico, não acham?
VER AQUI
Quem faz isto, já perdeu a noção de tudo. Sobretudo numa altura em que uma grande percentagem de portugueses come menos porque ganha menos, ou tem mesmo de recorrer à caridade e mesmo assim, o governo decide unilateralmente impor mais medidas de austeridade, como o corte e congelamento das pensões de reforma.

Apareceram muitas mensagens com as palavras abaixo,  acompanhadas de inúmeros comentários cómicos.

1 Milhao no facebook para DEMISSÃO DO GOVERNO

Esta acção começou em 9 de Março, vai até 30 de Junho, mas já tem 202.712 apoiantes.
Fora daqui quem nos meteu no grupo dos PIGS: Portugal, Irlanda (Itália) Grécia, Spain (Espanha). Pigs: porcos. Corruptos. Nós?! Nós, quem? Eu, não.

sábado, março 12, 2011

Quem tem medo do Facebook?

video
Vê-se bem que já vivemos noutra era.
Políticos e sindicatos começam a estar ultrapassados: nem uns nem outros conseguem mobilizar tanta gente.
As imensas manifs de professores foram aproveitadas pelos sindicatos, mas convocadas por professores.
Parece inevitável que se tirem consequências...
Quem tem medo do Facebook?
Esta geração vai, de certeza, fazer a diferença. Dizem que nunca se viu uma geração tão culta. E acrescento: nem tão rica. Ou tão pouco pobre.

Manif 12 de Março: geração à rasca, tias e avós





Já assisti a inúmeras manifs na Avenida da Liberdade e já participei em muitas, mas nunca tinha visto tanta cadela de luxo, roupas de marca, telemóveis topo-de-gama, cameras e etc... 
Enquanto as mães e as tias tirarem da boca para pagar tudo isto, a geração não estará à rasca.

Mas a polícia também era muita. E a multidão, imensa. Com jovens, pais, avós e bisavós. E setores, que faltaram à sua própria manif para irem a esta. Não digo nem aponto um exemplo...
É um acontecimento histórico que irá abrir um precedente e que se vai repetir, com certeza.
Não me interpretem mal, estar lá como eu estive é estar a participar e parece-me importante qualquer forma de luta, embora com este primeiro-ministro não adiante nada, já houve tantos professores na Avenida como hoje havia pessoas de todas as profissões... 
E sempre com a nossa bela Lisboa como pano de fundo.

Mulheres da Bolívia



Acho lindas estas fotos de mulheres da Bolívia, de Pietro Masturzo, que ganhou o World Press Photo. Não com estas fotos, mas uma outra, em que mulheres protestam num terraço de Teerão, no Irão. VER AQUI.

Particularmente interessante o jogo de cores. Por muito bela que seja a realidade, é semple possível embelezá-la.

sexta-feira, março 11, 2011

Sim, quando andarmos todos a pedir esmola, Portugal vai ser um país riquíssimo

E chiquérrimo!
Notícia de hoje: Corte nas reformas pode permitir poupança de 365 milhões.
Conheço pessoas que pediram a reforma antecipada para fugirem aos cortes... tudo é impermanente. Sobretudo nesta terra.

quarta-feira, março 09, 2011

"Sentas-te e vês Portugal a arder"


Este é o último número da melhor Revista de Arte portuguesa, que também cai, vítima da crise e desta desastrosa governação da mesma, feita por um governo moribundo, eleito por uma parte moribunda  da sociedade.
Vale a pena comprar, ler e guardar.
A capa representa uma obra muito polémica, mas também muito cara, de Jeff Koons, intitulada Winter Bears. Clicar Por Cima
A utilização desta imagem como capa é claramente irónica, evidentemente.
Mais algo de bom que se perde e mais talentos desperdiçados! 


Como diz a cantiga "Sentas-te e vês Portugal a arder". Pena que estas novas cantigas revolucionárias sejam tão fraquitas do ponto de vista musical, mas vale a intenção. E com políticas culturais destas, que esperar da criatividade? 
Aqui vai o link para o vídeo.
Agradeço aos novos seguidores deste blogue. Sejam bem-vindos. A vossa presença aqui vai inspirar-me e levar-me a fazer diferente.

terça-feira, março 08, 2011

Nos outros dias do ano, onde é que se escondem os mascarados?

Hoje, dia de Carnaval, ao olhar pela janela e ao ver um dia cinzento, triste e lúgubre, lembro-me da minha infância.
Num dia de Carnaval igual a este, fomos dar a "volta dos tristes" na minha terra, na província e no Norte: a minha mãe, uma minha tia, os filhos dela e eu. Era um dia desolado, pontuado às vezes por uns mascarados tristes, que agora se chamam caretos e estão a ser recuperados, na moda, quase. Até que o meu primo, mais novo que eu, apontando para um ou dois caretos*, entrapados de roupa e ainda com panos na cara,  perguntou à mãe:
- Nos outros dias do ano, onde é que vivem os mascarados?
A mãe e a tia olharam uma para a outra embaraçadas, risonhas e melancólicas . Depois, vendo um bidon de alcatrão que ali estava perto (nessa altura havia sempre muitos bidons vazios por toda a  parte, não sei porquê), uma delas respondeu:
- Vivem dentro dos bidons de alcatrão!

Foi um dos Carnavais mais desolados da minha vida.
Foi num século passado e atrasado. Num tempo que, felizmente, não voltará.
O meu primo não chegou a entender que havia feito uma pergunta filosófica. Vou perguntar-lhe, através da net, se se lembra disto.


*Resolvendo o problema do frio (e já agora sem custos adicionais), mascaravam-se com muitas camadas de roupa, parecendo bonecas de pano e cobriam a cara com meias. Metiam medo...). Creio que é a isto que chamam caretos.



segunda-feira, março 07, 2011

Esta coisa linda da interactividade...

Quero compartilhar convosco uma coisa linda que acaba de acontecer neste blogue.


Há bocado, uma pessoa, que eu não conhecia, descobriu uma pequena reportagem que fiz da Feira de Arte Contemporânea de Lisboa, em Novembro de 2010, gostou imenso de uma obra fotografada e resolveu partilhá-la no Facebook. Apareceram vários amigos dela a ver o post, tiveram a  amabilidade de deixar comentários no próprio blogue e, por minha sugestão, procuraram a escultora no Facebook.
Passado um bocado, apareceu a própria artista, muito satisfeita. Deixou um comentário emocionado e o endereço de email, com  a promessa de enviar convites para a sua nova exposição, a quem lhe escrever.


VER AQUI: A crise desperta a criatividade

Por sorte, fiquei hoje metida em casa quase todo o dia, porque tenho uma infecção num pé e aproveitei para me dedicar a este Blogue e ao Facebook. O pé dói-me, acho que não poderei ir à Mini-Maratona da Ponte, mas não é grave.


Já uma vez tinha acontecido algo idêntico com uma actriz brasileira, que agora é minha amiga...


VER AQUI: As Confissões de Leontina - teatro


A propósito, esta peça está actualmente em exibição no Rio de Janeiro. Gostaria muito de a rever...
E também partilho aqui uma entrevista com a escultora no Sapo

Adiamento recurso de Portugal ao FMI agrava custos da crise

in Jornal de Negócios Clicar por cima

Sem ser economista, eu também já suspeitava disto e já o disse aqui. Porque não o diz quem deve dizê-lo? Para quem não leu, disse-o
AQUI 

Pontualidade Brasileira

É notícia de primeira página de O Globo um atraso de 30 minutos no desfile de Carnaval.
É a chamada pontualidade brasileira. LOL!


Mangueira entra na avenida com atraso de 30 minutos


A pontualidade britânica cora de vergonha

domingo, março 06, 2011

Homens da luta ganham festival da canção? LOL!



Não vi, não ouvi, nem ouvi falar, porque não me interesso por essas coisas, mas pressagio agora mais um sinal de que algo está a mudar. Em vez dessa piroseira do costume e contra  a vontade do júri e do público presente, ganha uma atitude um pouco anárquica e muito "lutadora".
Até que enfim, um grande smile!
Esperemos que os jovens egípcios influenciem os jovens portugueses. E os outros.
É preciso acabar com as evidências e com o status quo. E com a piroseira. Parar de fingir que está tudo bem. 
Em termos musicais não vale grande coisa ou nada, mas a Europa sabe o que estamos a passar. E a Europa também precisa de apanhar uma abanão.
LER NOTÍCIA NO PÚBLICO
E já agora partilho a opinião dum blogue que também não conhecia:
Atributos
Acredito na Juventude. Cada vez mais.

sexta-feira, março 04, 2011

A Nossa Presidenta da República, Angela Merkel

Disse que nós deveríamos agradecer ao Governo Português pela coragem que teve ao adoptar estas medidas de austeridade.
Obrigada, governo Português. Obrigada, senhora Presidenta.
Viele Dank, Frau Merkel!


De Nada! 
Nadinha

quinta-feira, março 03, 2011

O Estado da Nação: O Passado e o Presente

Lembro-me de que, quando eu era católica praticante (até aos 18 anos), costumávamos rezar para que os pobres fossem menos pobres. Pedíamos também que fossem para o Céu a almas que estavam no Purgatório. Nunca pedíamos que fossem para o Céu as almas que estavam no Inferno, porque isso era considerado impossível. Mesmo que fossem nossos parentes muito amados ou nossos amigos próximos (nessa época ainda não havia o Facebook, nem os amigos virtuais). Não nos passava pela cabeça que Deus, que tudo podia, pudesse alterar a ordem das coisas.
Tentávamos que os muito pobre(zinhos) jantassem com alguma abundância na noite de Natal. Desde que tudo voltasse à normalidade no dia 26 de Dezembro, em que os ricos se destacavam pela riqueza, nós comeríamos com abundância (quero dizer: de comida) e os pobres sonhavam com o próximo jantar de Natal, em que voltariam a comer, se Deus quisesse, e nesse caso, graças à Sra. Dona Fulana de tal, que é tão boa pessoa, muitas batatas e uma lasquinha de bacalhau, regados com um fiozinho de azeite da terra...


Tenho a impressão de que agora os pobrezinhos somos nós e que o festim do azeite e da terra passou para outras andanças: políticos e outra gentalha pouco recomendável. Todos ligados à política e todos a comer à nossa custa.


Nessa época nós costumávamos desejar uns aos outros um bom Natal, uma boa consoada, uma boa Páscoa e até mesmo um Feliz ano Novo. Isto era o máximo que desejávamos: um ano inteiro de grande felicidade. Reservar-nos-íamos o direito de nos inconciliarmos com a criatura, a certa altura, e de lhe reservarmos um tempo péssimo a partir de Janeiro do ano seguinte.


Fiquei banzada por uma muçulmana que conheci em Marrocos me ter desejado uma vida longa e feliz. Longa e Feliz?!!! Não é só por uma dia, por um mês, por um ano? E se eu desiludir? Mesmo assim? Porquê? Alguém me ama assim tanto, alguém ama assim tanto a humanidade? Posso desejar uma longa e feliz vida a quem me trama a vida?


Agora sou budista. Os meus votos são assim:
May all living creatures be free and happy.
Tradução: possam todas as criaturas vivas serem livres e felizes.
Mas hesitei ao escrever a frase em inglês. A que li foi: May all beings be free and happy. 
Tradução: possam todos os seres serem livres e felizes!


Pergunta: para sempre? É que esse pormenor não é referido. E depois, há outros pormenores. Se peço ou desejo que todos os seres vivos sejam livres e felizes, estou a esquecer os mortos. Não desejo que os mortos sejam livres e felizes? 
Mas se escrevo todos os  seres vivos: não estou a esquecer o mar, por exemplo? Não quero que o mar seja livre e feliz?


Então, talvez seja assim: como os budistas são normalmente pobres, podem dar-se ao luxo de desejar o mesmo para todos e para sempre:


Possam todos os seres serem livres e felizes para sempre!



Política virtual

De cada vez que algum partido faz algo contra Sócrates, os "politólogos" do costume afirmam que fez um grande favor a Sócrates, como ele se estivesse de pedra e cal, como se fosse impossível derrubá-lo.
O povo português assiste impotente, enquanto os políticos enriquecem como Cresus, destruindo o país e a nossa qualidade de vida. Os comentadores políticos, esses vivem na realidade virtual...
Que quer isto dizer? Que os portugueses que votaram Sócrates e que vêem tudo a encarecer perigosamente enquanto ganham menos, ou mesmo quando já perderam o emprego, ao contrário das expectativas que tinham, voltarão a votar nele?
O FMI vinha se os juros ultrapassassem 7 por cento, já ultrapassaram há um mês e não vem porque Sócrates cai se ele vier e não quer cair... não acham isto perigoso?
E agora a Merkel põe e dispõe neste país, numa altura em que é derrotada no dela!
Não entendo porque é que este governo não cai...