terça-feira, maio 31, 2011

Mensagem que encontrei no Facebook. Muito Importante

Sabia que nas legislativas de 2009, mais de metade dos eleitores não votaram nos partidos que nos governam há mais de 30 anos? A abstenção, o voto nulo e o voto branco reforçam os partidos dominantes e ajudam a que fique tudo na mesma. 
No dia 5, se não quer que os outros decidam por si, VOTE! 
Partilhe esta informação!

domingo, maio 29, 2011

Indícios de Oiro: Revolução Europeia... Árabe, Brasileira, ou Mundial



"Morte e Vida Severina" texto de João Cabral de Mello Neto, música de Chico Buarque. Cantado por Tânia Alves. Série da Globo.



Talvez a Europa deva voltar a dar "novos mundos ao mundo" ou, pelo menos, talvez seja o tempo de a Europa receber novos mundos do mundo.
Talvez o sistema normal já não baste. Talvez deva haver uma revolução.
Há indícios disso por toda a parte (indícios de oiro?) 
Na  África árabe, em Espanha, em Portugal, no Brasil...

Esperemos da juventude o que já não podemos esperar das pessoas instaladas na vida. Mas não esperemos que os jovens sejam tolerantes com os outros. Se não estivermos com eles.
Esta crise absurda, que parece a "Hora Absurda" significa que o caminho que seguimos é errado: não leva a lado nenhum. 
Que não seja eu mais uma sibila Cassandra, aquela em que ninguém acredita!

sábado, maio 28, 2011

O Estado da Nação : O Presente

- Ó filho, chega-me  a cadeira de rodas e os óculos de ver ao perto e os de ver ao longe e o aparelho de ouvir, porque eu tenho de ir trabalhar... ah, e a dentadura postiça, já me esquecia...
- Mas a avó já não pode...
- Ai eu não posso? E quem é que te sustenta a ti e á tua mulher e aos teus filhos? Tu já arranjaste emprego?
- Eu, não.
- E a tua mulher?
- Bem, ela trabalha na caixa do Pingo Doce...
- Pois, pois... mas ela não tirou um curso de Direito com média de 19?
- Tirar, tirou, mas não arranja emprego... até anda a fazer o doutoramento, mas...
- Então e tu não arranjaste um emprego como electricista?
- Arranjar arranjei, mas com as parcerias público-privadas... enfim... fui despedido.
- Mas e eu não te disse que te metesses na política, que arranjavas logo um emprego bom?
- Dizer disse, mamã, mas eu matriculei-me no MRPP.
- És atrasado mental? Eu não te disse que fosses para o PS, que arranjavas logo emprego na Parque Escolar e na Parpublica?
- Dizer disse...
- Chega-me as pastilhas do colesterol. E a lancheira com  a sopa, que elas lá na cantina do meu emprego só me dão alheiras de Mirandela guisadas e farinheira de Setúbal com favas e bola de carne e de presunto de Lamego. E fazem-me tão mal ao meu fígado! E ao meu castrol!
- Credo, avozinha! Porque é que só lhe dão essas comidas?
- Porque é a campanha: Comer o que é Nosso!
- Comer o que é Nosso!? Que lata! Tudo o que é nosso faz mal ao castrol. E engorda!
- Pois. Então e o teu filho, não tinha arranjado um emprego na Comunicação Social? Que acabou o curso com média de 20 valores? Deve ganhar bem...
- Não, ele só arranjou um posto como figurante nos casamentos de Santo António...
- Porquê?
- Bem, ele até é muito bom, a chefa até diz que o vai propor para a substituir quando se reformar... mas a chefa só se pode reformar quando tiver 69 anos, por causa da Merkel.
- Quantos anos faltam?
- Vinte!
- Mas o rapaz não tem SIDA? 
- Ter, tem.
- Então, nunca vai viver até a chefa se reformar...
- Pois, mas está a recibos verdes...
- Ah! Vá que não vá!
- Pois, mas não ganha nada!
- Também, porque é que ele se foi casar com aquele rapaz que tinha SIDA? E eu que tanto queria um neto!
- Vai ter duas netinhas. A irmã dele e a esposa dela estão ambas grávidas. 
- De quem?
- Era para ser deles os dois como dadores, mas como têm SIDA, são de dadores anónimos. Mas, prontos! Vai ter duas netinhas. Ou até mais! Netos é que não, que elas não querem. E votam todos no PS, por causa do casamento gay, claros. Prontos.
- Claro, vou ter uma carrada de bisnetas. Nenhum rapaz. E viveis todos à minha custa! E ainda me dizes que não vá trabalhar!
- Mas a mamã não pode...
- Já viste os outros que trabalham comigo? São todos muito mais velhos do que eu... muita sorte tendes vós, por eu ser contínua numa escola básica... e por ser candidata do PS à Junta da Freguesia.


Cenas dos próximos capítulos: 11º Referendo sobre o Aborto


(Clicando no link abaixo, encontrar-se-á outros textos com este título genérico. Aparecem todos a seguir a este.)

Finalmente, fala-se da empresa Parque Escolar

O Ministério da Educação está a pagar rendas à empresa pública Parque Escolar pela ocupação dos edifícios da Avenida de 24 de Julho, em Lisboa, que há três anos eram sua propriedade

Ver AQUI
Haverá aqui algo de estranho? Talvez não.
Ver cenas dos próximos capítulos.


VER TAMBÉM AQUI, NESTE MESMO BLOGUE, CLICAR POR CIMA

Ainda vejo muita coisa que não é minha!

Os proprietários do campo, mesmo se forem pequenos proprietários, quando deixam de ver bem ao longe, deixam de ver "tudo o que não é deles". 
- Ainda vejo muita coisa que não é minha! - Exclamam, para afirmar que vêem bem.


Pois é o meu caso. Vou mudar as lentes dos óculos, porque parti a parte de fora, mas só os uso para ver ao perto.
Contudo, há uns anos, em Cascais, caí na asneira de ir a um optometrista dono de um oculista. A consulta era grátis se comprasse os óculos. Após uma longa e conversadíssima consulta, em que, como se diz, se fartou de "arrotar postas de pescada", "o seu olho direito funciona mal, bem como a sua narina direita e o seu ouvido direito", receitou-me dois pares de óculos caríssimos, ou talvez só um par, mas com lentes progressivas... e coisa exorbitante. Como não comprei, tive de pagar a consulta, 25 Euros.


Disse-me a criatura que, quando eu tivesse uma determinada idade, não conseguiria ver um automóvel à minha frente, sem óculos. Não saberia o que era. Na altura, faltavam 5 anos para essa idade e fiquei muito assustada. Imaginava um grande automóvel vermelho à minha frente e eu a apontar e a perguntar, com uma voz fininha:
 - O que é isto? 


Agora já passaram esses cinco anos e depois passaram mais seis. Posso não ver muita coisa, mas vejo muito bem um automóvel. Anda mais se for vermelho, ou, como dizem as tias e os tios, se for encarnado. 
E, sobretudo, vejo muitíssimas coisas que não são minhas.


Profecias destas... nem a Sibila Cassandra!

sexta-feira, maio 27, 2011

Uma esquerda irreflectida e incapaz de lidar com a realidade e com o poder: violência nas Escolas: como se chegou a isto?

Nem sequer vou referir a ingenuidade das recentes teorias pedagógicas, baseadas na filosofia de Rousseau, segundo a qual "O homem é bom, a sociedade é que o corrompe", que nos oferece uma grande quantidade de anjinhos maquiavélicos. 
Nem sequer vou referir a atitude dos sucessivos Ministérios de Educação, que só querem que os alunos passem a todo o custo, mesmo sem saberem nada, para diminuirem esta coisa política e estatística chamada "insucesso escolar". 
Tal como acontece na religião, em que é tudo porreiro, menos os resultados, assim acontece na educação, em que nem são porreiros muitos dos pais, nem muitos dos professores, nem muitos dos filhos. Muito pelo contrário.
Vou só narrar um mito que existe na educação, um mito bacoco, que muito contribui para o caos actualmente existente.

Eu, Nadinha, soube dum caso, numa escola que acabou por fechar por falta de alunos... nessa e em muitas outras escolas existia (existe) o mito bacoco de que os professores e os alunos têm os mesmos direitos. As direcções que assim pensam são de esquerda, claro, uma esquerda irreflectida e incapaz de lidar com  a realidade e com o poder, como acontece com  a nossa actual esquerda.

Bem, nessa dita escola existia, como em muitas outras actualmente, a seguinte prática, e vou só dar um exemplo de práticas pedagógicas "ingénuas" e parvas: segundo a legislação, há uma tolerância de 10 minutos ao primeiro tempo e de 5 em todos os outros, para quem se atrasa. A partir daí, têm falta. 
Então, conclui-se que, sendo os direitos iguais, tanto tem falta um aluno como um professor que se atrase. Reparem nisto: se o professor se atrasa, o aluno "tem o direito" de não ter aula, o que faz imenso sentido para as crianças e os jovens, apesar de ser o contrário do direito à educação, ou seja, o direito de ter aulas. 
Então, verifica-se o seguinte: o aluno tem o direito a não ter aula e a ir brincar e fazer arruaças para onde lhe apetecer, o professor, dado que tem direitos iguais, tem o direito de ser humilhado publicamente por alunos e funcionários (são os funcionários, hierarquicamente muito inferiores aos professores, que marcam as faltas aos professores). Para além de haver funcionários muito temperamentais, é claro que o relógio dos alunos funciona segundo a conveniência dos mesmos e, neste caso, de acordo com a maioria, que o atrasa ou adianta, conforme lhe dá mais jeito.
Sendo assim, se o professor se atrasou 3 minutos poderá ter falta, embora possa não marcar falta a um aluno que se atrasou 30 minutos, ou por bondade, ou por tolerância, ou por estupidez, ou ainda porque tem medo dele. É claro que não poderá dar aula, pois todos os seus alunos têm o direito de zarpar a grande velocidade, injuriando-o enquanto se retiram e apontando para os relógios e telemóveis, cuja hora alteraram.

Não pensem que exagero: sei do que estou a falar!
O direito à não-educação é muito mais perceptível para os estudantes do que o direito a apanharem uma seca e uma estopada, tendo aulas. E os adultos não refletem de maneira muito diferente, nem muito mais profunda...
(N.B.: É por eu ser de esquerda e estar entre a espada e a parede nestas eleições que reflicto desta maneira - a crítica é importante).

segunda-feira, maio 23, 2011

Teoria da opinião contrária

"Quando todos pensam da mesma maneira, ninguém está realmente a pensar"
Walter Lippman

Esta frase é de tal modo verdadeira, que existe a "Teoria da opinião contrária", aplicável aos investimentos nas bolsas de valores. Assim: quando toda a gente pensa que a bolsa vai subir, é porque vai cair e vice-versa. Mas tem de ser mesmo uma opinião generalizada.
Giro, não é?

domingo, maio 22, 2011

Aung San Suu Kyi


Reparem nesta fotografia de Aung San Suu Kyi:

Esta mulher frágil e doce, que passou grande parte da sua vida na prisão porque protesta, porque é perigosa para o poder instituído... porque quer mudar e isso é inaceitável para quem manda, deve, ou pode, inspirar-nos.

A foto representa-a no dia em que foi libertada. Ainda agarrada às grades que a separaram do mundo e com um ar orgulhoso, sereno, firme e vitorioso re feliz... apoiada nas grades. E sem ódio.



I always consider myself free because my mind is free. Ver entrevista aqui.

sábado, maio 21, 2011

Língua Portuguesa no Brasil

Imaginam este debate aqui em Portugal? 
Considerar a linguagem popular, "não erudita, como se fosse um dialeto"?
Para sermos todos iguais, os que falam de uma maneira e os que falam da outra?
Então, foi publicado no Brasil um livro de educação para jovens e adultos, no âmbito de um programa do Ministério da Educação, em que aparecem frases no tal "dialeto" como "nós pega o peixe".
Ministério da Educação considera que não deve interferir na polémica que foi gerada, porque não lhe compete.
Questão interessante...

quinta-feira, maio 19, 2011

Quando sairá o filme americano sobre Strauss Kahn? E o francês? E o português?

Para quando o filme americano do Dominique Strauss Kahn? Acusando-o, claro, de ser um tenebroso mulherengo... sexista, violento e tremendo, como os há aos molhos nos filmes americanos? Ou é condenado no fim, ou libertado no início.
E a versão francesa, mostrando o Diretor do FMI cheio de dúvidas existenciais, dividido entre a atração que sente pela empregada do bar e a que sente pela empregada de quarto, e logo depois dividido entre a atração que sente pelos maridos das duas e pelo amante da esposa?
Na primeira cena, a personagem principal, abraçada a um jovem e belo negro, chora, afirmando que gosta demasiado de mulheres, o que lhe parece contraditório com o igualitarismo socialista, que sempre professou. Logo a seguir, pega mo Ipad e realiza cálculos sobre o juro a aplicar à dívida portuguesa.

Não perca, num cinema perto de si. 

E para muito mais tarde e com muita mais calma, o filme português do Manoel de Oliveira. O único cenário é o quarto de hotel, a única ação é a rapariga a dizer, em guineense: Ké Frô? O que foi entendido, erroneamente, como um convite a algo mais... dada a óbvia semelhança entre a palavra frô e a palavra "fror", da poesia medieval trovadoresca.
Tudo o mais se baseia no trocadilho e na indecisão conceptual entre os seguintes termos: dúvida interna, dívida externa... dívida interna, dúvida externa, etc.
Na cena final, alguém (não se percebe quem é) ri às gargalhadas, com o ar de quem não acha graça nenhuma e, após vários minutos a rir desta maneira, fica muito sério e diz: 
- Pois.
(Frase que pode ser interpretada de diversas maneiras, claro).


É nesse momento que o rapaz dos bilhetes vai acordar os três espectadores que conseguiram aguentar as cinco horas de filme sem intervalo. Um deles está morto e supõe-se que morreu de tédio existencial.

A Meretriz Nazi

A MérKula quer subir a idade de reforma na terra dela, para 69 anos. Tão pouco? E porque não 82?
E quer que os portugueses tenham menos férias e trabalhem mais e até ao 69. Esta tendência dos alemães para mandarem em casa alheia...
Mas os políticos portugueses permitem estas humilhações públicas de todo o povo português, da Mérkula e dos Verdadeiros Não-Sei-De-Aonde... Não deveriam protestar, ou pelo menos responder, como fazem os espanhóis?




"o governo de Madrid rejeitou de imediato a proposta de Merkel unificar as férias e a idade de reforma na União Europeia"

Ao que parece, os próprios alemães responderam que, em média, os portugueses trabalham até mais tarde e têm menos férias que os alemães...

quarta-feira, maio 18, 2011

A coelha e a cágada

Num curso de Escrita Criativa que ando a frequentar, a ver se me inspiro, exigiram-me que contasse o conto da lebre e da tartaruga sem nunca usar a letra u. O resultado podia ser melhor, mas... se virem algum u, digam.


Eram três vezes, digo três, por ser a "conta - Jeová a fez", a história da lebre e da alimária chamada cágado. Fémea. Eram amigas, mas destestavam-se solenemente, como se detestam às vezes os amigos, por serem diferentes e opostos: a lebre era rápida, a cágada era lentíssima. E as outras diferenças entre elas eram idênticas a estas.
Contaram-me esta história três vezes de cada vez, "por ser três a conta - Jeová a fez"  e para me ficar para sempre na memória. Até hoje. E é assim, como ides ouvir três vezes.


Certo dia, a cágada desafia a lebre:
- Vamos correr desde esta árvore, a partida, até à meta, ali abaixo. Partimos ambas ao mesmo tempo. Chega você primeiro? Vence a lenta da cágada? Vence a rápida lebre? Veremos! Borá lá?
Espantada, a coelha responde, a rir:
- Bora Lá! Mas, como é claro ser a egas a chegar primeiro, pois a egas corre mais, pode você ir andando. Espero por você três horas, pelo menos e só depois parto da linha da partida.
- A carapaçada, talhada para aproveitar todas as ocasiões, as que fazem os grandes ladrões, os grandes vilões, os grandes peixões e os marmanjões, com grande freima e com maior descaramento, aceita a enorme vantagem e começa logo a corrida, andando às vezes devagar, às vezes ficando parada, tão devagar e tão parada, ao ponto de fazer perder os nervos à coelhita. Em dado momento, a lebre desata a rir. Ri-se às gargalhadas tanto, tanto tanto... De repente, fica com dores de barriga de rir e vai à farmácia mais próxima, comprar três caixas de Kompensan.
Já na farmácia, a dita coelhone encontra a vizinha do andar de cima, a chata. A chata começa logo a lamentar-se do marido, também chato, e da tia, ainda mais chata. E da vizinha da frente, essa então... A coelhone já estava farta e ia a sair, mas a vizinha ainda acrescenta:
- Lembra-se da minha empregada doméstica?... blá blá blá...
Enfim, todos fazemos fretes...
Quando a lebre chega, a correr, à meta... Enfim, toda a gente sabe o resto: a carapaçada já lá estava à espera e satisfeitíssima:
- Estás a ver?
- Sim, claro... mas as lebres, pelo menos, ainda podem desaparecer a grande velocidade para escapar às histórias secativas dos chatos e das vizinhas. Você, pelo contrário, há-de apanhar cada seca! (e narra-lhe o episódio da farmácia)
- Não, está você enganada! Elas não têm pachorra para andar devagar. Começam a contar a história e de repente, no melhor da festa, dizem assim:
- - Olhe, gostei de falar consigo, mas o marido está farto de esperar e o jantar está no fogão e o fogão a gás ligado e, portanto, tenho de ir.
- - Ah, sorte tem você! ... Então deve ser por isso que o nosso país está na parte de trás, comprida e fininha da CEE! Os lentos e os atrasados estão sempre, entre nós, à frente, e nós, as alimárias despachadas, esforçadas e com as competências, perdemos sempre todas as corridas.


(Cenas dos próximos episódios: a cágada e a lebre concorrem às eleições presidenciais. Não perca.)

terça-feira, maio 17, 2011

Água para elefantes



Este é um daqueles filmes que nos ficam na memória e que regressam a ela sempre que podem, sempre que há espaço, como algo de belo e de suave a recordar.

sexta-feira, maio 13, 2011

Os pintassilgos de Catroga


Estive alguns dias, como quase todos os bloggers, sem ter acesso aos meus blogues, porque o blogspot esteve com um bloqueio e os blogues só apresentavam a possibilidade de leitura.
E nem pude dar uma opinião sobre assunto de suma importância para a nação: os pintassilgos de Catroga.

Terá este candidato a ministro das Finanças, Eduardo Catroga, afirmado que os jornalistas só se preocupam em discutir uma determinada variedade de pintassilgos, designada em latim por "puffinus obscurus", ou, em português, por "pintelhos", como se poderá verificar consultando um bom dicionário.

A provar que o ministro tem razão, em poucas horas esta palavra portuguesa passou a ser a mais utilizada no Twitter português. E não se falou doutra coisa em lado nenhum.

O provável futuro ministro das Finanças promete não ser tão chato como os outros, visto que tem sentido de humor, capaz de fazer rir um país inteiro e de franzir de horror os mais púdicos, o que também se torna divertido..

quarta-feira, maio 11, 2011

O Patos mudos não Voam

 
Nesta terra (Imunda) existe a ideia de que "o respeitinho é muito bonito", de que é bom não fazer ondas... etc...

Isto é particularmente fácil de fazer para quem não tem um pingo de senso crítico. Para quê, então, cansarmo-nos a desenvolver esta capacidade, mais a inteligência, a memória e todas essas coisas desnecessárias, imúteis e mesmo perigosas?

O único inconveniente é este: os patos mudos não voam

terça-feira, maio 10, 2011

Sócrates acusado no Financial Times

"A gestão da crise por Portugal tem sido “apavorante”, e o anúncio por José Sócrates do acordo alcançado com a EU-FMI é um “ponto alto do lado tragicómico da crise”, segundo um artigo de opinião publicado no Financial Times de ontem.
“Não se pode dirigir uma união monetária com pessoas como o sr. Sócrates, ou com ministros das Finanças que espalham rumores sobre uma cisão” da moeda única, diz ainda."

Clicar para ver tudo no Público


No original ainda é pior


José Sócrates, prime minister, has chosen to delay applying for a financial rescue package until the last minute. His announcement last week was a tragi-comic highlight of the crisis. With the country on the brink of financial extinction, he gloated on national television that he had secured a better deal than Ireland and Greece. In addition, he claimed the agreement would not cause much pain. When the details emerged a few days later, we could see that none of this was true. The package contains savage spending cuts, freezes in public sector wages and pensions, tax rises and a forecast of two years’ deep recession."

segunda-feira, maio 09, 2011

Na Feira do Livro de Lisboa, aos dias de semana, depois das dez horas da noite, muitas editoras fazem desconto de 50 por cento em todos os livros que tenham mais de 18 meses, incluindo dicionários e outros "calhamaços". Descobri isso por acaso e resolvi avisar.

E cá temos a resposta da Finlândia



Entretanto e segundo o Público, a Finlândia vai dar apoio a Portuga. Tratou-se de manobras estratégicas da extrema-direita, que nunca olha a meios para atingir os fins. Neste vídeo eles gabam-se de terem combatido os nazis, mas... mas...
Não, não somos os úuunicooos... não somos os únicos a gabaaaaar-nos... :)
VER AQUI

domingo, maio 08, 2011

Zé Socas

IMAGEM: PATO MUDO, EM TENTATIVA DE VOAR

As pessoas que têm mau feitio conseguem quase sempre levar a sua avante. Neste país de brandos costumes, cedemos, contemporizamos... acabamos por concordar com tudo, pois é essa a ideia dos brandos costumes.
Vem isto a propósito. O José Sócrates, mais conhecido por Zé Socas, tem muito mau feitio.
Quando o Pedro Passos Coelho afirmou que se devia privatizar as empresas públicas como solução para  a crise, vem o Zé Socas metê-lo a ridículo. E toda a gente o achou ridículo. 
Quando Pedro Passos Coelho não aprovou o PEC 4, impondo a vinda, inevitável e já muito atrasada do FMI, o Zé Socas acusou-o de queria aqui o FMI, uma coisa medonha e horrenda. E todos concordaram, não com as ideias gerais, que ninguém entendeu, mas com  a ideia genérica de que o Zé Socas tem mau feitio e por isso devemos concordar com ele, ao passo que o Passos tem bom feitio e portanto não se importa nem fica triste se não concordarmos com ele. E até mesmo não se importa se o acusarmos de ser parvo, apesar de, obviamente, não o ser. Poderá não ser óptimo, mas pelo menos é diferente.
Mas se acusarmos o Zé Socas de ser parvo, o coitadinho fica melindrado porque tem mau feitio e vai sofrer muito com isso e vai esbracejar e espernear muito com isso. E como nós temos brandos costumes, 
DAMOS-LHE RAZÃO; CLARO!!!!!!!!!!! Votamos nele... claro...


Tenho ouvido esta ideia, que me não desagrada:
- " Até pode ser que os actuais políticos sejam todos uma merda. Talvez sejam. Mas, nesse caso, eu quero outra merda."


É chato. Mas é fácil concordar.

sexta-feira, maio 06, 2011

A crise desperta o humor

Gostei deste artigo do Jornal de Negócios, assim como da palavra PORMAIOR  / contrário de pormenor

Não querem contratar a Troika?

Três homens que não conheciam a economia portuguesa vieram a Lisboa e em três semanas fizeram o melhor programa de Governo que o país conheceu em décadas.

Este "pormaior" merece reflexão. Porque se eles conseguiram fazer um programa de Governo completo, é porque os problemas estão bem identificados. Razão pela qual vale a pena perguntar porque é que os partidos que nos governam não propõem um receituário desta qualidade. Se calhar é porque a qualidade da decisão política portuguesa é má.
O programa de ajustamento é duro? É. Vai ser muito difícil cumpri-lo, nomeadamente em matéria de redução de despesa (v.g. os protestos de Rui Rio, político de direita, sobre o corte de chefias nas autarquias)? Sem dúvida. Mas sejamos honestos: o programa é aquilo de que o país precisa para se modernizar. De tal maneira que é legítimo dizer que se 80% do que lá está for cumprido, daqui a cinco anos Portugal será um país muito diferente (para melhor). E nem é preciso o marketing do engenheiro Sócrates para prometer isto...
[...]
Camilo Lourenço

quinta-feira, maio 05, 2011

FMI: afinal 3 homens vêm cá resolver tudo

Com  a conferência de imprensa do FMI, ficou tudo tão claro como a  água:
1. Se o FMI tivesse sido chamado mais cedo, a sociedade portuguesa sofreria menos e a dívida portuguesa não se teria agravado tanto.
2. O PEC 4 não resolvia nada nem era realista.
3. As parcerias público-privadas são desastrosas e deverão acabar o mais depressa possível.
4. As reformas tinham de ser feitas e não foram.


Será que depois disto as pessoas vão continuar a votar em Sócrates? Receio bem que sim, pois a sociedade portuguesa está a dar razão às anedotas brasileiras do portuga parvo e idiota.

quarta-feira, maio 04, 2011

Somos burros? Não insultemos os burros... que não são burros. Os animais, quero dizer


É tão verdadeira e tão incrível esta situação! Parece as anedotas que os brasileiros contam dos portugueses, acusando-nos de sermos burros. Seremos?


Reparei agora que se trata mesmo de uma banda desenhada de autor brasileiro, Angeli. Mas esta anedota, em vez de ser inventada, é mesmo verdadeira.

domingo, maio 01, 2011

Lisboa: a quarta cidade mais bela do mundo!






Lisboa foi considerada pelo http://ucityguides.com./ a quarta cidade mais bela do mundo. As outras escolhas também são interessantes para nós e mesmo motivo de orgulho: entre as cinco primeiras, estão quatro europeias e duas de língua portuguesa.
Lista das cinco mais belas:
 Veneza, Paris, Praga, Lisboa, Rio de Janeiro
Dez mais belas: as mesmas cinco, seguidas de: Amesterdão, Florença, Roma, Budapeste e Bruges.


A respeito de Lisboa:
“[A cidade] possui uma beleza natural, acentuada por detalhes como a calçada, as suas fachadas em azulejo e a cor pastel dos edifícios, que criam uma atmosfera singular já apagada em tantas outras cidades”.


As pessoas que a escolheram para viver, como eu, deverão sentir-se mais felizes do que as pessoas que simplesmente nela nasceram... acho eu...