sexta-feira, setembro 26, 2014

Tradições do Nepal: Jamara, a erva sagrada







Está agora a decorrer o Festival Dashain, o principal festival do Nepal, que dura 15 dias e que prima pela estranheza, para nós.

Já aqui várias vezes foram referidas tradições do Nepal, que surpreendem pela quantidade, variedade e, sobretudo, pela diferença absoluta em relação a outras tradições, como as europeias. Este blogue pretende divulgar em língua portuguesa, para países de língua portuguesa, algumas tradições orientais que só existem na Internet em língua inglesa.

Relacionado com a lua cheia, a mais brilhante do ano, esta festividade tem inúmeras prescrições, já aqui referidas. VER clicando em baixo, no post.

Para iniciar, é costume semear cevada, da seguinte maneira: coloca-se um quadrado de areia na parte principal da casa, sobre esse quadrado um pote, digamos uma vasilha com água, na qual se dispõem sementes de cevada. Cobrem tudo com bosta de vaca, vaca sagrada, claro.

Ao fim de nove dias a erva estará crescida e é considerada uma erva sagrada, cujo nome é "JAMARA".


Sendo esta  a tradição comum, com grandes  e inúmeros detalhes como é próprio das tradições, acabo de descobrir que algumas pessoas semeiam a "jamara" sobre o seu próprio corpo, de acordo com todos os rituais, esperando tranquilamente que a erva cresça. Como se vê nas fotos, a primeira no primeiro dia, e que a erva foi semeada, a segunda, de ano anterior, com a erva já crescida.

Chama-se a isto deixar crescer a jamara no seu corpo. Difícil ou impossível para nós de entender, como será difícil ou impossível para eles entenderem o nosso Cristo crucificado, por exemplo. Até para mim é esquisito... Todos queremos um deus invulnerável.

A princípio, as mulheres eram impedidas de entrar no aposento onde cresce a jamara, agora, com a libertação da mulher, até a podem deixar crescer no seu corpo.


Dizem-me que vai haver amanhã um primeiro desfile em Lisboa, relacionado com o festival. Não estarei cá. Não faltaria.

VER AQUI:

Divindades hindus saem em procissão para " conhecer" Lisboa e abençoar a população

Para saber mais, clicar nos links abaixo: Festivais da Lua e Festivais das Luzes, neste blogue.

sábado, setembro 20, 2014

Boa noite de sábado na terra



Boa noite de sábado para os meus amigos e amigas: é fácil, basta saber que não estamos a afundar-nos
que debaixo da nossa cama não há tubarões... 
só não entende isto quem nunca navegou pelos mares.


sexta-feira, setembro 19, 2014

Os nossos 800 mártires








Por este andar, Portugal não tarda a igualar os 800 mártires italianos recém canonizados pelo Papa Francisco.


Anterior Papa canoniza 800 mártires e três santos - Público


OU MAIS:

Passos Coelho não nega ter recebido dinheiro da Tecnoforma quando era deputado em exclusividade


Mas este último crime é difícil de descobrir e quando se descobre, prescreve.
O Expresso informa que já prescreveu, daí o ministro não ter negado. 
Em vez de ser um proscrito, é um prescrito.




segunda-feira, setembro 15, 2014

Fila para a Sopa dos Pobres / Fila para os Gelados Santorini (Secs. XIX-XX)





LISBOA

Fotos expostas na Misericórdia de Lisboa, versus fotos tiradas em 14/9/2014

Maria de Lurdes Rogrigues, a tremenda Sinistra, fez mais milagres do que um santuário




Como vigarista, esta criatura teve o condão de perceber que há muitos professores vigaristas. Curou mais professores doentes, crónicos e agudos, do que a Senhora de Fátima, ao instituir que se ganha menos quando se está doente. A ingenuidade de ganharmos todos o mesmo, trabalhando ou não... 

Fez mais milagres do que um santuário porque entende os vigaristas como ninguém os entendeu antes dela. Porque é ainda pior do que eles.

Quando esta criatura era ministra da educação, nunca publiquei aqui uma su fotografia, mas sim uma destas galináceas, de que tenho vasto repertório.

Isto da pena suspensa tem alguma consequência, ou fica tudo bem? E pode voltar a ser ministra da Educação? 

domingo, setembro 14, 2014

O rosto feio deste país! Nojento, mesmo.

Isabel Jonet, fundadora da organização "de caridade" que sustenta muitos portugueses sem recursos, tem sido muito criticada por uma esquerda cada vez mais parva, em completa auto destruição.

Uma das razões foi ter dito recentemente que há profissionais da pobreza.

A senhora também tem sido criticada, por muita gente comum, e neste caso com razão, por dar de comer a quem não tem fome.
Se calhar muitos conhecemos situações como esta: gente que ganha mil euros estende a mão à caridade. Quando a caridade é, em parte, feita por gente que ganha quatrocentos euros, ou até menos.
Eu conheço gente assim, embora muitos meditam que vivo noutro planeta.

Sim, vivo noutro planeta. Porque só preciso de usar poucas das minhas capacidades (competências?) para estar neste um pouco de tempo e para o entender.

Alguém duvida que há pobres profissionais, pedintes profissionais, etc? Sempre houve.
E em Portugal são endémicos. Embora tenham, no nosso país, características especiais : têm bons automóveis e passam ferias como o turistas.

Só em países de língua portuguesa e espanhola, porque aprender línguas também dá trabalho. 

Como esta maravilhosa família, que vivia como rica à custa da caridade

Tanto se pode dizer sobre este assunto!

E para completar, esta anedota: quando um secretário de estado foi visitar um hospital, esconderam um deficiente. Isto só no tempo de Salazar. Mas mentalidade mudou? Tinha mudado, mas voltou ao mesmo com a avaliação. Introduzida pelo esquerdista Sócrates.


Para além dos profissionais da pobreza, há ainda os profissionais da doença, aqueles que nunca trabalharam com a ajuda de atestados médicos falsos. Com a cooperação dos médicos.

Enfim, o sonho do "portuguesinho" é não trabalhar e viver bem, com mordomias, carros bons, etc.

O título do post é uma paráfrase deste:

Uma face feia do país retratada ao longo de 2781 páginas







sábado, setembro 13, 2014

Morte que Mataste Lira








Morte que Mataste Lira, uma das canções preferidas da Natália Correia, que faria anos hoje. Se fizesse. Gostava dez  cantar em coro com os amigos.

Ela própria cantava muito bem o Summertime. E esta.

terça-feira, setembro 09, 2014

Filme A Viagem dos Cem Passos: França e Índia na culinária





Até há pouco tempo, a culinária era considerada uma profissão menor, relegada para o gueto das profissões em que não era exigida uma licenciatura.

Em Portugal, pelo menos. Em França sempre foi uma arte maior, tal como a costura e outros "artesanatos"... enfim.

O que se reflete na literatura. Foi necessário o advento das mulheres escritoras, sobretudo em fins de Século XX, para que a cozinha, a comida e a culinária pudessem emprestar à literatura as impressões sensitivas: o gosto, o olfato, o tato, neste caso, das texturas...

Enfim, a literatura quase descobriu o prazer de viver. Sendo que as mulheres contribuíram muito para isso, opondo-se às elucubrações pessimistas e decadentes da poesia e da narrativa, dominadas pelos homens, até então.

E finalmente, o cinema. Há agora filmes fantásticos como este, A Viagem dos Cem Passos apelando para os prazeres da mesa.

Este filme tem todo o apelo comercial dos filmes americanos, mais a paisagem francesa, mais o requinte das especiarias indianas, muito mais antigas do que tudo isto. E ainda a referência (vaga) à problemática da direita francesa, contrária à emigração e à diferença, no oposto dos ideais de Liberdade, Igualdade, Fraternidade, também difundidos pelos franceses e ao contrário do Hino, A Merselhesa, que é reacionário.



segunda-feira, setembro 08, 2014

Produto ecológico: limpa bem, mas volta a empedrar dentro dos canos



Nos sítios de produtos biológicos, ecológicos, etc., em que se manifesta uma parte de razão e uma parte de fé, vendem produtos novos e maravilhosos, como este. Não é barato, mas dá para muito tempo. Mostram, limpando à nossa frente, que é milagroso. Sim, limpa muito bem.

E é verdade. O problema é que volta a empedrar dentro dos canos. Sim, não tem poluentes nem nada, mas só os canalizadores podem tirar as pedras que se formam entre os tubos, às vezes com grande dificuldade. Dizem eles que o pó de pedra é a pior coisa que existe.

É chato. Estes produtos não foram sujeitos aos testes do consumo... não passariam... mas os que continuam a vendê-los, nalguns casos em exclusivo, sabem de certeza o resultado. E continuam com a farsa da ecologia.

Nem nestes lugares se encontra gente de jeito??? E quem não os proíbe de participar nos eventos ecológicos? 



sexta-feira, setembro 05, 2014

Em tempo de figos...



Foto 1: figos. Prato marca SPAL com poema de "Ode Marítima", de Fernando Pessoa




Foto 2: Figueira e nogueira com dois gaios. Existe noutro post deste blogue.



"Em tempo de figos, não há amigos" - ditado popular.
Começou o tempo dos figos. 
Nas esquinas das ruas de Campo de Ourique, aparecem, por esta altura, homens ou mulheres a vender figos de cor verde, pesando-os numa balança rudimentar, pois existem aqui muitas figueiras dessas.


Como vejo da minha janela uma carregadinha deles, aquela onde vi os gaios, fico com vontade de os provar. Peço meio quilo. Quando acho que já tem demais, digo, mas a senhora continua a encher o saco e responde:

- Depois conversamos.


Esta generosidade com os figos nem sempre existiu e bem ao contrário, como insinua o ditado popular já citado. Dado que os figos se podem secar e guardar todo o ano, constituíam uma das formas de matar a fome, em tempos de fomes que já lá vão. 


Daí estes outros ditados, do mesmo género:



Tinha um figo para dar ao meu amigo, mas vi-o, comi-o.
Uns comem os figos, a outros rebenta-lhes a boca.
Figo caído, para o senhorio; figo quedo, para mim.

E já agora, mais estes, de tipo diferente:
O figo, para ser bom, deve ter pescoço de enforcado, roupa de pobre e olho de viúva.
Ano de Figo temporão, ano de pão. (Deve ser este ano)

Acrescento aqui a palavra "Sicofanta"(de syko = figo), que tem uma origem grega interessante: como o figo era muito importante para a alimentação da Ática, era proibido vendê-los para outras terras. Sicofanta era o que denunciava os que vendiam figos. Ou o que denunciava os que roubavam  figos das figueiras sagradas. 

Eram grandes as penas para os sicofantas que dessem falsas informações, mas isso não os demovia, pois o ato em si também dava grande lucro. Daí que a palavra também possa significar pessoa caluniadora.

Enfim, é um termo erudito para significar delator, ou, usando termos menos próprios, "chibos" ou "bufos" :) Não gosta destes últimos? Então diga: sicofanta. 
Já que nunca disse...

Sobre a figueira: muitas vezes referida na Bíblia, desde a primeira vez, quando Adão e Eva, envergonhados da sua nudez, a ocultaram com as suas folhas, foi considerada árvore sagrada pelos antigos romanos, algumas eram também sagradas para os  gregos e ainda hoje é a árvore sagrada para as religiões de inspiração budista, já que foi debaixo de uma delas que o Buda obteve  iluminação, após vários dias de espera e de meditação.



Buda em meditação à sombra da figueira sagrada

quinta-feira, setembro 04, 2014

O ISIS aqui à porta e o que faz a Europa? - Nada, é claro!


A esquerda (com a qual me identifiquei sempre, até ontem ou hoje, ou amanhã)* está a ficar tão parva, que alguns quase defendem ou pelo menos minimizam o Estado Islâmico, só para serem contra a América. Depois queixam-se do avanço da extrema direita... sobretudo em França. Porque é em França que mais se confundem os direitos com qualquer outra coisa.

Que faz a Europa para lutar contra o Estado Islâmico aqui à porta? Espera que os Estados Unidos venham de longe resolver o problema.

Entretanto, a esquerda, seja radical, seja a progressista, critica alegremente os Estados Unidos. Por se virem meter onde não são chamados. Afinal, o ISA ainda demorará um tempos  chegar lá, depois de conquistar a Europa. para quê incomodarem-se tão cedo?

É claro que é a esquerda europeia é contra  a discriminação, por exemplo, religiosa: não devemos ser contra os islâmicos. É claro que as mulheres têm o direito de usar a burka e o iquab, se lhes apetecer... 

Ai é? E eu tenho o direito de andar de calções e de cabeça destapada no Irão e na Árábia Saudita? Claro que não. Vou presa.

Sim, quando nos levantamos tarde após uma noitada, com o cabelo despenteado e sujo, sem vontade de tomar banho, dava jeito uma burka para irmos tomar o café da manhã ao café do costume.

Ganda liberdade!


VER:

Obama diz que não se deixa "intimidar" pela "barbárie" do Estado Islâmico


O que faríamos nós, portugueses, se o EI decidisse decapitar centenas de portugueses? 

Respondam-me!


(* É claro que esta esquerda, com a qual me identifiquei até hoje, não inclui o PS, partido do poder, do abuso de poder e da corrupção do poder.)

quarta-feira, setembro 03, 2014

Cinema americano sobre emigrantes portugueses na América

Cinema americano sobre emigrantes portugueses (sobretudo açorianos) na América: por que razão não o conhecemos?

Baseiam-se na aventura marítima destes destemidos portugueses, que impressionaram América.

Sobre os emigrantes açorianos com Spencer Tracy, o filme Captain Courageous.







Filme completo AQUI

Ou este, intitulado Tiger Shark, baseado na vida de Mark Mascarenhas.





terça-feira, setembro 02, 2014

De que precisamos para sermos gente?

Tenho conhecido pessoas que seriam autênticos animais, se não fossem muito Religiosas e se não tivessem muito medo de Deus. São elas mesmas o dizem, em momentos de desabafo . Ou de gabarolice, pois não é fácil distinguir a confissão da gabarolice.

Tenho conhecido pessoas sem religião, ou sem filiação religiosa, que se guiam por altos princípios da ética.

Conheci alguns que afirmavam terem sido espancados em crianças e sem isso (achavam eles) nem seriam gente. E mesmo assim não eram grande coisa.

Conheci alguém que  dizia ter tido uma ótima professora de moral. Sem isso, nem seria gente, pois os pais, assíduos peregrinos de Fátima, nunca lhe tinham transmitido valor nenhum, a não ser uma noção exagerada do próprio valor. 

Talvez, para sermos gente, precisemos, cada um de nós, de qualquer coisa Que nos motive. Ou que nos meta medo... 

Sei lá.

segunda-feira, setembro 01, 2014

Pelo Rio Douro








 Régua: chapéus há muitos. Feitos nos chineses, a 2 Euros e 50 cada dois. Rebuçados da Régua há muitos! Serão chineses?


 Porto Sandeman: quinta vinícola em Valença do Douro. Também tem azeite e carradas de rosmaninho.




Ui! Tão ao pé do abismo!?



Para definir em cinco palavras esta viagem pelo Douro, subindo do Porto até à Régua, diria:
Azul escuro, verde, azul claro. Ou talvez antes: verde, verde, verde, verde, verde.

Os esquimós têm muitíssimas palavras para distinguir muitos tons de branco, os durienses deveriam ter milhares de palavras para definir os muitos tons de verde. E já agora, umas dezenas para os tons de azul...

Estas fotos mostram uma viagem feita no navio Vale do Douro, da companhia Rota do Douro. Foi tudo bom, correu tudo bem. Mesmo para a Nadinha, que tem algum sentido crítico. Um nadinha dele.

Feita marinheira de água doce...