quarta-feira, setembro 13, 2017

"A beleza que não morre"? Talvez Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh












O Facebook tem partilhado umas fotos antigas de uma mulher de aparência árabe que qualuer um de nós consideraria muito feia, em poses de grande vedeta, sendo claro que, tanto a fotografada como o fotógrafo a consideram uma beldade.

Creio que já vi estas fiotos atribuídas a outra mulher e parece mais provável eu se trate de alguma meretriz.

As fotos têm sido atribuídas a uma princesa da dinastia Qajair, precursora dos direitos das mulheres muçulmanas, pintora e escritora, a primeira a usar roupas ocidentais, Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh. foi casada e divorciou-se, teve 4 filhos e foi a musa do poeta poeta Aref Qazvini, sendo ela também poetisa.

Talvez seja ela, talvez não, mas aqui fica a minha homenagem a essa princesa e o meu testemunho de como vai variando o conceito de beleza, no tempo e no espaço.


sábado, setembro 09, 2017

Fado

O nosso sentimento português de ausência, ou a nossa saudade vem da distância marítima, das grandes viagens nas imensas lonjuras oceânicas. 
Do sonho de atravessar a aventura dos mares para mais tarde desejar regressar para sempre à velha casa em ruínas. A ânsia do retorno impossível a um tempo perdido e ao espaço abandonado, na companhia de pessoas que já não existem.
Porque a vida é uma viagem em que constantemente nos despedimos de umas pessoas para, mais adiante, encontrarmos outras. Mesmo quando não há viagem, mas apenas passagem das horas. 
Mas nem todos se conformam com isso. E talvez o fado não seja conformista porque reclama contra o irreclamável. O destino. O Fatum.

(Excerto copiado de anterior texto deste blogue - autora: Nadinha)


sexta-feira, setembro 08, 2017

Salmo 137: By the Rivers of Babylon ( with lyrics)






Já todos nós, sem o saber,dançamos este salmo da Bíblia. Canção cristã Rastafariana, da Jamaica.


Letra do Salmo 137

Salmos 137
1 Junto aos rios da Babilônia nós nos sentamos e choramos com saudade de Sião.
2 Ali, nos salgueiros penduramos as nossas harpas;
3 ali os nossos captores pediam-nos canções, os nossos opressores exigiam canções alegres, dizendo: "Cantem para nós uma das canções de Sião! "
4 Como poderíamos cantar as canções do Senhor numa terra estrangeira?
Apenas se encontra aqui a parte cantada do salmo 137.



Também Camões escreveu sobre o tema, Babel e Sião
Sôbolos rios que vão

Sôbolos rios que vão
por Babilónia, me achei,
Onde sentado chorei
as lembranças de Sião
e quanto nela passei.
Ali, o rio corrente
de meus olhos foi manado,
e, tudo bem comparado,
Babilónia ao mal presente,
Sião ao tempo passado.
 

Etc.

quarta-feira, setembro 06, 2017

O mundo não precisa de mais do mesmo

O prestigiado jornal francês L'Express publicou uma notícia com o título que traduzimos:

“Portugal: o fim da política de austeridade levou a um milagre económico.”

Entre outras coisas, é afirmada esta:

"Em menos de 12 meses, o estatuto de Portugal evoluiu de "criança problema da Europa" para "solução da Europa" e isto com um governo minoritário socialista [...] etc."
Ler no original, aqui:

Portugal : La fin de la politique d’austérité a mené à un miracle économique

Francisco e os muçulmanos

Grande desilusão foi a Nobel da paz, Aung Su Kyi, por quem muitos lutamos quando estava em prisão domiciliária, e que agora promove um genocídio de muçulmanos birmaneses.

Mas Francisco não desilude, defendendo o direito dos muçulmanos birmaneses a viverem a sua fé.

VER AQUI

Pope Francis defends right of Burma’s Rohingya Muslims to ‘live their faith’

Bem vestida, ou mal amanhada e em farrapos? Ou esfarrapada pelascircunstâncias. Eis a questão.

Para as férias que fiz no norte, levei só alguns calções e apenas umas jeans, que rasguei pelo caminho, acidentalmente.
Continuei a usá-las, claro. Longe de me chamarem pobre e farrapona, como chamariam há anos, toda a gente acha que eu estou na última moda e na crista da onda.
No regresso a Lisboa, como sabem, houve um acidente com o autocarro onde seguia, só agora vejo que tenho as pernas verdes, com "negras", embora me doam um nadinha. 
Mas tive de explicar aos outros passageiros que não rasguei as calças no acidente, pois estávamos preocupados uns com os outros. Nem as comprei já rasgadas. Difícil de entender... Mesmo falando outras línguas... LOL.

sábado, setembro 02, 2017

Conversa de surdos:


- Há aqui gente que não está nada ferida e esta senhora, que é tão boa pessoa, você nem imagina como ela é boa pessoa... Porque é que uma pessoa tão boa ficou ferida e outros que não são tão bons ficaram incólumes?
- Porque não pôs o cinto de segurança.

domingo, agosto 27, 2017

Convento dos Franciscanos






Convento dos Franciscanos, em Tropea, Itália

Insetos e repelentes de insetos




Como sou uma mártir dos insetos, comprei esta importante pulseira amarela, com citronela, altamente repelente de insetos. Desde que, ontem, a coloquei, já fui picada 5 vezes. Só repeliu uma das minhas irmãs, que não suporta o cheiro a citronela e que foge a sete pés de ao pé de mim.

sábado, agosto 26, 2017

Taormina









Taormina, na Sicília, uma das mais belas cidades do mundo, senão a mais bela.
O facto de se espraiar em altura, trepando quase a pique desde o mar até ao cimo de uma grande elevação, dá à paisagem uma grandiosidade que não se encontra noutros lugares. 


sexta-feira, agosto 25, 2017

domingo, agosto 20, 2017

Madona della Lettera - Estreito de Messina

C


Nossa Senhora da Carta \ Madona della Lettera, que parece flutuar no Estreito de Messina, do lado de Messina. A carta diz: "Abençoo-vos, a vós e à vossa cidade".
"Vos et ipsam civitatem benedicimus"

Atravessando o Estreito de Messina, à noite






ATravessando o Estreito de Messina. As trevas que Deus fez, mais a luz que o homem conseguiu descobrir...
(Não paguei nem um cêntimo por esta maravilhosa viagem, como vos conto noutro sítio).

sábado, agosto 12, 2017

Mistérios de Itália





Isto só em Itália, que é diferente de qualquer outro país. Esta grutazinha foi transformada em templo, com pantazinhas muito bonitas, flores frescas nas jarras de plástico. A sem abrigo, ou assim me pareceu, que estava a lavar as jarras e a arranjaá-las, senhora muito magrinha, só com um dente, que não fala italiano, só dialeto, mesmo assim fez-se entender para me aconselhar a colocar, no mínimo, 1 euro, escondido atrás do prato no altar do padre Pio. Voltei lá mais tarde, não vi indícios de dinheiro em lado nenhum, mas lá deixei o euro, já que era o mínimo...
Veem- se muitas mulheres a pedir esmola, quase todas italianas.