terça-feira, julho 04, 2017

No paiol de Lavadoiros

- Está lá? É o senhor ministro da defesa? Como está? Eu era para lhe pedir se vinha aqui ao quartel de Lavadoiros mudar umas lâmpadas que se fundiram. Pois, eu até já pedi ao meu neto para as trocar, mas esta canalhada de agora não faz nada… Pois, pois, mas isso é na 24 de julho. 

- Olhe, e já agora, se não se importava trazia também umas duas ou três máquinas de filmar, daquelas de pôr por cima das portas, está ver? Era para pôr por cima das portas do paiol, o meu neto diz que são baratas na Internet. 

- Ai são muito caras? Então o sr. ministro, ou os seu netos, ou assim, podiam ir para a feira da ladra, aí em Lisboa, vender uns bonés de general e umas espaditas e as medalhas do Marcelo… já deve dar… Ai ninguém quer as medalhas porque toda a gente já tem duas ou três? Mas nós aqui também temos uns detonadores que se vendem muito bem… ai não se podem vender? 

- Então deixe lá sr. ministro, aqui em Lavadoiros é tudo boa gente, ninguém rouba nada a ninguém. 


- Os rapazes das rondas noturnas até se queixam de que não têm nada para fazer e vão mas é para a cama.

- Pois, eu sei, eu bem lhes tenho dito que devem ir na mesma fazer a ronda, mas eles reclamam que lá fora não apanham bem o wi-fi do telemóvel. Pois.

- Está bem, está bem, pronto, sr. ministro. Não se fala mais nisso... 

- Bom fim de semana, sr. ministro. Deixe lá, traga só as lâmpadas. E uns fios, que é para quando os fusíveis se vão abaixo.


Sem comentários: