terça-feira, fevereiro 28, 2017

Já exportamos até mesmo geringonças!


A Geringonça até já tem tradução para muitas línguas e os políticos vêm cá estudar como funciona. 
Estão  ver? Estávamos na penúria e já exportamos até mesmo geringonças. 
Quero dizer, já exportamos até mesmo sistemas políticos.

Ver aqui abaixo:

"Geringonça" elogiada na Europa e EUA




Elizabeth Kübler-Ross

J



É muito mencionada agora no Facebook esta psiquiatra suíça a quem chamaram "Doutora Morte" por ter conduzido muitas investigações científicas sobre a passagem da morte.
Interessou-se sobretudo pelas experiências de quase-morte, em que as pessoas contam estranhas vivências, maioritariamente muitíssimo agradáveis. 
Concluiu para si e tentou demonstrar que existe uma vida depois da morte, muito melhor do que esta.
Este livro existe em português de Portugal, à venda na FNAC. É uma autobiografia escrita já no fim da sua vida, mas alegre, divertida, cheia de entusiasmo.



Elizabeth Kübler-Ross: La connotada científica que confirmó que sí existe el Más Allá




segunda-feira, fevereiro 27, 2017

História pouco natalícia, às vezes, mas nem sempre






Quando ouço contar histórias de Natal, lembro-me às vezes da outra parte da história, normalmente o princípio, aquela parte que simboliza o contrário do espírito natalício. 
Estas histórias de Natal são como a poesia, ou melhor, como os poetas, oscilando sempre entre o belo e o horrível, entre o terror e a redenção.

Aqui vai mais um diálogo. Há muitos neste blogue, basta clicar na tag abaixo.

Era uma senhora que tinha estes brincos da foto. Juntou-se uma rapariga e deu a seguinte conversa, a três, com mais duas pessoas a assistir e a dizerem que sim com a cabeça, porque a dona dos brincos era mulher de personalidade.

História pouco natalícia, às vezes, mas nem sempre


- Os seus brincos são lindíssimos. Posso ver?
- Oh, são tão antigos! Se não me tivessem roubado 3 Kgs de jóias!!!
- Então e não sabe que aqui em lisboa não pode andar carregada com 3 kgs de jóias?
- Sei, claro, eu sei, mas isto foi na terra. O meu marido era do Minho e as pessoas do Minho adoram joias. E eu só as usava lá, claro. Desapareceram da carrinha, no quintal da casa... estas... as outras eram muito melhores...
- Eu estava a dizer a esta senhora que os brincos dela são muito originais, não acha? Posso tirar uma fotografia? É que são umas circunferências que mudam de posição conforme a senhora muda a posição da cabeça...
- Sim, de facto... Ah! A senhora não me está a conhecer? E a senhora também?
- Não...
- Eu sou aquela que tomou conta da sua vizinha doente, aquela a que cortaram a perna.
- Ah! O primeiro prato da comida da minha casa era sempre para ela. Com o melhor! Mas ela nunca teve que dissesse assim: comprei-lhe estas cuecas como prenda de Natal. Nada. Nunca me deu nada.
- Porque é que a senhora queria umas cuecas como prenda de Natal? 
- Não, isto sou eu a dizer. Nada, nem mesmo umas cuecas. 
- Mas então, se a sua vizinha nunca lhe deu nada, porque é que lhe dava sempre o primeiro prato de tudo?
- Eu? Então eu via que ela não tinha nada, ninguém lhe levava nada e eu não havia de lhe dar de comer? Do melhor que tivesse? Porra! Mandava-lhe sempre o primeiro prato, do melhor que tivesse. Porra! Era o que faltava!

- Era eu que tomava conta dela, nos últimos tempos. Mas a irmã...
- A irmã roubou-lhe tudo. Nem um lençol lavado lhe deixou. E deu-lhe uma coça.
- Isso da coça não sei se não teve razão! Que ela acordava-me de cinco em cinco minutos porque queria fazer xixi...
- Sim, ela não era fácil. Nada fácil. Eu telefonei ao sobrinho, mas ele não quis saber.
- A irmã mandou-me embora e ficou à cabeceira da cama dela.
- Claro. E deixou um frasco com um líquido na mesinha de cabeceira. Eu disse logo: levem esse líquido à polícia. Mas disseram. Polícia? Não, não.
- Foi ela que herdou tudo...
- E o sobrinho. Por isso é que eu queria levar o frasco à polícia.
- Mas o sobrinho nem apareceu nunca.
- Os seus brincos. Posso tirar uma fotografia?





Grande Sertão Veredas e demais leituras obrigatórias no ensino






Primeira página do romance Grande Sertão Veredas, um livro emblemático do Brasil.  

Tenho conhecido jovens portugueses que não passam da primeira página dos Maias, mas eu mesma nunca passei da terceira página deste livro. Continuo a tentar.

É claro que o livro é estudado nas escolas do Brasil. 

Sorte a nossa, pois, pelas mais recentes notícias, basta saber dois ou três palavrões para entender as nossas obras de leitura obrigatória.

Chamam a isto "liberdade de expressão". E onde fica a liberdade de ler ou não ler? Por exemplo, de não ler expressões ordinárias? De não ser obrigado pelos professores a ler expressões ordinárias? (Referimo-nos ao livro O Nosso Reino, De Valter Hugo mãe, que foi recomendado para os alunos do 8º ano e que foi considerado leitura obrigatória para esse nível.)

A minha dificuldade começa logo pela primeira palavra, que nunca ouvi ou li: Nonada. Parece que quer dizer não nada, não é nada, etc... Ser´termo erudito inventado pelo autor? Termo popular, corruptela usada pelo personagem? Talvez nem uma nem outra?


Foi-me indicado este site para ajuda na leitura, que pedi no Facebook:

http://www.pactoaudiovisual.com.br/mestres_final/guimaraes/texto1.htm

Citamos aqui :

"" Em tese, trata-se de um argumento bastante simples: homem relembra a vida e, ao recontá-la, refaz o percurso de suas andanças, tristezas e felicidades. No vídeo a crítica literária nos diz: "Resumir Grande Sertão: Veredas é muito difícil. Trata-se de um grande, longo, denso monólogo de Riobaldo, um jagunço, que ao narrar sua história, já é um ex-jagunço, no meio da história da jagunçagem (...) O problema, contudo, encontra-se no modo pelo qual se constrói a narrativa, repleta de ações paralelas e casos inusitados, sobre os quais o engenho e arte de Guimarães Rosa deram vida e significado.”"


Outra citação: 

"Professor Willi Bolle nos diz: "Grande Sertão: dois universos paralelos (...) é uma montagem em contraste. Com isso o autor se refere a dois universos de linguagem, dois mundos de fala. De um lado, o grande discurso, a grande eloqüência, a norma culta, do outro lado, as veredas, a fala humilde das pessoas que moram no sertão. As veredas são os cursos de água e, por extensão, as clareiras onde se estabelecem mais facilmente as moradias”. Ao mesmo tempo, a evocação de um conjunto de significados tão característico do ambiente do sertão impõe à obra um forte traço particular, do qual Guimarães Rosa não pretende escapar. Por isso, a fortuna crítica de Grande Sertão insiste em marcar o movimento ambivalente da narrativa, sempre oscilante entre o regional e o universal."

sábado, fevereiro 25, 2017

Indisciplina nas escolas, cinema português e os cães de fila do regime

Hoje em dia, muitos professores do ensino público consideram que o alunos do ensino básico se portam mal, porque são adolescentes com as hormonal aos saltos. 

Os pais também pensam assim, permitindo que os estudantes façam tudo o que lhes apetece.

Quer isto dizer, se bem entendi, que no nosso tempo não éramos adolescentes com as hormonas aos saltos e que existem muitas turmas, sobretudo as dos colégios, mas também algumas ou até muitas no ensino público, em que os alunos da mesma idade não são adolescentes nem têm as hormonal aos saltos.

Claro que não. Que as hormonas vão saltar para os recreios, as 24 de julhos ou para outro sítio qualquer, que não as aulas.

E isto faz-me lembrar o filme português, se não me engano, Canção de Lisboa.

O tipo gordo, vigarista e ignorante, consegue a muito custo acabar o curso de medicina, e logo decide entrar nos eixos: deixar de cantar o fado, deixar de fazer vida noturna, deixar de beber e, enfim, tornar-se um cão de fila do regime.

Pouco importa se esse médico não sabe nada e se por esse motivo vai matar ou deixar morrer a maioria dos doentes. Importante mesmo é corresponder à imagem do Senhor Doutor, agora que chegou a senhor doutor..

O que surpreende é que nada mudou, desde o início do século XX.

É o que os pais e os professores desejam para os jovens: que gastem todas as capacidades de contestação e de irritação nas aulas enquanto são adolescentes e que se tornem cães de fila do regime, como eles, mal acabem sua formação.

terça-feira, fevereiro 21, 2017

Ser português ou aguentar alguns portugueses?

Não tenho vaidade nem orgulho nem vergonha de ser portuguesa. Mas quando se fala da corrupção... 

Apetece-me fugir para um país civilizado.


Já não aguento mais pagar para tanta ladroagem!!!

Amigos do Facebook


Engraçado, o Facebook. Tenho amigos que cortaram relações comigo, no mundo real, ou eu com eles, não percebi bem, mas que continuam meus amigos aqui, no Facebook.

Ou talvez seja ao contrário: éramos só amigos do Facebook e continuamos a ser, só que não nos cumprimentamos na rua.

Outros são meus amigo fora daqui, mas cortámos relações no Facebook. 
Às vezes até nos mantemos amigos no Instagram, sem falar no velhinho e quase extinto Hi5, pois não e possível apagar ninguém no Hi5. LOL.
E cá vamos. Cantando e rindo!

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Avaliação à Sócrates Pinto de Sousa




 A Função pública está semi-morta desde que o Sócrates inventou  a avaliação feita pelos pares. Eu avalio aquela pessoa que me faz concorrência, até porque tem muito mais qualificações que eu e melhores resultados em tudo.

Mas nada disto foi posto em causa, apesar da prisão de Évora.
Se se vier aprovar que este primeiro ministro defendeu sobretudo os seus interesses, não será de rever muitas das leis que produziu?

domingo, fevereiro 19, 2017



As eleições para a Presidencia de França, pelo nome dos candidatos, parecem eleições no Egito antigo: Amon, Filon, Macron, só falta dizer Amon- Rã, etc.

Ele há cousas!!!



Curiosamente, o líquido castanho que o professor Bambo vendeu por 35 mil euros para a consulente limpar com ele algumas partes do corpo, não fez com que lhe pagassem a dívida de 500 000. O tribunal absolveu o professor Bambo.

Claro, se um médico nos receita um medicamento que não nos faz bem, não vamos logo meta-lo em tribunal, pois não?

Às vezes não resulta...



VER AQUI:


Bem-vindo ao mundo encantado do bruxedo


sexta-feira, fevereiro 17, 2017



LOL. faz-me lembrar de várias pessoas. E de vários gatos. Uma pandilha de gataria que nem chega a ter nome. Fenómeno muito atual no Portugal da Troika.



LOL. faz-me lembrar de várias pessoas. E de vários gatos. Uma pandilha de gataria que nem chega a ter nome. Fenómeno muito atual no Portugal da Troika.

Todos os portugueses que não estão reformados (aposentados) gostariam de estar

Os portugueses a partir dos 40 anos, em vez de sonharem com a realização profissional, com promoções e etc., só pensam na reforma. Em parte por José Sócrates ter subido de forma astronómica a idade da reforma.
De tanto verem pais, avós e tios só pensarem na reforma, os estudantes acham cansativo carregar livros, cadernos e até mesmo lápis e canetas. Esses ainda não sonham com a reforma: já estão a gozar uma reforma antecipada.


O Governo não deveria fazer alguma coisa para mudar a atitude dos portugueses perante o trabalho?

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Dar tudo aos filhos? Tudo?



 Quando os pais tentam dar aos filhos tudo o que podem, devem lembrar-se que, em termos materiais, o máximo será sempre um mínimo: há sempre quem tenha um enorme palácio, dois ou três aviões, etc...
Mas noutros aspetos, um mínimo é sempre um máximo: dar-lhes inteligência, alegria, capacidade de se comoverem com a beleza ou com a tristeza dos outros...
E tanto mais! 

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

Algumas pessoas têm uma maneira tão complicada de gostar, que a pior coisa que nos podem fazer é gostarem de nós.

domingo, fevereiro 12, 2017

Quando comecei a dar aulas, há bués, havia uma fórmula importantíssima. Além da nota, que era 1 2 3 4 5 , tínhamos de definir 4 parâmetros para cada aluno, com reduzido, médio, etc.
Na primeira reunião em que participei, quando me pediram os parâmetros, eu nunca tinha ouvido falar em tal coisa e gerou-se um impasse. Uma alma caridosa disse-me então, em voz baixa: quando dás 3 os parâmetros são tudo M. Quando dás 1 é tudo R. Quando dás 5 é tudo E. Se for outra nota dás 2 de cada, à sorte, por exemplo, 4 é 2 Ms e dois Es. Não percebi nada, mas fiz assim e continuei a fazer assim até um qualquer ministro acabar abruptamente com os parâmetros.
Muitas pessoas ficaram desapontadas por acabar tal coisa, pois às vezes havia discussões intermináveis sobre o assunto. Não podes dar tudo E e 4, posso posso. Não podes.
Quanto mim, limitei-me a transmitir esta fórmula os novatos, porque nunca havia qualquer diferindo, usando-a.
É assim o ensino, que não mudou nada, entretanto.


Há apenas uma regra que não muda: para ensinar, é preciso saber. Mas essa regra foi esquecida em detrimento de fórmulas como essa que mencionei.

sábado, fevereiro 11, 2017

Burros? Burros sois vós!




Burros? Burros são vocês! Ou da maneira antiga: 

Burros sois vós!



https://www.facebook.com/paradase.vallescrivia/videos/753774824785012/

Livro: Imperatriz da Lua Brilhante

Existem vários livros, um da Pearl Buck, sobre as duas imperatrizes da China. 


Esta, Imperatriz Wu, é a única que governou por si mesma, no século VI , promoveu o Budismo.
A outra (Sec. XIX-XX) acabou com os pés atados , as torturas horrendas e a escravidão.

A historia deste livro é de tal modo mirabolante, que esquecemos ser verdadeira. 

Há também uma obra em 4 volumes de José Frèches sobre esta imperatriz Wu. Intitula-se a Imperatriz da Seda.

Promoveu a seda e difundiu o Budismo, a Imperatriz Wu. Fez tudo sito pelos seus méritos próprios. E improváveis.




Burros



Burros? Burros são vocês! Ou da maneira antiga: Burros sos vós!

Assim vai este país

O que me contaram que aconteceu com um aluno muito muito muito mal comportado: telefonou a uma amiga para sair com ele À noite. Respondeu que estava em pijama e o rapaz disse: então vamos os dois em pijama no carro do meu pai. Como não sabia conduzir, nem carta nem idade para ter carta, foram os dois presos em pijama na 24 de julho, depois de a polícia ter disparado tiros para o ar.
Seguidamente, a polícia telefona à mãe da menina, dizendo-lhe que fosse buscar a rapariga, em pijama, à esquadra.
- Está enganado, senhor polícia, a minha filha está a dormir na caminha dela, há várias horas.
- Ai sim? Então vá lá ver!
(Nao conheço estes miúdos, foi algo que me contaram.)

O jogo das Quinas e Quejandos...


O meu problema com o jogo é não conseguir ver grande diferença entre perder e ganhar. Até mesmo quando se trata de jogo dinheiro.
Os meus amigos, do facebook e outros, sabem que não sou moralista. Sabem mesmo.

Há muitos anos, ensinaram-me um jogo de cartas engraçado, aparentemente eram melhores as mulheres jogar. Creio que se chamava Quinas e era espanhol. 

Os meus amigos mais antigos poderão estar lembrados, mas talvez não estejam aqui, pois a internet e o Facebook eram nessa época algo como um Futuro Impossível. Alguns já morreram.
Creio que o jogo se chamava Quinas e era espanhol. E eu ganhava sempre. Sempre. Sempre.
Nessa época, eu vivia num lar de estudantes universitários , onde havia jogos de cartas renhidos, a dinheiro. Muitos dos jogadores eram dos Açores e eram independentistas dos Açores. O lar chamava-se FLUP.


Como eu ganhava sempre, faziam-se listas de grupos para me defrontarem, mas eu ganhava sempre!
Como pouco me importa o jogo e nem gosto de jogar, no fim do jogo, eu queria distribuir os lucros, modestos, pelos jogadores, até porque se tratava de um lar para estudantes pobres. Como eu. E de retornados das nossas ex-colónias.

Chegaram a zangar-se muito comigo, os lucros ao jogo não se distribuem.

Levei o jogo para a minha pobre terra: a princípio ganhei tudo, depois comecei a perder. Desisti, claro. 
Disseram-me mais tarde que o tipo que ganhava sempre fazia batota.
Não sei, mas nessa altura eu já estava noutra onda... Perder? A graça era ganhar sempre, perder, ainda que poucas vezes, acabou por me aborrecer.
Nunca mais joguei.

Beatice? Não! Regionalismo!



" Que Deus proteja o Espírito Santo"
Ao ler esta frase no facebook, fiquei surpreendida: para além da beatice, parecia-me ilógica.
Após breve pesquisa, constato que é de uma amiga virtual brasileira, juíza na província de Espírito Santo, a Dra. Patrícia Neves. 
Creio que o mundo descobriu esta província após a greve dos polícias... 
Sim! 
Que Deus proteja o Espírito Santo e todas as regiões brasileiras :) 

E já agora, todas as regiões de todo o mundo!

Esta região acaba de nos ensinar que não há democracia sem uma boa polícia. Todos sabemos isso, claro, mas nós de esquerda, não gostamos da autoridade.

Quanto à direita, depende tanto da autoridade, que se torna refém da polícia e dos sindicatos da polícia, como é o caso vertente.



sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Papa Francisco sobre a Mulher



"A mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”.

"a mulher é a harmonia, é a poesia, é a beleza. Sem ela o mundo não seria bonito, não seria harmónico."


VER AQUI

Aretha Franklin na "inauguração" de Barack Obama








1. My country,' tis of thee,
sweet land of liberty, of thee I sing;
land where my fathers died,
land of the pilgrims' pride,
from every mountainside let freedom ring! 
2. My native country, thee,
land of the noble free, thy name I love;
I love thy rocks and rills,
thy woods and templed hills;
my heart with rapture thrills, like that above. 
3. Let music swell the breeze,
and ring from all the trees sweet freedom's song;
let mortal tongues awake;
let all that breathe partake;
let rocks their silence break, the sound prolong. 
4. Our fathers' God, to thee,
author of liberty, to thee we sing;
long may our land be bright
with freedom's holy light;
protect us by thy might, great God, our King.

quarta-feira, fevereiro 08, 2017



Este meu amigo, o Padre Constantino Alves, da minha terra, surpreende-me sempre pela positiva. Já fez em Setúbal um "Resto Du Coeur", agora inventou este dentista social, ou lá que é...
mas na nossa terra ninguém lhe liga nenhuma...


http://www.rtp.pt/play/p3028/e272370/portugal-em-direto/555967
As ideias e as frases com ideias são quase como as cerejas. Se as deixamos cair ao chão e se lhes passa logo um rebanho por cima, era uma vez uma cereja, ou uma ideia. Tive agora uma que me pareceu ótima, mas um post do Facebook varreu-se-ma. OH!

China, Grande China, pobre China



Uma minha aluna de Português Língua Não Materna (PLNM), uma de duas irmãs chinesas, inteligentíssimas, barras a Matemática, pergunta-me por que razão não houve aulas na sexta feira.

Não sabe o que é uma greve? Sabe. Mas na China não há greves e as duas irmãs mais os pais e mais os outros parentes a residir em Portugal não percebem isto.

Explico tudo direitinho, sem esquecer Ai WeiWei e Liu Xiaobo, respetivamente um grande artista plástico e um Prémio Nobel da paz chineses e atualmente presos na China.
No fim da aula, agradece.
Também agradece o rádio que lhes ofereci (um velho que tinha), já que não têm nem televisão nem tinham rádio e agora já podem ouvir música.

Fiquei com receio: quando forem à China já têm de disfarçar. Todos eles.

Quando as mando fazer redações sobre vida quotidiana, percebo que o meu rádio mudou o quotidiano da família. Não para o que eu pretendia, ouvirem falar e cantar em português, mas para o que lhes apetece: ouvir música, talvez num canal chinês.

LOL
Dou-me agora conta de que este blog não tinha a tag democracia.

Chato? Não. Até agora,a democracia nunca esteve em causa...

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Comida Michelin


É bom que venha para a cá mais um restaurante Michelin, mas com tanta comida boa e saudável, não creio que eu vá a esse restaurante. Há em Portugal comida maravilhosa e até ás vezes barata. Há ótima comida na casa das pessoas. Também há comida que no vale nada em restaurantes e pessoas que têm a infelicidade de só comer comida que não presta.


segunda-feira, fevereiro 06, 2017

Bodas de safira, Rainha de Inglaterra







Para quem gosta de reis e de rainhas: esta celebra hoje 65 anos de trono. Bodas de safira. E ainda há quem diga que mais vale ser rainha por um dia...

Eu sinto-me muito feliz por não ser rainha. Já viram quantidade de chatices e de obrigações?

E dispenso as safiras.

Nestas histórias de rainhas e de diamantes, faltam as fadas. Boas e más.


Fadismo

Fadismo. 

 Inventei esta palavra hoje, ao comentar que os portugueses se sentem na obrigação de sofrer ao recordarem os mortos. 

 Poderiam recordá-los vivos e felizes, divertidos, contentes. Ninguém quer ser recordado nos 3 piores dias da sua vida. 

 Ou seja, o fadismo faz-nos ir contra a vontade das pessoas que morreram e que gostariam de ser recordadas nos seus momentos felizes, com bom aspeto, etc.

Porque é que só tiramos fotografias quando estamos felizes com bom aspeto? Porque queremos que nos recordem deprimidos e com mau aspeto?

sábado, fevereiro 04, 2017

América em Primeiro, Bélgica, Alemanha, Portugal, etc., em Segundo. Ver aqui

Bélgica em Segundo Alemanha em segundo

http://www.dn.pt/media/interior/portugal-tambem-ja-tem-um-video-para-conquistar-trump-5645581.html#media-1


Suíça em Segundo
Dinamarca em Segundo

Lituânia em Segundo

Portugal em Segundo

Neste nosso país tudo é branqueado, tudo é um não acontecimento. Existem professores normais. Muitos. Pena que sejam marginalizados.

Será possívelque uma questão pedagógica clara e simples se esteja transformar nu debate sobre a falta de liberdade de expressão?
Pela primeira vez, as duas associações de professores de português estão de acordo: o livro com linguagem sexualmente explicita e grosseira deverá ser recomendado para os alunos do 8º ano, metade dos quais ainda nem pensa em sexo, uma pequena parte dos quais só sabe dizer palavrões quando se fala do tema e outra pequena parte dos quais começa a descobrir o amor, ou o sexo, ou seja ao que for, com toda a confusão que isto implica.
Os professores de português não se identificam mesmo nada com as duas associações de professores, nem com nenhuma.
Estas associações são constituidas por pessoas que estão sempre "em todas": direita, esquerda, direita e volver, esquerda e volver...
A tentação de não fazer nada em vez de ler os livros que recomendam parece ser absurda: mas é verdade.
Os professores que escolheram os livros estão escudados pela recomendação do ministério da educação, mas também não devem ter lido a obra antes de a terem escolhido., pois é claramente inapropriada.
Nada disto tem a ver com o autor. O autor não é pedagogo, que se saiba, nem escreve livros para crianças, que se saiba.

Neste nosso país tudo é branqueado, tudo é um não acontecimento.
Ao utilizar a expressão não acontecimento, remetemos para a obra do filósofo José Gil, 





Sim, temos medo de tudo, até mesmo o medo de ser e o medo de existir.


O Trump está maravilhosamente, magicamente, num mundo em que cada um tem medo da própria sombra.

já agora pergunto : onde está liberdade expressãodentro das escolas, onde estão aquelas pessoas que leram o livro e não consideraram adequado ?

Sim, estes professores normais existem. Muitos. Pena que sejam marginalizados.

Referimo-nos ao livro O Nosso Reino, De Valter Hugo mãe, que foi recomendado para os alunos do 8º ano e que foi considerado leitura obrigatória para esse nível.