quarta-feira, agosto 12, 2009

Amola Tesouras e Navalhas


Neste sufocante dia de Estio, oiço de repente um toque inconfundível: Fiiu, Fiririu, Fiiiiiiiiu (ou coisa assim).
- Ah! -digo eu, transportada, de repente, para outros tempos e outras paragens, tempos campestres da minha infância, tornados acessíveis, talvez pelo ócio e pela ar excessivamente quente.
- Será possível? Mas... é o "Amola Tesouras e Navalhas"!
Vou a correr atrás dele e aqui está!
- Posso tirar-lhe uma fotografia?
- Pode - diz, depois de pensar um bocado.
- Pensei que já não havia Amola Tesouras e Navalhas...
- Há! Há poucos, mas ainda há!
- E também conserta guarda-chuvas? ***
- É... conserto.


Mas quem é que, hoje em dia, quer consertar guarda-chuvas? Esta profissão é ainda do tempo em que tudo se reciclava. Consertava. Deitar fora uma coisa velha? Nunca! Considerava-se que as coisas velhas eram as melhores. (Ah, esqueci-me de perguntar os preços que pratica).
Ainda hoje muitos consideram que as coisas velhas são as melhores, pois vivemos numa sociedade que, em certos aspectos, se situa entre a fase arcaica, digamos rural, e a modernidade, como diz o filósofo José Gil.


Exemplo de coisas antigas e melhores: os automóveis antigos tinham uma chapa muito boa, duríssima, em aço ou mesmo em ferro. Único senão: em caso de acidente cortavam em dois, de forma fatal e inexorável, os acidentados, fossem eles passageiros ou infelizes e desprevenidos transeuntes, ao passo que as chapas modernas, fracas, amassam, encolhem e ficam próprias para deitar ao lixo... Enfim, não prestam.


*** Nota: guarda-chuvas, aqui em Lisboa diz-se chapéus, mas nunca me habituei. Chapéus? E então os outros chapéus?

2 comentários:

Anónimo disse...

Quando se ouvia o amolador, era sinal de que o tempo ia mudar, sinal de chuva... Será? Não me parece!

Maria

Nádia Jururu disse...

Espero que sim!