segunda-feira, agosto 03, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: viajar de Portugal para os Açores ou de como Kafka tinha carradas de razão

Venho outra vez ao computador grande para imprimir em papel (!) o registo 9886 do "seu inquérito preenchido com sucesso"! A pedido dos "Azores", que me estão sempre a escrever.
Por via das dúvidas, enviei o inquérito duas vezes e ainda fiz print screen, portanto, também tenho o processo kafkiano 9883.
E pedem papéis impressos, numa altura em que já nem há papéis. E os papéis podem ter Covide!!!
Para ir à Índia, que é muito longe daqui, só tive de levar uns papelitos dobrados numa bolsinha, para ir aos Açores, que eu pensei que fossem em Portugal, tenho de levar um processo pouco mais pequeno do que o processo do José Sócrates, que o Ivo Rosa está atentar digerir há meses.
E ainda tive de comprar um tinteiro novo para a impressora.
E preencher o inquérito online, fora os 2 inquéritos que vou levar em papel e que ainda não preenchi? Em que hotel fica? Em que freguesia fica esse hotel? Há umas 10 freguesias em Angra do Não Sei Quê e eles é que sabem em que freguesia fica... sei lá!
Tenho a sensação de me ir meter numa terriola. Atrasada.Será?
Ah, o teste Covide deu algo como "não foi detetado", mas existem mais duas hipóteses: foi detetado, foi inconclusivo. Neste último caso, fica-se de quarentena até dar conclusivo, talvez para o inverno.
Poucas vezes na vida me senti tão idiota como quando percebi que, para ajudar a economia portuguesa, em vez de ir para Itália, para onde fui nos últimos 5 anos, ou para o Algarve, para casa de uma amiga onde não gastara aum cêntimo, decidi ir para esta terra. Onde ainda não tinha ido, por várias razões não menos válidas. Quase inconfessáveis.

domingo, agosto 02, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: a ditadura do Big Brother e assim se comem os tolos


Vamos acabar por morrer todos de fome, metidos dentro de casa sem ir trabalhar, felicíssimos por morrermos de perfeita saúde.
Mas não fazemos falta nenhuma, seremos substituídos por robôs que não comem comida nem usam dinheiro. E que trabalham melhor do que nós, porque não cometem erros, nem adoecem, nem se baldam, não têm preguiça nem exigências.
Sim, continuemos assim... Distraídos e entretidos com programas inenarráveis na televisão. Hoje, fim do Big Brother, vai ficar tudo grudado no écran e não, não é ironia, embora, no livro 1884, onde foi inventado o Big Brother, ficasse toda a gente grudada ao écran a ser enganada pelo... Big Brother! Leiam o livro. de George Orwell.
E quem tiver opiniões diferentes, ou melhor, quem tiver opiniões, irá para a fogueira, como nos tempos antigos...
Dizem-me que hoje, na praia, viram passar aviões com faixas anunciando o último dia do Big Brother.

sábado, agosto 01, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: os pobres também serão proibidos de ter animais domésticos

Qualquer dia, por haver tanta exigência no tratamento dos animais de estimação, um pobre vai preso, ou é trucidado pelo povo, por ter um cão ou um gato.
Por não o alimentar melhor do que se alimenta a si, por não lhe dar proteção médica e medicamentosa, tal como na as dá a ele mesmo...
- Onde é que estão as vacinas?
- As do gato, ou as minhas? Não tenho.
- E a alimentação adequada?
- Só comemos pão sem nada e sopa do Pingo Doce fria.
- Quer matar o cão? !!!
Mas eles comem o mesmo que nós comemos, eu e o meu filho. Sopa fria porque não temos dinheiro para pagar o gás... há sempre uma senhora que nos paga um balde de sopa com batata...
- Que horror!!! Vamos fazer queixa de si por maus tratos a animais!!!!

sábado, julho 25, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: opiniões para quê?




Porém, em Inglaterra... a máscara pode ser útil, afinal!

Em Portugal, pelo contrário, não se discute nem se questiona nada: nem a obrigatoriedade do uso da máscara, nem os direitos e liberdades e garantias individuais, nem coisa alguma...

Uns cumprem as regras de form acéfala, outros baldam-se de forma não menos acéfala. Opiniões para quê???? Afinal, temos uma imensa massa acrítica... acéfala...

Banksy colocou uma série de imagens de ratos com máscara, alegadamente por ser a favor do seu uso, mas um a favor muitíssimo irónico.

Vemos pessoas a serem advertidas por anónimos porque se esqueceram da máscara, vemos uma notícia em que uma senhora, suspeita de estar infectada com Covid, recusa fazer mais testes e vai para casa, mas é imediatamente perseguida pela polícia. Nada disto gera polémica neste país à beira-mar plantado, tal como não gera polémica que os fundos comunitários tenham enriquecido e vão enriquecer meia dúzia de nababos.

O fundospara ressarcir vítimas de incêndios vão para pessoas que nunca foram vítimas de nada e que, bem ao contrário, são videirinhas. E simpáticas. E pouco críticas.

(Fotos retiradas da Internet.
1. Tim Shieff, campeão mundial de freerunner
2. A segunda retirada da Internert, também em Londres.)

quarta-feira, julho 22, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: PETS, "tutores" e etc.


Qualquer dia, por haver tanta exigência no tratamento dos animais de estimação, um pobre vai preso, ou é trucidado pelo povo, por ter um cão ou um gato.
Por não o alimentar melhor do que se alimenta a si, por não lhe dar proteção médica e medicamentosa, tal como na as dá a ele mesmo...
- Onde é que estão as vacinas?
- As do gato, ou as minhas? Não tenho.
- E a alimentação adequada?
- Só comemos pão sem nada e sopa do Pingo Doce fria.
- Quer matar o cão? !!!
Curiosamente, o pet gosta tanto deste dono, como gostaria se ele fosse dono de um palácio.
Com a diferença de que os donos dos palácios não gostam muito de cães e gatos vadios... e que teria morrido de fome se estivesse à espera de donos milionários.
Aliás, "tutores".

segunda-feira, julho 13, 2020

Diário do confinamento e do desconfinamento: quantos ratos, quantas formigas?




Quando vim viver para Lisboa, há muito tempo, porque passava por aqui a caminho do Algarve e ficava sempre deslumbrada com tanta beleza, chocou-me particularmente aquilo que nada tinha a ver com a beleza pura, estética: uma certa mesquinhez inquisitorial, ou digamos pidesca, um provincianismo que nunca me teria passado pela cabeça, ao ponto de haver cafés, como existe ainda hoje o célebre Galeto, que eram considerados lugares de engate, como se estivéssemos numa vilória, com lugares marcados para gente impura e para gente decente. Lugares de imoralidade... de ignomínia...

Chocou-me o não ver uma diferença imensa entre uma capital europeia e uma terriola do “interior”, que eu conhecia bem.

Impressionou-me também, pelo lado do ridículo, um fator curioso: era nesse tempo Presidente da Câmara de Lisboa aquele marido da mulher do já então falecido Sá Carneiro. Creio que o Presidente se chamava Abecassis, como a mulher.

Espalhados por todo o lado, havia cartazes enormes com uma mensagem que era algo deste género: A Câmara de Lisboa já conseguiu exterminar milhões de ratos. Diziam mesmo um número aproximado, vamos supor, 5 milhões, 100 milhões…

Tinha uma imagem com muitos ratos, representados como figuras antipáticas. 
Ponho-me a pensar: e se fosse hoje? Se fosse hoje pré-covid, ou seja, ontem, e se fosse hoje, ou mesmo após a pandemia, (pois haverá um pós-pandemia)?

Bem, se fosse hoje, haveria os que tinham muita pena dos ratinhos mártires, haveria o PAN, sigla que nada parece ter a a ver com PANdemia, a não ser o próprio PAN que é uma espécie de epidemia… haveria os artistas a protestar contra tal feiura de cartaz, que terá custado muito dinheiro à dita autarquia… haveria os vegetarianos a reclamar, os budistas e os hindus, enfim, não seria possível.

Como não é politicamente correto falar destas coisas, existem atualmente em Lisboa muitas pragas: de ratos, de baratas, de formigas…. milhões de milhões de bichos que, alegadamente, de acordo com essa teorias, se forem mortos, irão talvez encarnar em bichos ainda piores… para nos atazanarem ainda mais. Então, mais vale não falar muito no assunto.
Afinal, ainda nos falta o mosquito do dengue, que talvez emigre para cá em breve.

Lidemos com os ratos, as formigas, as baratas de esgoto e as baratas alemãs, como se vivêssemos num terriola do terceiro mundo (Ah, não se diz terceiro mundo), enfim, como é que se diz????

Alguém sabe?

(Imagem: rato sem máscara, Bansky, Street Art)

domingo, julho 12, 2020

Diário da quarentena e do desconfinamento: o Reino de Portugal e dos Algarves


Quando vivi em Portimão, um dia fui ao melhor restaurante de lá do sítio, com uns amigos, festejar o aniversário de uma amiga. Era grande, com muitas mesas, mas quando chegamos estava quase vazio. Que bom! 
Depois de o restaurante encher completamente, fomos os últimos a ser servidos, porque éramos os únicos portugueses. Fomos também os últimos a sair, com o restaurante quase vazio. Nunca mais lá fomos, claro, nem a comida nos soube bem naquele dia.
Agora que os ingleses não podem vir para Portugal, pode ser que, no Algarve, aprendam a cativar os portugueses, sejam eles turistas ou residentes.



Pode ser que o 
Reino de Portugal e dos Algarves se torne agora mais português.