terça-feira, fevereiro 21, 2017

Ser português ou aguentar alguns portugueses?

Não tenho vaidade nem orgulho nem vergonha de ser portuguesa. Mas quando se fala da corrupção... 

Apetece-me fugir para um país civilizado.


Já não aguento mais pagar para tanta ladroagem!!!

Amigos do Facebook


Engraçado, o Facebook. Tenho amigos que cortaram relações comigo, no mundo real, ou eu com eles, não percebi bem, mas que continuam meus amigos aqui, no Facebook.

Ou talvez seja ao contrário: éramos só amigos do Facebook e continuamos a ser, só que não nos cumprimentamos na rua.

Outros são meus amigo fora daqui, mas cortámos relações no Facebook. 
Às vezes até nos mantemos amigos no Instagram, sem falar no velhinho e quase extinto Hi5, pois não e possível apagar ninguém no Hi5. LOL.
E cá vamos. Cantando e rindo!

domingo, fevereiro 19, 2017

Ele há cousas!!!



Curiosamente, o líquido castanho que o professor Bambo vendeu por 35 mil euros para a consulente limpar com ele algumas partes do corpo, não fez com que lhe pagassem a dívida de 500 000. O tribunal absolveu o professor Bambo.

Claro, se um médico nos receita um medicamento que não nos faz bem, não vamos logo meta-lo em tribunal, pois não?

Às vezes não resulta...



VER AQUI:


Bem-vindo ao mundo encantado do bruxedo


sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Todos os portugueses que não estão reformados (aposentados) gostariam de estar

Os portugueses a partir dos 40 anos, em vez de sonharem com a realização profissional, com promoções e etc., só pensam na reforma. Em parte por José Sócrates ter subido de forma astronómica a idade da reforma.
De tanto verem pais, avós e tios só pensarem na reforma, os estudantes acham cansativo carregar livros, cadernos e até mesmo lápis e canetas. Esses ainda não sonham com a reforma: já estão a gozar uma reforma antecipada.


O Governo não deveria fazer alguma coisa para mudar a atitude dos portugueses perante o trabalho?

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Dar tudo aos filhos? Tudo?



 Quando os pais tentam dar aos filhos tudo o que podem, devem lembrar-se que, em termos materiais, o máximo será sempre um mínimo: há sempre quem tenha um enorme palácio, dois ou três aviões, etc...
Mas noutros aspetos, um mínimo é sempre um máximo: dar-lhes inteligência, alegria, capacidade de se comoverem com a beleza ou com a tristeza dos outros...
E tanto mais! 

sábado, fevereiro 11, 2017

Livro: Imperatriz da Lua Brilhante

Existem vários livros, um da Pearl Buck, sobre as duas imperatrizes da China. 

Esta, Imperatriz Wu, é a única que governou por si mesma, no século VI , promoveu o Budismo.
A outra (Sec. XIX-XX) acabou com os pés atados , as torturas horrendas e a escravidão.
A historia deste livro é de tal modo mirabolante, que esquecemos ser verdadeira. 

Há também uma obra em 4 volumes de José Frèches sobre esta imperatriz Wu. Intitula-se a Imperatriz da Seda.

Promoveu asea e Instalou o Budismo, a Imperatriz Wu. fez tudo sito pelos seus méritos próprios. E improváveis.




O jogo das Quinas e Quejandos...


O meu problema com o jogo é não conseguir ver grande diferença entre perder e ganhar. Até mesmo quando se trata de jogo dinheiro.
Os meus amigos, do facebook e outros, sabem que não sou moralista. Sabem mesmo.

Há muitos anos, ensinaram-me um jogo de cartas engraçado, aparentemente eram melhores as mulheres jogar. Creio que se chamava Quinas e era espanhol. 

Os meus amigos mais antigos poderão estar lembrados, mas talvez não estejam aqui, pois a internet e o Facebook eram nessa época algo como um Futuro Impossível. Alguns já morreram.
Creio que o jogo se chamava Quinas e era espanhol. E eu ganhava sempre. Sempre. Sempre.
Nessa época, eu vivia num lar de estudantes universitários , onde havia jogos de cartas renhidos, a dinheiro. Muitos dos jogadores eram dos Açores e eram independentistas dos Açores. O lar chamava-se FLUP.


Como eu ganhava sempre, faziam-se listas de grupos para me defrontarem, mas eu ganhava sempre!
Como pouco me importa o jogo e nem gosto de jogar, no fim do jogo, eu queria distribuir os lucros, modestos, pelos jogadores, até porque se tratava de um lar para estudantes pobres. Como eu. E de retornados das nossas ex-colónias.

Chegaram a zangar-se muito comigo, os lucros ao jogo não se distribuem.

Levei o jogo para a minha pobre terra: a princípio ganhei tudo, depois comecei a perder. Desisti, claro. 
Disseram-me mais tarde que o tipo que ganhava sempre fazia batota.
Não sei, mas nessa altura eu já estava noutra onda... Perder? A graça era ganhar sempre, perder, ainda que poucas vezes, acabou por me aborrecer.
Nunca mais joguei.

Beatice? Não! Regionalismo!



" Que Deus proteja o Espírito Santo"
Ao ler esta frase no facebook, fiquei surpreendida: para além da beatice, parecia-me ilógica.
Após breve pesquisa, constato que é de uma amiga virtual brasileira, juíza na província de Espírito Santo, a Dra. Patrícia Neves. 
Creio que o mundo descobriu está província após a greve dos polícias... 
Sim! 
Que Deus proteja o Espírito Santo e todas as regiões brasileiras :) 

E já agora, todas as regiões de todo o mundo!

Esta região acaba de nos ensinar que não há democracia sem uma boa polícia. Todos sabemos isso, claro, mas nós de esquerda, não gostamos da autoridade.

Quanto à direita, depende tanto da autoridade, que se torna refém da polícia e dos sindicatos da polícia, como é o caso vertente.



sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Papa Francisco sobre a Mulher



"A mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”.

"a mulher é a harmonia, é a poesia, é a beleza. Sem ela o mundo não seria bonito, não seria harmónico."


VER AQUI

quarta-feira, fevereiro 08, 2017

China, Grande China, pobre China



Uma minha aluna de Português Língua Não Materna (PLNM), uma de duas irmãs chinesas, inteligentíssimas, barras a Matemática, pergunta-me por que razão não houve aulas na sexta feira.

Não sabe o que é uma greve? Sabe. Mas na China não há greves e as duas irmãs mais os pais e mais os outros parentes a residir em Portugal não percebem isto.

Explico tudo direitinho, sem esquecer Ai WeiWei e Liu Xiaobo, respetivamente um grande artista plástico e um Prémio Nobel da paz chineses e atualmente presos na China.
No fim da aula, agradece.
Também agradece o rádio que lhes ofereci (um velho que tinha), já que não têm nem televisão nem tinham rádio e agora já podem ouvir música.

Fiquei com receio: quando forem à China já têm de disfarçar. Todos eles.

Quando as mando fazer redações sobre vida quotidiana, percebo que o meu rádio mudou o quotidiano da família. Não para o que eu pretendia, ouvirem falar e cantar em português, mas para o que lhes apetece: ouvir música, talvez num canal chinês.

LOL