quarta-feira, dezembro 07, 2016

Resultados PISA? Tão tortos e tão a cair ao chão como a Torre de Pisa



PISA: Portugal estava numa situação miserável no PISA quando os alunos eram muito melhores, está agora por cima, quando os professores mal conseguem dar aulas. Obrigada pelos parabéns aos professores. Não os merecemos, tal como não merecíamos as injúrias.
O ensino mudou muito, sim. Para pior.
Ainda existem alunos fantásticos, mas são cada vez mais raros.


Não devemos ser parvos e sim, lúcidos.

domingo, dezembro 04, 2016

As Horas do Douro - filme

Passa ás vezes na televisão o belíssimo e muito espiritual filme "As horas do Douro".


É um documentário poético sobre o Alto Douro, interpretando como atitude religiosa, quase monástica, a construção da paisagem e a constante invenção do vinho, o qual é sempre diferente, dependendo do tempo atmosférico e do tempo do trabalho do homem. 

As horas do douro constituem-se como uma sucessão de peregrinações a caminho da perfeição. Do homem, da paisagem e do vinho.

Um filme, creio que o único, de António Barreto.

sábado, dezembro 03, 2016

Os portugueses não dizem bom dia? Sim, dizem. Muito. E de muitas maneiras

Bom dia? Bom dia!!! BOM DIA!!!!!

Um estrangeiro, num site da BBC, elogiou, ou melhor, comentou, com alguns elogios, a vida em Portugal.
Faz uma estranha afirmação: "os portugueses não dizem bom dia".


Ao ler este comentário, ficamos surpreendidos, pois é suposto o bom dia ser obrigatório, parece ue todos dizemos e repetimos bom dia, ainda que nas cidades só a algumas pessoas, mas muito há a dizer sobre este assunto.

Tipo 1 - Existe um bom dia interrogativo, utilizado nas lojas e nas repartições públicas, que significa: "O que é que você quer?"
Como este bom dia não quer dizer bom dia, não é obrigatório, ou não deveria ser obrigatório, responder bom dia.

Sobretudo se não nos apetece estabelecer comunicação com aquela criatura, que disse um bom dia num tom interrogativo agressivo. Às vezes, trata-se de um empregado (ou empregada) que prefere não vender nada, o que lhe dá menos trabalho do que vender alguma coisa. O que se encontra sobretudo aos fins de semana, de gente que faz uns biscates, mas não só. Nesse caso:

- Bom dia?!
- Bom dia. Vende este produto? 
- Não!!!
- Oh, que pena, disseram-me que vendiam aqui essa coisa...  Mas... estou a vê-la... ali!
- Porque é que não disse logo que era aquilo o que queria?!  Eu não adivinho!!!

Tipo 2- Existe um bom dia agressivo, podendo ser às vezes também interrogativo. Este bom dia quer dizer: 

"Você tem obrigação de me dizer bom dia. Porque é que não disse? "

Como este bom dia também não quer dizer bom dia, não é obrigatório responder bom dia.

Exemplo: um dia, entro numa loja das Amoreiras ao sábado. Ao contrário da maioria, esta loja tem uma cadeira para as empregadas, num local elevado, como se fosse um trono.
Entro para ver as carteiras. A rapariga, espapaçada no trono, diz-me de longe um bom dia interrogativo, como quem quer dizer:
- Olhe lá, porque é que não vai a outra loja e não me deixa em paz? Acha que tenho obrigação de a aturar? 

Um bom dia pode querer dizer muita coisa, dependendo do tom. 
Não respondi, claro. Pois aquele bom dia não queria dizer que a rapariga me desejava bom dia. Aliás, raramente quer dizer isso, pelo menos aqui, em Lisboa. 

Como não respondi, a menina repetiu o bom dia, desta vez no tom agressivo e interrogativo de quem Pergunta: 
-Ó sua malcriada! Eu disse bom dia e você não responde? 
Não respondi.
A cachopa repetiu a pergunta várias vezes e cada vez mais alto, passando pela fase de me julgar surda, ultrapassando essa fase, ao ver-me olhar para ela, ao ponto de lhe poder ler os lábios. "Read my Lips".

Finalmente, apriximei-me da criatura e perguntei-lhe, em voz baixa:
- Porque é que você está sempre a dizer bom dia?... 

Voltei no dia seguinte, domingo, pois no fundo, não tinha visto bem as carteiras, com tanto bom dia, bom dia, bom dia.

Estava lá a mesma rapariga, que, obviamente, tinha feito queixa de mim à patroa, ou supervisora, ou lá como é que se diz e tinha sido esclarecida. Levantou-se do pedestal, pela primeira vez desde a véspera, aproximou-se de mim e perguntou, delicadamente:
- Bom dia. Posso ajudar? 
- Olá, bom dia! 
Desta vez, tudo bem. Mas este "Posso Ajudar?" -  também tem muito que se lhe diga. 
Mas isso fica para outro post. 

Americanices! 



sexta-feira, dezembro 02, 2016

Sim, a democracia é gira! Mas o respeitinho é tão bonito...

Não, eu não sou intransigente, mas presto muita atenção aos símbolos e aos indícios, que tento interpretar.
Nestes dias que passaram, alguns dias de homenagem aos reis de Espanha, não por acaso chamado ele Filipe, como os execrandos Filipes, seguidos, estes dias, do dia da restauração da independência em relação à Espanha e aos Filipes de Espanha, tudo são símbolos.
Que, ou são dramáticos no sentido teatral, ou são caricatos. 

E concordo com estas palavras de Francisco Louçã:"

"Enfunados, preparam agora uma revisão constitucional cirúrgica para impor a obrigatoriedade do aplauso de todos os parlamentares, sobretudo contra os toscos que acham que podem discordar de palavras régias, era o que faltava que a plebe se armasse em direito de opinião, no que isso poderia dar se lhes damos rédea solta."

Outr citação:
"Mas foi então que caiu a bomba da desilusão. A SIC revelou, numa peça em hora de ponta, que a rainha afinal tinha usado num destes jantares de gala o vestido que já envergara num casamento no Luxemburgo. "


ver texto integral Aqui:



quinta-feira, dezembro 01, 2016

Não gosto nada desta pessoa, não concordo com o seu discurso, portanto,vou aplaudi-la de pé

O que é que significa aplaudir de pé?
Aparentemente, nada.
Fiquei hoje a saber com grande espanto que, em Portugal, é considerado falta de educação não aplaudir de pé quando fala alguém que não respeitamos e cujas palavras não nos despertam concordância ou entusiasmo. 

Foi o caso do bloco de Esquerda, que não aplaudiu de pé o rei D. Filipe. E por isso, os seus deputados foram considerados malcriados, por faltarem ao respeito às instituições, etc.

Mas aplaudir de pé significa um sincero e espontâneo entusiasmo, não é?
Porque é que as pessoas que pensam desta maneira criticam Cuba e a Coreia do Norte, países em que os cidadãos são obrigados a aplaudir de pé quando não concordam? 



D. Filipe VI aplaudido de pé, cerimónia contra os 3 Filipes como inimigos públicos número um, com um dia de diferença

Ah, que bom! Ainda bem que hoje é feriado por ser o dia em que Portugal se livrou dos Reis de Espanha, os Filipes. 

Filipe I, Filipe II e Filipe III.
Aí nao sabiam? 

Hoje é feriado por ser o dia da Restauração da independência, contra os reis Filipes de Espanha! 
Como aquele que cá esteve ontem e que foi aplaudido de pé! Chamava-se Filipe VI.
Um partido não o aplaudiu de pé e foi muito criticado por isso.
Hoje, o primeiro ministro e o presidente da república, em soleníssima cerimónia, colocaram carradas de coroas de flores aos mártires, heróis da resistência contra Espanha, ou seja, da restauração. 
O rei D. Filipede Espanha teve de ser recambiado a grande velocidadé para não estragar o efeito.
Quem foi o grande humorista que marcou as datas das cerimónias do Estado? 
Contradição? 
Onde? Onde? 

É a esquerda, estúpido. Ser "rebelde" não é bem jogar à bola dentro das aulas. OK? Ou então: só me saem duques!



A atitude do Bloco de Esquerda em não aplaudir os reis de Espanha, nem se levantar para o fazer, gerou grande polémica em Portugal, país em que a ideia monárquica é considerada anedótica, em que ninguém sabe ao certo nem quer saber se os duques de Bragança são ou não são os legítimos herdeiros da coroa, se há outros pretendentes, etc.
O comentário mais enfático sobre este assunto que se ouvirá em Portugal, será apenas: 

- Oh, Só me saem duques!!!

Então, vejamos: os Reis de Espanha vieram à República Portuguesa em visita de Estado, tendo saído do País na véspera do dia em que Portugal comemora a restauração da independência em relação aos reis Filipes, de Espanha. 
O rei de Espanha que veio cá em vésperas do feriado da Restauração da Independência contra os Filipes, chama-se Filipe.

O Bloco de Esquerda tomou uma atitude de Esquerda. Na foto, publicada em jornal espanhol, chama-se a atenção para o facto de um dos deputados do Bloco de Esquerda ostentar uma Tshit com as cores da Republica Espanhola, o que é menos visível no pin ostentado por outro deputado. 
Este "pormenor "passou despercebido aos jornalistas portugueses, mas não aos reis, ou reizinhos, já que o partido espanhol Podemos já lhes tinha feito a mesma afirmação anti-monárquica. Também não passou despercebida aos jornais espanhóis, pois há muitos cidadãos espanhóis que são republicanos. 


Os críticos desta atitude consideram-na falta de educação e falta de respeito, parafraseando um "ditado" de Salazar, segundo o qual : "o respeitinho é muito bonito".

Sim, o respeitinho é lindíssimo, com exceção do respeito dos estudantes portugueses que, completamente impedidos de serem rebeldes politicamente, pela mentalidade dominante, se orgulham de serem "rebeldes" nas aulas, insultando os professores, fazendo bullying aos professores e aos "bons alunos", boicotando as aulas e não aprendendo nem deixando aprender, esvaziada que está de sentido político a palavra rebelde. 
Esta rebeldia nas escolas, não, ninguém pretende acabar com ela, nem o Ministério de Educação, nem o Presidente da República, nem Vivalma. Acabar com a rebeldia? Que horror!!!!

Quanto ao PC, já não é rebelde, até porque nunca o foi, já que tem aspirações ao poder ditatorial e já que a rebeldia se paga cara dentro do partido, o qual tem carradas de telhados de vidro, esperando a cumplicidade das autoridades portuguesas para, por exemplo, snifarem as cinzas do Fidel Castro e de muitos outros fiéis ao partido ("Fidelis").

Então, tu ainda não percebeste nada?

É a esquerda, Estúpido. 

sábado, novembro 26, 2016

Cuba "à vol d'oiseau"

Uma minha amiga foi a Cuba no tempo do Fidel e veio de lá encantada: a segurança era tanta, que viu prender muitas pessoas só porque se aproximavam do grupo de turistas. 

Ainda assim, conseguiu falar com um padre dentro de uma igreja. 
O padre aproveitou logo a oportunidade para lhe dar uma carta para a América, pedindo-lhe quer pusesse no correio. 

Fui eu que a pus no correio meses depois, resistindo à imensa vontade de a ler, porque ela não me deixou. 
A amiga que foi com ela ficou tão impressionada com a miséria, que deu uma mala cheia de roupa e ainda a mala. Divertiram-se imenso. Adoraram Cuba. E tudo nela.
Ainda assim, a minha homenagem à minha falecida amiga: por ter trazido a carta, apesar de isso ser contrário às suas opiniões políticas, por não a ter lido, por ter tido a intenção de a colocar no correio. 

Fidel Castro já morreu? Então... ainda estava vivo?




Revolucionário morre de velho na sua cama. 

Não basta ter muita coragem nem muita astúcia para ter sobrevivido a centenas de atentados. Mais de 630, "reza" a história. Número redondo, 630. Milagre?!

Então, fez mais milagres do que a Nossa Senhora de Fátima.
Algo mais aconteceu, seguramente, em vez de milagres, até porque os ditadores rapidamente perdem a coragem. Mas as múmias não morrem, claro.

Este fez parar no tempo o seu pequeno país e a "sua ilha". Privada.
Como diz o meu primo: "Não quis o jugo do imperialismo americano e optou pelo russo". 

Jugo por jugo, o dos cubanos era este Fidel Castro, de tal modo que os de Miami festejaram a sua morte, mas os de Cuba não podem festejar. Talvez até sejam obrigados a chorar, como os da Coreia do Sul.
Entretanto, o mundo político e bem pensante elogia Fidel Castro e põe-no nos píncaros, indiferente aos desejos do povo que oprimiu.

É caso para dizer: que pena este homem não ter morrido jovem, a lutar, um herói como o seu amigo Che Guevara.

Assim, em Cuba só existem duas classes: os pobres e os muito pobres. 

Alguns destes pobres e muito pobres fugiram, tentando atravessar o mar só com um pneu, tendo alguns sido comido por tubarões. Fugiram deste paraíso de igualdade e de liberdade para a boca dos tubarões ou para o fundo dos oceanos. Mas morreram livres.

Este blogue preza sobretudo a Liberdade.


Imagem: Pintura Liberdade Guiando os Povos, Delacroix

Fidel Castro já morreu? Mas... ainda estava vivo?




Revolucionário morre de velho na sua cama. 

Não basta muita coragem nem muita astúcia para ter sobrevivido a centenas de atentados. Mais de 630, "reza" a história. Número redondo, 630. Milagre?!
Então, fez mais milagres do que a Nossa Senhora de Fátima.
Algo mais aconteceu, seguramente, até porque os ditadores rapidamente perdem coragem.
Este fez parar no tempo o seu pequeno país e a "sua ilha". Privada.
Como diz o meu primo: "Não quis o jugo do imperialismo americano e optou pelo russo". 
Mas eu prezo sobretudo a liberdade. 
Jugo por jugo, o dos cubanos era este Fidel Castro, de tal modo que os de Miami festejaram a sua morte, mas os de Cuba não podem festejar. Talvez até sejam obrigados a chorar, como os da Coreia do Sul.
Enquanto o mundo político bem pensante elogia Fidel Castro e põe nos píncaros, indiferente aos desejos do povo que oprimiu.

É caso para dizer: que pena este homem não ter morrido jovem, a lutar, um herói como o seu amigo Che Guevara.


Este blogue preza sobretudo a Liberdade.


Imagem: Pintura Liberdade Guiando os Povos, Delacroix

segunda-feira, novembro 21, 2016

Papa Francisco: Se há santos, nunca nenhum homem mereceu tanto este título

FD

Parece que antes de Francisco, (digamos A.F.), só os bispos podiam perdoar o aborto. 

- E as mulheres pobres, que recorrem aos aborto por não poderem sustentar mais filhos, por nem poderem sustentar os que já têm, não são perdoadas?
- Claro que não.  
- Porquê?
- Desde quando é que as mulheres pobres, vivendo em aldeias perdidas no mapa, são confessadas por bispos?

Esta Igreja absurda, que é maioritariamente a Igreja Portuguesa, não é  casa nem Igreja de quem procurar justiça e a paz.


Papa Francisco amplia poder de perdoar aborto a todos os padres