sábado, agosto 27, 2016

Espiunca e os passadiços

Se formos a Espiunca uma vê por ano, nos últimos três anos encontramos três Espiuncas diferentes e irreconhecíveis.
Uma antiga em que só havia um rebanho de cabras, meuá meia dúzia de casas e uma trsquinha.
Uma que parecia um estaleiro, no ano passado, totalmente destruída no seu isolamento idílico.
Uma com um parque de estacionamento num campo  ainda com vinha, com casas compradas e restauradas por gente das cidades para férias e fins de semana, com barezinhod moderno, a deste ano. 
Tudo por causa dos passadiços do Paiva, claro.
Agora paga-se dois Euros para caminhar nos passadiços, ou um se comprado pela Internet, o ano passado era grátis.
O ano passado era possível fazer todo o percurso, este ano só a metade menos interessante, da Espiunca ao Vau e regresso a pé, pois não se pode ir ao Vau de automóvel.
Este ano também, viam-se pessoas a resmungar porque não queriam ir, ou sem resmungar mas com cara de quem fã um grande frete. 
De resto, é tudo maravilhoso.

Vemos na foto um barzinho ao pé do parque de estacionamento / campo com vinha de casta americano branco, totalmente proibida, mas com uvas muito boas para comer. E para fazer vinho americano. Fica também a poucos metros da praia fluvial.
Aqui toda a gente fala com toda a gente é é possível fazer um picnic nestas mesas, levando a comida e comprando as bebidas, como este verde branco de Castelo de Paiva, Quinta do Valtruto.








quarta-feira, agosto 24, 2016

Portugal nas Olimpíadas 2016



Nas Olimpíadas deste ano só ganhamos uma medalhita castanha, e foi com uma mulher a bater noutra.

 Conclusão: as mulheres portuguesas são as terceiras melhores do mundo a bater no mulherio.

domingo, agosto 21, 2016

O erro do Ocidente é tolerar mentalidades que não toleram a nossa.

II
Quem defende o uso do burquini na Europa também defende que as mulheres possam fazer nudismo no Irão e na Arabia Saudita, ou a sua tolerância tem dois pesos e duas medidas? 

Saberá que há feministas muçulmanas que protestam contra todos estes trajes ridículos, niqab, burka, burkini? Que as mulheres são obrigadas a usá-los, sob pena de serem agredidas na rua? Que nós temos de nos vestir como elas, se formos a esses países? 

Saberá que uma mulher de unhas pintadas pode ser impedida de rezar por "não poder lavar as mãos" e corre o risco de lhe cortarem os dedos?

"O burquini não é uma vestimenta como outra qualquer (...) faz parte de uma estratégia, que se não vier a ser desencorajada por medidas preventivas acabará por alcançar o seu objectivo final: interditar o espaço público às mulheres! " - afirma uma jurista muçulmana. Di também que já poucas mulheres em Marrocos se atrevem a ir a praia de fato de banho, com medo de ser agredida por fanáticos que são obcecados pelo sexo. 

Ver Aqui: http://www.huffingtonpost.fr/fatiha-daoudi/non-monsieur-plenel-le-burkini-nest-pas-un-vetement-comme-les-autres_b_11603446.html

O erro do Ocidente é tolerar mentalidades que não toleram a nossa.

Ver também aqui : http://www.elmundo.es/sociedad/2016/08/26/57bf31f222601dab718b45bc.html

terça-feira, agosto 16, 2016

Portugal mudou para melhor, neste século

Quando vim viver para esta casa, já no século XXI, houve uma noite em que um grupo de arruaceiros virou ao contrário todos os caixotes do lixo da rua e partiu os vidros da nossa porta de entrada. Telefonei para a polícia, contra o conselho duma vizinha velhinha, de que não valia a pena. Eu acho sempre que vale a pena. Quanto mais não seja, para observar. E para poder criticar outra vez, já com mais informação.
Quando acabo de explicar o caso, o senhor polícia pergunta:
- É quem me garante que não foi você que partiu os vidros? 
- Eu?! Então se eu tivesse partido os vidros ia telefonar para a polícia? 
- Claro, telefonava para acusar outra pessoa.
- Mas eu não estou a acusar ninguém, nem vi quem foi...
- Está a ver? Mais me ajuda.
- Então o senhor não vai ao menos tomar nota da queixa?
- Não tomo nota, porque nos telefonam para aqui muitas senhoras a dizer coisas dessas, por isso nós achamos que são elas que partem as coisas e depois...
- Ah, o problema é serem as senhoras a protestar? 

Pela mesma altura, fui abordada na rua por um policia enorme, que disse ter sido meu aluno e estar muito contente por guardar a minha casa. Mas gostava mais de trabalhar numa outra esquadra onde esteve e onde prendiam muitos pretos. Gostava muito de pretos, até aprendeu crioulo, eles falavam entre si em crioulo pensando que ninguém os entendia, enfim, ele gostava imenso de bater nos pretos. Perguntei aos meus botões que educação teria eu dado àquela criatura. Essa não foi.

Fui recentemente à polícia, pedir que me vigiem a casa enquanto estou por fora, como tenho feito nos últimos anos. Fui atendida por uma raparigona simpaticíssima, delicada. Estava a atender amorosamente uma velhinha que chorava e gritava: - "Roubaram-me tudo!". Passou-a a outro polícia mais velho, mas também simpático e só então me atendeu.
Mostrou-me os papeis, pois não conseguia encontrar o impresso, ajudei-a procurar, nem me pediu o documento de identificação.

 Portugal mudou assim tanto para melhor neste princípio de século? Será que temos a noção disso?

sexta-feira, agosto 12, 2016

Presidente e Geingonça quase como devem ser um Presidente e umaGeringonça


Pela primeira vez temos um presidente quase como deve ser e um governo de esquerda quase de esquerda e quase como deve ser. 
É por isso que as críticas que lhes fazem dão vontade de rir.
Por exemplo: ter chamado mais cedo a ajuda internacional. Por exemplo, antes de o rapaz da Madeira ter decidido acabar com a Madeira.
Por exemplo: este governo tem mais funcionários. Em termos de quantidade a diferença não é muita, mas em termos de percentagem é enorme.
Por exemplo: o Presidente não deveria ter ido a França no avião da força aérea, que nesse caso iria fazer voos de treino, sem qualquer outra utilidade pratica. 
Por exemplo: o Presidente por um lado é uma ministra por outro, nunca deveriam ter ido a festas porque representam os portugueses e não há dia nenhum em que não morram portugueses. Todos os dias são dias de luto e não de festa.

Etc.

Toda esta conversa significa que está gente está desesperada. E que se guia por uma moralidade católica hipocrita, pré Francisco. Para essa, já demos.

Exploração dos incêndios pela comunicação social versus turismo


Esta maneira portuguesinha de fazer um choradinho sempre que ha um problema, exagerando-o para lá do razoável, colide, neste momento, com interesses económicos do país.
Nunca mais teremos turistas, se os telejornais não falarem de outra coisa senão nos incêndios. Grande ajuda!
Nunca tivemos e se calhar nunca voltaremos a ter tantos turistas, já que têm vindo para cá a fugir de lugares considerados inseguros, mas isso acaba depressa se as televisões continuarem a dizer que o país está em chamas, para gáudio dos masoquistas e demais "fadistas", que adoram ver os telejornais unitemáticos.

Não existem notícias no resto do mundo?

Moralidades

Ao Marcelo e a Geringonça são exigidas varias coisas novas: ministros, secretários de estado, presidentes, não devem ir a festas porque representam Portugal e todos os dias há alguns portugueses que morrem. Não devem deslocar-se a lado nenhum, a não ser que vão a pé, porque viajar é uma coisa muito divertida e que custas dinheiro aos portugueses, até porque muitos portugueses não viajam.

 Isto é a moralidade da direita católica, ou seja, PF - pré-Francisco.

quinta-feira, agosto 04, 2016

Fontana della Barcaccia - Roma




Esta Fontana della Barcaccia, obra menos conhecida mas não menos bela de Bellini e que tanta alegria e refrigério dá aos passantes, foi recentemente destruída por uns ingleses engraçadinhos, que a fizeram em bocados pequenos. Reconstruída como se pôde, parece ter ficado mais baixa.

sábado, julho 30, 2016

Ter pena dos bombistas suicidas



Estes terroristas suicidas e parvos fazem-me pena. Numa notícia lida hoje, foram presos dois.
 São logo dois irmãos que acabariam por ser mortos.
 Em nome de quê?
 Não sabemos, nem eles sabem, mas boa coisa não será. E religião também não.

E se espalhássemos aos quatro ventos que temos pena deles?