sábado, novembro 30, 2013

Novo Mercado de Campo de Ourique: vista-se bem e vá ao cabeleireiro, se quer comprar umas couves.





Onde antes só havia legumes, frutas e peixes mortos, abriu esta semana um novo conceito.

No meio das tendas há barezinhos gourmet, com nomes que são neologismos: champanharia, empadaria, petiscaria, etc. Outros têm toda a comida japonesa, desde sushi já feito, até carne crua daqueles bois que já são alimentados a vinho e alho para ficarem logo em vinha de alhos, ou lá como é que fazem... (Kobe). Talvez estas lojas se chamem shusharias... você pode ir comprar o peixe cru às atónitas peixeiras e levá-lo à shusharia para cozinhar. Não sei se se diz cozinhar, já que se come cru.

Enfim, vêem-se senhoras de casacos de peles a tomar uma sopinha de marisco como aperitivo e as caixas multibanco estão completamente vazias de dinheiro.
Quanto ao resto, sendo hoje o primeiro sábado do resto da vida deste mercado, a carne é tão fresca que parece de plástico, os legumes e a fruta rebrilham como se fossem de loiça do Bordalo Pinheiro e os peixes parecem os dos desenhos animados.

Portanto, já sabe: se, no sábado, quiser ir comprar uns carapaus e umas couves à praça, levante-se bem cedo, vista a sua melhor roupa, vá ao cabeleireiro e acabe a manhã a comer duas ostras cruas e vivas a 2 Euros cada uma, com uma taça de champagne verdadeiro ou falso (5 ou 3,5 Euros cada uma).

Está aberto todo o dia (exceto a parte das couves e do peixe), até às 11 da noite durante a semana, até à 1 da madrugada a partir de quinta feira. Quer saber mais? Vá lá ver.

Notícia AQUI


quinta-feira, novembro 28, 2013

A seda azul dos dias / A seda azul das noites



A noite vai descendo lentamente, muito lentamente
Sobre esta parte da terra antes do mar,
No centro do Ocidente do mundo (conhecido)

A dádiva do repouso acaricia finalmente
As nossas cabeças inclinadas, entregues à febre do tempo

Muitos nunca vão esquecer este dia que agora acaba em sombras,
Quase todos o olvidarão para sempre

A luz desaparece lentamente, muito lentamente...
Ouvem-se as vozes, diálogos familiares, falas tranquilas do dia que assim se extingue na cidade

Ouvem-se os sons da água que corre, invisíveis cascatas, ou fontes dos jardins escondidos e dos quintais ocultos
Ouve-se o som surdo das rodas dos automóveis, cada vez mais espaçado, mais lento, na cidade que repousa

Muitos dormem


E outros partem para a aventura da noite
Podemos descansar se quisermos, podemos partir se quisermos nesta cidade noctívaga

A lua cheia e a estrela do pastor aparecem agora, tranquilamente
Lembrando-nos a placidez dos campos, das terras longe, noutras paragens

Dizem-nos que nada mudou. E que tudo muda sempre?
Que nada mudou, dizem:
- Voltamos sempre aqui, mais ou menos a esta hora. Aqui e a toda a parte...
Dizem-nos que a luz há-de vir todos os dias e todas as noites
"Para ti" - quase parecem sussurrar




- SÃO MAIS OS MORTOS DO QUE OS VIVOS - ciciamos baixinho, como se ninguém nos escutasse,

Nas trevas que se adensam, medonhas, e para cá dos montes, já quase invisíveis


- São mais os vivos - parece tranquilizar-nos a luz obscura, a escuridão tenebrosa, a claridade ambígua do luar
- Porque todos foram vivos, um dia.
E todos tiveram medo da escuridão,
Como tu

Muitos dormem!


Graciete Nobre, Julho, 2010

quarta-feira, novembro 27, 2013

Entrevista com Marguerite Yourcenar: "Não, eu não acredito nas pátrias exclusivas"




Encontramos aqui uma magnífica entrevista com Marguerite Yourcenar, um dos meus escritores favoritos.
Não é permitido incorporar o vídeo, razão pela qual aqui fica apenas o link e a foto da mesma época. Não tem tradução para português, mas tem para espanhol.

Marguerite Yourcenar - Apostrophes


Excerto da entrevista, que traduzo:

- Voltemos à sua paixão pela Grécia: a senhora [você] é meia francesa, meia belga, agora americana, e no entanto, eu diria que a sua verdadeira pátria é a Grécia.
- Bem, não me parece. Eu creio que tenho dúzias de pátrias.
- Dúzias?!
- Sim, claro.
- Quais? Gostaria de as conhecer...
- Os países de que gosto mais? Na Europa? [Divaga, com ar sonhador]
- Tenho uma paixão pela Áustria, uma paixão pela Suécia, uma paixão por Portugal, uma paixão por Inglaterra. A literatura inglesa alimentou-me tanto, que é, certamente, uma das minhas pátrias.
-Sim?
-Sim.
E gosto muito da Ásia. Estudei tanto as literaturas asiáticas, que sinto ter uma pátria asiática, tanto como uma pátria europeia.
- Sim?
- Não, não, eu não acredito nas pátrias exclusivas. Tal como não acredito nas mães insubstituíveis.

segunda-feira, novembro 25, 2013

Homenagem a Ramalho Eanes









Apesar do mau gosto de realizar a homenagem a Ramalho Eanes no dia 25 de novembro, dia em que a esquerda se sentiu derrotada e que o PREC terminou, destaca-se nesta homenagem a valorização de um português e político que ninguém poderá suspeitar de ser corrupto, a lembrar que é possível ser político por noção do dever e por amor à Pátria. 

Exatamente o contrário do que suspeitamos de Sócrates, Passos Coelho e Cavaco Silva. Por isso, fui lá.

O homenageado apareceu nos últimos minutos, exatamente os últimos 10 ou 15 minutos e falou por poucos momentos, num discurso nada político.

O General, que nunca sorria, chorou visivelmente, limpando os olhos com um lenço branco de pano (talvez de pano:)) quando agradeceu à mulher, aos filhos, às noras e aos netos o que lhe "ensinaram" em termos de proteção do... seria estado social? Confesso que não registei as palavras exatas, mas os jornais hão-de dizê-lo. Bonita homenagem às mulheres, da parte de um militar.

O evento terminou com o Hino Nacional cantado num tom "piano", "moderato cantabile". 
Pela primeira vez entendi as palavras "Contra os canhões marchar marchar!" - o que sempre me pareceu um hino bélico e despropositado, assim cantado suavemente, docemente, fez-me entender que: mesmo se a nossa luta não é aceite por uma maioria conformista que nos esmaga, mesmo se somos ameaçados pela Troika, pelo FMI, ou seja por quem for que nos esmaga, podemos ainda, metaforicamente, marchar contra eles. Marchar contra eles.

Derrotados agora, venceremos mais tarde. Ou nem venceremos. 
Ou seremos derrotados a lutar. Pela Pátria.

Por absurdo que pareça, podemos até mesmo morrer a lutar pela Pátria. Como muitos outros, ao longo da história. Ou podemos enriquecer a sugar a Pátria, como muitos outros, ao longo da história. Mas essa parte era a que nós já sabíamos...

Obrigada, Comandante: General Ramalho Eanes.


sábado, novembro 23, 2013

Prova de Avaliação para Professores


Nem sequer é possível compreender a razão que leva o Ministério a obrigar os professores a submeterem-se a uma prova com perguntas como estas e outras ainda mais fáceis. Coloquei estas, apenas por serem as mais fáceis de copiar e colar.

É ridículo. São professores que dão aulas, às vezes, há 20 anos, muitos com Mestrados e Doutoramentos, alguns dos quais foram convocados para corrigir estas mesmas provas. Estarão os do GAVE, agora remodelado e renomeado para IAVE, completamente senis?
Pensávamos que o Iave não poderia ser pior do que o Gave, mas somos sempre surpreendidos. Afinal, há sempre pior.

Alguns professores de Português, corretores do 12º ano foram "convidados" a corrigir a parte do português desta prova. Durante as férias do Natal, deveriam corrigir 100 textos, recebendo 3 Euros por cada um. Deve ser necessário preencher uma papelada por cada texto... quase todos recusaram. Como alguns contratados são corretores, receberam também o convite para corrigirem a  prova à qual se submetem.


Prova de avaliação de professores Resposta certa: B


Um indivíduo pretende comprar uma máquina fotográfica. Fez uma prospeção de mercado e encontrou a máquina que procurava em duas lojas, com preços diferentes.Loja X: O preço da máquina é 120 €, acrescido de uma taxa de 10%.Loja Y: O preço da máquina é 180 €, mas sobre esse valor aplica-se uma promoção de 30%.A escolha da loja será feita em função do preço mais baixo.9. O indivíduo irá comprar o artigo(A) na loja X, porque irá pagar menos 6 € do que na loja Y.(B) na loja Y, porque irá pagar menos 6 € do que na loja X.(C) na loja X, porque irá pagar menos 40% do que na loja Y.(D) na loja Y, porque irá pagar menos 20% do que na loja X.

Ou Esta: Resposta certa: A


A sequência abaixo é constituída por letras do alfabeto português. A A B A C C D C E E ... 


10. Mantendo o mesmo padrão de formação da sequência, qual das opções contém as quatro letras que permitem continuá-la? (A) F E G G (B) F E H H (C) F F G F (D) F F G H

sexta-feira, novembro 22, 2013

Estamos próximos da ditadura? Ou já estamos na ditadura? E os queridinhos dos polícias?







Há uns meses, os polícias usaram o seu caraterístico excesso de zelo para espancar gente sossegada, que se manifestava pacificamente, expulsando-a das escadaria da Assembleia da República. Havia alguns poucos arruaceiros a atirar pedras a centenas de polícias de choque, mas as pessoas que se manifestavam pacificamente não se sentiram na obrigação de proteger os tadinhos dos polícias de choque...


Depois de os media terem demonstrado à exaustão que os polícias estavam a ser mártires dos cidadãos portugueses, os tadinhos dos polícias de choque decidiram atacar as pessoas que ali se manifestavam pacificamente, espancando velhinhas e paralíticos e prendendo mesmo pessoas que iam a passar na rua, bem longe dali. Fotos partilhadas no Facebook demonstraram, porém, que havia pelo menos três polícias entre os que atiravam pedras aos polícias. Como se pode ver

http://terraimunda.blogspot.pt/search?q=descanonizada

Foi uma tática para tentar acabar com as manifs naquele lugar, muito apadrinhada pelos mass media. Como disse ontem Mário Soares, estamos muito próximos da ditadura.

Agora são os polícias que invadem a escadaria...

Polícias invadem escadaria do Parlamento

Tumultos na manifestação das forças de segurança provoca pelo menos um ferido e obriga ao reforço do Corpo de Intervenção

Estes queridinhos querem para si a reforma aos 55 anos. Nem discordam que outros trabalhem até cair para o lado. Porque os polícias trabalharam muitos anos, desde os 18 até aos 55. Enquanto outros andaram a estudar imenso até aos vinte e muitos. Sem ganhar um cêntimo.


quinta-feira, novembro 21, 2013

Ramalho Eanes homenageado porque é honesto. Elogio, ou insulto?



Disseram-me uma vez, quando afirmei que não tinha metido um atestado médico nos últimos 25 anos, pensando que isso seria uma garantia da minha idoneidade, já que parece um caso estranhíssimo, num país em que toda a gente mete vários atestados todos os anos, por motivo de gripe (confundindo gripe, uma doença, com constipação, uma coisa de nada):

- Ninguém pode ser valorizado por ser cumpridor!

Realmente, deveria ser assim, diz a amiga da Nadinha que é funcionária pública, mas num país em que poucos são cumpridores... 

É o caso de Ramalho Eanes: vai se homenageado por ter sido um político muito honesto, uma verdadeira excecão no nosso universo político. E portanto, não merece a homenagem. E, portanto, não vai comparecer, claro. Até por ser este um dos poucos elogios que lhe fazem. 

Eu não gostaria que me elogiassem por ser honesta, como sendo a minha principal qualidade, Acho mesmo que seria um insulto! Ser honesto não é nada de especial. 

VER AQUI:




De facto, Ramalho Eanes vai ser homenageado pela sua honestidade e, como seria de esperar, não vai estar presente na homenagem, tendo exigido que não se fizesse um jantar caríssimo para alguns e sim uma sessão sem comida nem custos e aberta a todos.


Existem elogios que parecem insultos: admiro-te muito por não seres um vigarista. És tão esquisito! 

Ana Leal suspensa e impedida de entrar na TVI




Os professores suspeitam de ser a causa uma reportagem arrasadora sobre o ensino privado. 
Dizem outros que o problema será uma reportagem sobre redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Ou, mais provavelmente, sobre estas e outras reportagens.


Não sei, mas tenho fortes suspeitas de que alguns dos "melhores" colégios ensinam os alunos a fazer os exames. Por exemplo, os vigilantes apontam com o dedo a resposta certa da escolha múltipla. talvez por isso, em cursos como medicina, há estudantes que têm boas notas e muitos que não passam do 1º ano. é aí que se vê a diferença.

E ainda querem avaliar os professores pelo resultados dos alunos. Isso seria legítimo num país em que a corrupção não fosse a regra e em que Ramalho Eanes não fosse a excecão.

Vamos esperar que a censura torne virais as reportagens de Ana Leal, incluindo a dos colégios, que pouca gente viu.

Que país este, senhores. Que está a saque!
 

terça-feira, novembro 19, 2013

Deve um inspetor da polícia "defender a ordem numa sociedade corrupta?




Sinto-me esquisita, entre arrepiada e ignorante, quando ouço chamar elite aos nossos políticos. Arrepiada, como se ouvisse dizer que o Hitler era uma criatura boa, um santo. Não é uma questão física, é algo que chega ao corpo, por absoluta incapacidade de continuar no espírito.

Elite? Os Passos Coelho, os Josés Pintos Sócrates? Não creio que seja este o conceito de elite, no dicionário das línguas de raiz europeia.

Elite: Alexandre Quintanilha, Richard Zimler, muitos outros, mencionados neste vídeo e muitos outros que todos conhecemos.

Esta é uma entrevista de Richard Zimler sobre o "nosso" país: o mundo. Deve um inspetor da polícia "defender a ordem numa sociedade corrupta? 

"Eu acho que não vamos conseguir dar a volta  situação com esta passividade" - afirma o entrevistado.

Já li o livro. Adorei.
Livro: A Sentinela. Autor: Richard Zimler


domingo, novembro 17, 2013

Novo disco da Mísia: Delicatessen Café Concert







Desenho de Júlio Vanzeller


A Mísia tem um novo disco, Delicatessen Café Concert. A meu ver, é este o melhor de todos. Tem canções em 3 línguas, português, espanhol e francês, só um fado. Nesse aspeto sou suspeita, porque não gosto de fados. A não ser que sejam cantados pela Mísia.

Em algumas canções, a Mísia interage com outros cantores e mesmo com um grupo, Melach Mechaya. Os cantores são, por exemplo, Adriana Calcanhoto, Rámon Vargas e mesmo o espantoso Iggy Pop.

Está disponível no Spotify, gratuitamente, mas o disco vale a pena ser comprado, por ser um belo objeto, com ilustrações de Júlio Vanzeller. E porque os cantores não vivem do ar e do vento. O Spotify paga, mas pouco.

O vídeo de apresentação tem a canção Chá Chá Chá em Lisboa (aqui neste post), com os Melech Mechaia, mas é, a meu ver, uma das menos belas. 
Chamo a atenção para as músicas:  "Estacion de Rossio", "Esas lágrimas son pocas", "Água que no hás de beber", "Les mots d'amour", "Oblivion", "La chanson d'Hélène" (com Iggy Pop) e "Nana de Cebolla". Ou seja, quase todas.

Esta última, "Nana de Cebolla", a princípio pareceu-me muito esquisita, por ser dramática e falar de cebolas. Uma rápida pesquisa ne net levou-me a descobrir que se trata de poema de Miguel Hernández, escrito na cadeia, onde estava como prisioneiro político, depois de ter lido uma carta em que a mulher se lamentava de só ter como alimento, para ela e para o filho bebé, pão e cebolas. O poema e a música são muito bonitos, a Mísia canta-a com muita ternura e dramatismo, sabendo conciliar isso mesmo: ternura e dramatismo...


(Creio que o primeiro vídeo, com uma das mais belas canções, "La Chanson d'Hélène", com Iggy Pop, não é oficial, mas encontrei-o no Youtube. Por favor, não digam à Mísia que o partilhei aqui.) :) Embora lhe faça mais publicidade do que qualquer outra.

"Nana de Cebolla" - letra da canção homónima
 poema de Miguel Hernández



La cebolla es escarcha
cerrada y pobre:
escarcha de tus días
y de mis noches.
Hambre y cebolla:
hielo negro y escarcha
grande y redonda.

En la cuna del hambre
mi niño estaba.
Con sangre de cebolla
se amamantaba.
Pero tu sangre,
escarchada de azúcar,
cebolla y hambre.

Una mujer morena,
resuelta en luna,
se derrama hilo a hilo
sobre la cuna.
Ríete, niño,
que te tragas la luna
cuando es preciso.

Alondra de mi casa,
ríete mucho.
Es tu risa en los ojos
la luz del mundo.
Ríete tanto
que en el alma al oírte,
bata el espacio.

Tu risa me hace libre,
me pone alas.
Soledades me quita,
cárcel me arranca.
Boca que vuela,
corazón que en tus labios
relampaguea.

Es tu risa la espada
más victoriosa.
Vencedor de las flores
y las alondras.
Rival del sol.
Porvenir de mis huesos
y de mi amor.

La carne aleteante,
súbito el párpado,
el vivir como nunca
coloreado.
¡Cuánto jilguero
se remonta, aletea,
desde tu cuerpo!

Desperté de ser niño.
Nunca despiertes.
Triste llevo la boca.
Ríete siempre.
Siempre en la cuna,
defendiendo la risa
pluma por pluma.

Ser de vuelo tan alto,
tan extendido,
que tu carne parece
cielo cernido.
¡Si yo pudiera
remontarme al origen
de tu carrera!

Al octavo mes ríes
con cinco azahares.
Con cinco diminutas
ferocidades.
Con cinco dientes
como cinco jazmines
adolescentes.

Frontera de los besos
serán mañana,
cuando en la dentadura
sientas un arma.
Sientas un fuego
correr dientes abajo
buscando el centro.

Vuela niño en la doble
luna del pecho.
Él, triste de cebolla.
Tú, satisfecho.
No te derrumbes.
No sepas lo que pasa
ni lo que ocurre.



quarta-feira, novembro 13, 2013

BOAS NOTÍCIAS

Português é a língua da moda e do emprego na China



"Português já é a segunda nota mais alta de entrada em algumas universidades chinesas. Dentro de cinco anos, depois dos países Lusófonos, será a China quem mais fala português."


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/portugues-e-a-lingua-da-moda-e-do-emprego-na-china=f838497#ixzz2kY0HkBhJ


(KALAFONA: ESPERO QUE NÃO ESTEJA DOENTE. VOCÊ DESCOBRE NESTE BLOGUE O SPSOTS DEQ UE ME TINHA ESQUECIDO, COMO O DA LUA CHEIA... VOU APROVEITAR AQUELAS FOTOS.)


Desemprego e Idade da Reforma


Este cartoon mostra bem a  situação atual e, pior ainda a situação para que caminhamos: homens de 27 anos sem fazerem nada na vida, ou mesmo sem nunca terem feito nada, observando homens de 67, 68 e 69 anos, que estão a trabalhar no duro.

Notícias recentes informam que temos quase meio milhão de jovens que não estudam nem trabalham. E a idade da reforma não pára de aumentar.


domingo, novembro 10, 2013

Arco do Carvalhão








Este é o Arco do Carvalhão. Chama-se assim, porque as terras em volta pertenceram ao Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo *, por alcunha do povo, "O Carvalhão". Ao lado, um espaço verde, sem acessos.

Vê-se uma parte do Aqueduto das Águas Livres, grande obra de engenharia e arquitetura, construída no reinado anterior (de D. João V), e duas fontes que tiram a água diretamente do aqueduto. A maior talvez seja mesmo um chafariz de cavalos.

Estas fontes não mereceriam uma reparaçãozinha e uma placazinha a situá-las no tempo e na função?

(* Obrigada ao Amílcar, eu tinha chamado Silva ao Marquês de Pombal. Por engano e porque os Silvas é que são importantes agora.)


quinta-feira, novembro 07, 2013

Rubens, Brueghel, Lorrain no Museu Nacional De Arte Antiga




Uma exposição com 57 obras do Museu do Prado vai estar patente ao público, no Museu Nacional de Arte Antiga, a partir de 3 de dezembro.
Intitulada Rubens, Brueghel, Lorrain – A Paisagem Nórdica do Museu do Prado, com os grandes mestres da paisagem do século XVII, conta com nove núcleos temáticos:
"A Montanha: encruzilhada de caminhos", 
"O Bosque como Cenário: a vida no bosque, o bosque bíblico e a floresta encantada, encontro de viajantes", 
"Rubens e a Paisagem",
 "A Vida no Campo", 
"No Jardim do Palácio", 
"Paisagem de Gelo e de Neve", 
"Paisagem de Água: marinhas, praias, portos e rios", 
"Paisagens Exóticas, Terras Longínquas"  
"Em Itália Pintam a Luz".

Museu Nacional de Arte Antiga está cada vez mais interessante, muito acolhedor, com uma equipa muito simpática e apresentando obras muito belas.

VER MAIS AQUI


Imagem 1 - JAN BRUEGHEL, O VELHO
Boda Campestre
c. 1621-1623


Imagem 2 - PETER PAUL RUBENS e
JAN BRUEGHEL, O VELHO
Visão de Santo Huberto
c. 1617-1620


terça-feira, novembro 05, 2013

O último dia, 5º dia de Tihar - o Dia dos Irmãos (Machos)




É hoje o último dia do Festival Tihar ou Djiivali, o Festival das Luzes, que refiro no sposts anteriores.
Hoje é o dia dos irmãos. Irmãos machos, irmãos no masculino.

Nos dias anteriores veneraram-se, respetivamente, o corvo, o cão, a vaca e o boi. 

Este dia é o 'Bhai Tikka', em que as irmãs colocam o sinal vermelho (Tikka) na testa dos irmãos. O sinal que foi colocado nos cães, nas vacas e nos bois. 

No Nepal, o astrólogo real indica a ocasião apropriada para colocar a tikka, através da rádio nacional, um dia antes.  Toda a nação cumpre este horário. Até mesmo Sua Majestade, o Rei, recebe tika das suas irmãs. Quando Sua Majestade recebe tika é disparada uma salva de 31 tiros para honrar a função. Neste momento, toda a nação pratica o "bhai tika". O principal deste ritual consiste na ideia de as irmãs dirigirem orações a Yama Raj, Deus do submundo, pela longa vida do irmão.

O mais exótico e deslumbrante festival chega ao fim, após estes cinco dias magníficos de adoração e homenagem à deusa Laxmi e ao Reino do submundo.


segunda-feira, novembro 04, 2013

ANO NOVO HOJE: Dia dos bois ou dia de Mim - Na Índia e no Nepal










O quarto dia do festival das Luzes, ou Diivali, é diferente dos anteriores, já que cada um venera e pratica o que entender, de entre três hipóteses, segundo a sua crença pessoal.

O normal será fazer com os bois o que foi feito com os outros animais: logo pela madrugada são alimentados com comida deliciosa (deliciosa para os humanos, julgo eu), alimentados antes mesmo da própria família, pintados na cabeça com uma Tika e enfeitados com grinaldas. Este ritual chama-se Puja.

Outra hipótese: podemos venerar-nos a nós mesmos, fazendo tudo isto (PUJA), em nós (se pertencermos à comunidade Newar).

Terceira hipótese: fazer um monte de esterco de vaca, colocar erva por cima, imitando a colina criada pelo Senhor Krishna para salvar milhões de humanos e de vacas da inundação. Nesse caso, realiza-se o PUJA nessa formação. (O excremento de vaca é muito importante nestes locais, usado como combustível, iluminação ou para polir o piso de lama). - 1ª e 2ª FOTOS


É neste dia que começa o NOVO ANO!!!! No Nepal, para os Newars.

Este dia chama-se, como na imagem, Govardham Puja. Feliz Govardham Puja!

Todos estes rituais  podem ser realizados sobre imagens, por exemplo, fotos de cães, de vacas, de bois, etc...


domingo, novembro 03, 2013

O Dia das Vacas - Na índia e no Nepal - é Hoje






(Caminho para a caixa do dinheiro) (Foto da net)



(Fotos da net)

O dia mais importante do Festival Tihar ou Festival das Luzes, no Nepal, é o dia das vacas, o animal mais sagrado. O dia chama-se 'Laxmi puja'.

Logo pela manhã elas são alimentadas com comida deliciosa, antes de toda a família. É-lhes desenhado uma Tika na testa (um sinal vermelho) e são enfeitadas com grinaldas. E é venerada.

É o dia da deusa da riqueza. Com antecedência a  casa é limpa, porque a deusa da riqueza gosta de limpeza e uma parte da parede junto à entrada é pintada de vermelho, colocando-se lamparinas de óleo em todas as entradas e janelas.

É então desenhado o caminho desde esse local até à caixa do dinheiro e dos valores, que se guarda de geração em geração. Todos os anos, neste dia, acrescentam-lhe algum dinheiro. Esses valores só são gastos em casos extremos.

De noite realizam-se vários rituais para a deusa da prosperidade, Laxmi e depois disso, começam em casa os jogos a dinheiro, permitidos neste dia.

Também nesta tarde as raparigas vão de casa em casa cantando canções à deusa e são agraciadas com doces e outras guloseimas.

A festa continua pela noite fora, já que é este o dia mais importante e que não se trabalha nestes 5 dias.
Amanhã será o dia do boi castrado e depois, o dias dos irmãos (no masculino).

É também hoje que a deusa Laxmi, companheira do deus Vishnu, o que sustenta o universo, desce à terra para encher de vida a planta do arroz. A partir de amanhã, se espremer uma vagem dessa planta,  surgirá um leite branco.

E esta noite é permitido e aconselhado roubar qualquer coisa ao vizinho, de preferência uma planta de curcuma dourada, que simboliza o ouro. Contudo, se roubar algo de valor, deverá devolver.

Sei tudo isto por ter no Facebook um amigo virtual nepalês, que gosta de mostrar estas coisas ao inúmeros amigos ocidentais que tem. Pediu-me amizade através de uma amiga comum norte americana. Todos nós agradecemos, pois não deve haver nenhuma festa que nós vivamos com tanta intensidade. Até no Natal se pergunta constantemente, numa constante condenação da convenção e da ilusão: "Ainda acreditas no Pai Natal?"

(Este blogue orgulha-se de fornecer informação em português sobre este e outros temas relativos a tradições, costumes e religiões do mundo).

VER TAMBÉM NESTE OUTRO BLOG, que coloco aqui como favorito

O Dia dos Corvos - Na índia e no Nepal




No primeiro dia do Festival Tihar, no Nepal, homenageiam-se os corvos. São os mensageiros da morte e beberam da água da vida, razão pela qual não são mortos pelo homem nem fogem dele.

Neste dia, a família alimenta os corvos, usando uma folha como prato, logo pela manhã. Só depois disso podem comer também.

Este Festival Tihar dura cinco dias, numa data que depende da lua, em outubro ou novembro. É o festival das luzes, dedicado ao deus dos mortos, ‘Yama Raj’.

O primeiro dia são venerados os corvos, no segundo os cães, no terceiro as vacas, no quarto o boi castrado (bullock), no quinto, as irmãs veneram os irmãos.

VER AQUI em inglês








sábado, novembro 02, 2013

O Dia dos Cães - Na índia e no Nepal




(Foto da Net)


(Foto da Net)


(foto de amigo nepalês do Facebok)

No grande festival Hindu e Budista de Tihar, que agora decorre no Nepal, há um dia em que os cães são venerados: fazem-lhes uma pintura  vermelha na cabeça (Tika),  enfeitam-nos com grinaldas e é-lhes dada comida deliciosa. E até lhes dirigem orações.
Também fazem isto aos cães vadios. 
Pedem-lhes que guardem as casas,do mesmo modo como guardam a passagem para o mundo inferior "underworld" (não sei se é esta a tradução). 
De facto, em muitas civilizações os cães e / ou as galinhas desempenham a função de psicopompo ou psicobomba, separando o mundo dos vivos do mundo dos mortos, ou estabelecendo a comunicação entre os dois, como nos Infernos gregos e romanos.

Noutros dias do mesmo festival, veneram o corvo e a vaca.